14 de dezembro de 2015

Afinal: Há salvação fora da Igreja Católica?


Uma das consequencias mais lastimáveis de se autoproclamar “infalível” é não poder admitir que errou quando tenta consertar o erro. Assim, em vez de admitir aberta e honestamente que errou no passado no que tange a certo ponto, e que agora está revisando o erro, prefere fazer malabarismos mentais na tentativa de conciliar tanto o erro quanto a mudança, como se fossem a mesma coisa, apenas dita sob “perspectivas diferentes”. Talvez nenhum outro exemplo seja mais admirável do que o da salvação fora da Igreja Católica (leia-se “Romana”) no ponto de vista dos próprios papistas.

Até o começo do século passado, se você perguntasse a qualquer bispo ou papa se é possível alguém se salvar não sendo católico, a resposta óbvia, categórica e automática seria um sonoro: “NÃÃÃÃÃOOOO!!!”. Hoje em dia, no mundo moderno e ecumênico em que vivemos, se você fizer a um bispo ou ao papa essa mesmíssima pergunta, a resposta será um: “Veja bem, meu caro...”.

Não há nada que seja mais explícito, claro, direto e categórico nos documentos antigos da Igreja Romana quanto a completa impossibilidade de alguém se salvar não sendo católico romano e sem estar sujeito ao pontífice romano. Os documentos oficiais da Igreja podiam ser dúbios em muitos aspectos, mas certamente não neste. O Concílio de Florença (1431-1445), por exemplo, afirmava categoricamente:

“A Igreja crê firmemente, professa e prega que todos aqueles que estão fora da Igreja Católica, não só pagãos, mas também judeus ou hereges e cismáticos, não podem compartilhar a vida eterna e irão para o fogo eterno que foi preparado para o diabo e seus anjos, a menos que eles estejam ligados à Igreja Católica antes do final de suas vidas, pois a unidade do corpo eclesiástico é de tal importância que somente aqueles que recebem os sacramentos da Igreja contribuem para a salvação, fazendo jejuns, obras de piedade e práticas cristãs que produzem recompensas eternas, e ninguém pode ser salvo, não importa o quanto tenha doado em esmolas e até mesmo se derramou o seu sangue em nome de Cristo, a menos que tenha perseverado no seio e na unidade da Igreja Católica[1]

Mais claro do que isso é impossível. Se você fosse pagão, judeu, “herege” ou “cismático” (ou seja, qualquer coisa que não seja católico romano, para eles), você está lascado, e o “fogo eterno” está à sua espera, aguardando-lhe ansiosamente para torturar-lhe por não ter sido católico. Sem receber os sacramentos da ICAR, não adianta dar esmolas e nem mesmo ser um mártir: já era. Sem chances. Hasta la vista, baby.

Entre as teses condenadas de John Wycliffe pelo Concílio de Constança (1414-1418), está a de que “não é necessário para a salvação acreditar que a Igreja Romana é suprema entre as outras igrejas”[2]. O que implica, obviamente, que é necessário para a salvação acreditar na supremacia papal, o que manda direto para o quinto dos infernos todos os protestantes e ortodoxos.

O “Catecismo Maior”, de 1905, mantém este mesmo parecer, sob a forma de perguntas e respostas rápidas. Segue algumas delas:

153 – Então não pertencem à Igreja de Jesus Cristo as sociedades de pessoas batizadas que não reconhecem o Romano Pontifice por seu chefe?

Resposta – Todos os que não reconhecem o Romano Pontifice por seu chefe, não pertencem à Igreja de Jesus Cristo.

168 – Pode alguém salvar-se fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana?

Resposta – Não. Fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se, como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era figura desta Igreja.

Mais claro do que isso, impossível. As chances de alguém ser salvo fora da Igreja Romana e sem reconhecer o papa como Sumo Pontífice são as mesmas de alguém que não entrou na arca de Noé sair vivo do dilúvio, ou seja, nada. Por essa razão, o papa Bonifácio VIII, em sua bula Unam Sanctam (1302), decreta que “é absolutamente necessária para a salvação que toda criatura humana esteja sujeita ao Pontífice Romano”[3]. Sobre essa bula papal, a Enciclopédia Católica reconhece que:

“A Bula Unam Sanctam reza as proposições dogmáticas da Igreja Católica e a necessidade de se pertencer a ela para a salvação eterna. A posição do papa como líder supremo da Igreja e o dever desde então crescente de submissão ao papa com o objetivo de pertencer à Igreja e, portanto, obter salvação”[4]

E o famoso Concílio de Latrão (1123), logo em seu primeiro cânon, já dispara o que era o mais importante para a época:

"Há apenas uma Igreja universal dos fiéis, fora da qual absolutamente ninguém é salvo, em que Jesus Cristo é tanto sacerdote e sacrifício”[5]

Contudo, os documentos mais modernos da Igreja, que datam da metade do século passado para cá, tem mudado o tom de tudo aquilo que era dito até então, dando razão ao choro de tradicionalistas da Montfort que não reconhecem a autoridade do Concílio Vaticano II e ao berro dos sedevacantistas que creem que todos os últimos papas são ilegítimos e que a “cátedra de Pedro” se encontra atualmente desocupada. Na carta do S. Ofício ao arcebispo de Boston, em 8 de outubro de 1949, a história já começa a mudar, tomando rumos diferentes do que era dito até então. De repente, de uma hora pra outra, “não é sempre necessário” que esteja efetivamente na Igreja (Romana) para ser salvo:

“Para que alguém obtenha a salvação eterna não é sempre necessário que seja efetivamente incorporado à Igreja como membro, mas requerido é que lhe esteja unido por voto e desejo”[6]

Como vemos, basta “desejar” a salvação oferecida pela Igreja Romana que já é suficiente; não é mais necessário receber efetivamente os sacramentos (como diz o Concílio de Florença), nem mais necessário reconhecer o papa como Sumo Pontífice (como diz o Catecismo Maior). Agora, basta ter “vontade”...

O mesmo documento diz ainda:

"Todavia, não é sempre necessário que este voto seja explícito como o é aquele dos catecúmenos, mas, quando o homem é vítima de ignorância invencível, Deus aceita também o voto implícito, chamado assim porque incluído na boa disposição de alma pela qual essa pessoa quer conformar sua vontade à vontade de Deus”[7]

Nada de exigir submissão ao bispo romano ou ter parte efetiva nos sacramentos: agora basta ter “boa disposição” que a galera não-católica já pode entrar na arca de Noé.

O atual Catecismo da Igreja Católica mantém este mesmo parecer modernista e revisionista afirmando:

“Graças a Cristo e à sua Igreja, podem conseguir a salvação eterna todos os que, sem culpa própria, ignoram o Evangelho de Cristo e a sua Igreja mas procuram sinceramente Deus e, sob o influxo da graça, se esforçam por cumprir a sua vontade, conhecida através do que a consciência lhes dita”[8]

Veja só que maravilha: agora não precisa nem mais do “voto implícito”, que mesmo os que ignoram o Evangelho e a Igreja (Romana) já podem ser salvos se “procuram sinceramente a Deus”. Se eu procuro a Deus com sinceridade, posso ignorar o Evangelho e a Igreja Romana e ser salvo do mesmo jeito. É show de bola, ecumenismo e tolerância pra dar e vender!

O “Decreto Unitatis Redintegratio”, sobre o ecumenismo, é outra pérola rica de amabilidade e tolerância religiosa, colocando na sola do sapato aqueles documentos velhos e ultrapassados (embora ainda infalíveis) que diziam que é preciso ser católico romano para ser salvo. O documento em questão afirma:

“Também não poucas ações sagradas da religião cristã são celebradas entre os nossos irmãos separados. Por vários modos, conforme a condição de cada Igreja ou Comunidade, estas ações podem realmente produzir a vida da graça. Devem mesmo ser tidas como aptas para abrir a porta à comunhão da salvação. Por isso, as Igrejas e Comunidades separadas, embora creiamos que tenham defeitos, de forma alguma estão despojadas de sentido e de significação no mistério da salvação. Pois o Espírito de Cristo não recusa servir-se delas como de meios de salvação cuja virtude deriva da própria plenitude de graça e verdade confiada à Igreja Católica”[9]

Falando sobre os “irmãos separados” (em vez de “rebelados”, “filhos da serpente” ou “descendentes do dragão”, como os apologistas católicos nos tratam), este documento, em vez de dizer que todos os evangélicos estão condenados ao “fogo eterno” por não reconhecerem a supremacia papal e não receber os sacramentos católicos, diz que:

• Essas igrejas nossas podem realmente produzir a vida da graça.

• Essas igrejas nossas podem abrir a porta à comunhão da salvação!

• Essas igrejas nossas não estão de forma alguma despojadas do “mistério da salvação”.

• O Espírito Santo usa as nossas igrejas como meios de salvação!

Se o papa Bonifácio VIII e os bispos dos concílios de Latrão, Florença e Constança estivessem vivos hoje, morreriam do coração (ou abririam outra igreja católica sedevacantista). Os que condenaram Wycliffe por ele ter dito o mesmo que este documento católico moderno devem estar se revirando no túmulo. E os que elaboraram o Catecismo Maior teriam um enfarte se vissem que este mesmo documento católico modernista assevera que a Igreja é apenas o meio “geral” de salvação, e não mais o “único” meio:

“Só pela Igreja católica de Cristo, que é o meio geral de salvação, pode ser atingida toda a plenitude dos meios salutares”[10]

Diante disso tudo, o padre Gargamel Paulo Ricardo, sempre ele, fez um artigo engraçadíssimo onde tenta dar uma de malabarista de circo e conciliar estes documentos claramente contraditórios, mas sua tentativa foi tão miserável e fracassada que a conclusão foi que até Mahatma Gandhi poderia ser salvo!

Ele diz:

“Suponha-se que um pagão, como Mahatma Gandhi, se tenha salvado. Como homem de boa vontade, ele salvou-se unido de alguma forma ao mistério da Igreja Católica”[11]

Pelo jeito, a “arca de Noé” está ficando cada vez maior e mais espaçosa. Agora, não é preciso nem reconhecer o papa como pontífice supremo, nem receber os sacramentos, nem mesmo ser católico, porque Gandhi não era nada disso e, mesmo assim, na opinião do padre Paulo Ricardo pode ter sido salvo “misteriosamente”. Com uma arca tão grande assim, parece que o dilúvio não é um problema. A capacidade da Igreja Romana em conciliar documentos infalíveis e contraditórios entre si mediante malabarismos de Cirque du Solei é tão notável que daqui alguns séculos não estarão mais discutindo se existe salvação fora da Igreja Católica, mas se existe salvação na Igreja Católica.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)




[1] Concílio de Florença, 1431-1445.
[2] Concílio de Constança, Sessão 8.
[3] Papa Bonifácio VIII, Unam Sanctam, Rome: 1302.
[4] Enciclopédia Católica. Disponível em: http://www.newadvent.org/cathen/15126a.htm
[5] Concílio de Latrão, Cânon 1.
[6] Carta do S. Ofício ao arcebispo de Boston, 8 de outubro de 1949. Cf. Denzinger-Hünnermann, n. 3867-3870.
[7] ibid.
[8] Catecismo da Igreja Católica – Compêndio, n. 171.
[9] Decreto Unitatis Redintegratio - Sobre o Ecumenismo.
[10] ibid.

34 comentários:

  1. O artigo diz: "Não há nada que seja mais explícito, claro, direto e categórico nos documentos antigos da Igreja Romana quanto a completa impossibilidade de alguém se salvar não sendo católico romano e sem estar sujeito ao pontífice romano...".

    Se fosse uma confissão de uma denominação evangélica, a multidão imediatamente chamaria de seita, pois a declaração tem odor de seita. Por que sendo com relação a Igreja Católica tem que ser diferente?

    As confissões abaixo, que se seguem no artigo, parecem impor. Ou seja, são lidas com respeito e reverência como se devessem ser entendidas tendo realidades espirituais. Esse é o engano. Um engano peroetrado por aqueles a serviço do Anticristo.

    O catolicismo é uma grande seita!

    Parabéns pelo artigo, Banzoli




    ResponderExcluir
  2. Lucas não estou conseguindo baixar seu livro sobre o calvinismo e o armianismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me manda um e-mail para lucas_banzoli@yahoo.com.br que eu envio em anexo.

      Excluir
    2. Banzoli, você quer calar um calvininista radical, daqueles que dizem que tudo que acontece já foi antes determinado por Deus desde a eternidade?

      Mande ele ler Jeremias 19:5, onde Deus diz: “Construíram nos montes os altares dedicados a Baal, para queimarem os seus filhos como holocaustos oferecidos a Baal, coisa que não ordenei, da qual nunca falei nem jamais me veio à mente”.

      Com a Bíblia não se brinca!

      Excluir
    3. Lucas Já enviei o E-mail,Lucas o que vc acha da página do Facebook refutando o Arnimianismo e tbm o q vc acha do Fabio Sabino

      Excluir
    4. Eu já respondi e enviei o livro em anexo, me confirme se você recebeu meu e-mail resposta.

      Eu não conheço essa página do Facebook porque só uso o Facebook para conversas privadas, não tenho o costume de visitar grupos ou páginas.

      O Fábio Sabino é um liberal charlatão que gosta de enganar leigos sem nenhum conhecimento teológico, mas foi surrado quando debateu com o Dr. Rodrigo Silva:

      http://novotempo.com/evidencias/2014/06/05/resposta-ao-professor-fabio-sabino/

      Excluir
    5. Eu ainda não Recebi,Manda de novo para ver se agora funciona

      Excluir
  3. Ótimo artigo.
    Meu Deus lucas,esse padre escreveu uma porcaria dessas? E olha que eu achava que só quem dizia besteiras eram os católicos comuns,mais provavelmente porque aprenderam na própria igreja.Faz até sentido ele querer que o ghandi se salve,mesmo que ele passe longe ser cristão. Acho que só assim a maioria dos que se dizem católicos podem ter alguma chance de salvação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele disse sim, pode ver aqui:

      https://padrepauloricardo.org/episodios/fora-da-igreja-existe-salvacao

      Abs.

      Excluir
  4. Ótimo artigo, Lucas. Você não demonstrou sua opinião pessoal e sim documentos da própria Igreja.

    Você já viu os vídeos do Pe. Paulo Ricardo sobre o Marxismo cultural ?

    E a ICAR é preterista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi alguns, mas não achei nada de mais. Existem muitas fontes melhores para se estudar sobre marxismo do que o padre Paulo Ricardo.

      Fica parecendo que a ICAR é preterista porque 99% dos apologistas católicos são preteristas, mas ela não tem nenhum ensino oficial sobre a questão. Pode ver que o catecismo nem mesmo tem tópico para "escatologia", "anticristo" ou similares. Ou seja, ela obriga seus apologistas a praticar livre exame da Bíblia sobre a questão, o que chega a ser bem engraçado, vindo daqueles mesmos que criticam o livre exame quando praticado por nós sobre a mesma questão.

      Por outro lado, também existe uma minoria de apologistas católicos futuristas, como o pessoal deste site:

      http://fimdostempos.net

      E ainda há católicos meio "em cima do muro", do tipo que interpreta a maior parte do Apocalipse preteristicamente, mas joga o anticristo e outros eventos finais para o futuro. Já vi vários assim também.

      Excluir
  5. Lucas, olha esse artigo de essa cara(ele é um gay de direita e conservador)

    https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=967590289919499&id=852885074723355&comment_id=1109383205740206&notif_t=like

    Esse papistas são fanáticos, o pior é que os argumentos delas são aqueles mesmo de Unidade da igreja, que ela deu a bíblia, etc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente a página não foi encontrada, ele deve ter excluído :(

      Excluir
  6. O Pior é ela dizendo que as doutrinas dos carismáticos e tradicionais são iguais. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. kkkkk muito bom o artigo.

    Não há uma carta de Jerônimo ao bispo de Roma em que ele fez essa analogia da arca? Ele acreditava nisso ou era bajulação ou algo do tipo...?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jerônimo não se referia a uma igreja em particular, mas a toda a Igreja universal (católica), seria como dizer que é necessário ser cristão para ser salvo. E Jerônimo era presbítero de Roma, mais especificamente na província romana de Estridão, ou seja, ele estava sujeito ao seu bispo, que era o bispo de Roma. Isso é natural, pois todos os presbíteros locais estavam sujeitos ao bispo da região, pelo menos desde Inácio (da mesma forma que o diácono local estava sujeito ao presbítero local). Isso não diz respeito aos presbíteros das outras regiões, que eram cada qual sujeito ao seu próprio bispo local em primeiro lugar (abaixo de Cristo).

      Eu falei sobre isso neste artigo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2014/02/inacio-de-antioquia-reconhecia-um.html

      Abs.

      Excluir
  8. Lucas, as fontes de suas citações estão disponíveis na internet?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim.

      1) Concílio de Florença:

      https://sites.google.com/site/evangelizandocommaria/concilios-da-igreja-catolica/concilio-de-basileia

      2) Concílio de Latrão:

      https://sites.google.com/site/evangelizandocommaria/concilios-da-igreja-catolica/primeiro-concilio-de-latrao

      3) Concílio de Constança:

      https://sites.google.com/site/evangelizandocommaria/concilios-da-igreja-catolica/concilio-de-constanca

      4) Bula Unam Sanctam:

      http://www.montfort.org.br/old/documentos/unamsanctam.html

      5) Enciclopédia Católica:

      http://www.newadvent.org/cathen/15126a.htm

      6) Carta do S. Ofício ao arcebispo de Boston (citação do Pe. Paulo Ricardo):

      https://padrepauloricardo.org/episodios/fora-da-igreja-existe-salvacao

      7) Catecismo da Igreja Católica:

      http://www.vatican.va/archive/compendium_ccc/documents/archive_2005_compendium-ccc_po.html

      8) Catecismo Maior:

      http://www.filhosdapaixao.org.br/doutrina/catecismos/catecismo_maior_pio_x/catecismo_11.htm

      9) Decreto Unitatis Redintegratio:

      http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decree_19641121_unitatis-redintegratio_po.html

      Abs.

      Excluir
  9. Lucas Coloca ae no youtube: O Plano Mestre-Parte 8- O Outro Lado da reforma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a mesma lorota de sempre:

      "Lutero causou o nazismo"

      -Refutado em:

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/06/o-holocausto-nazismo-e-suas-verdadeiras.html

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/08/demolindo-as-mentiras-do-fernando-nasicmento-sobre-lutero-e-o-protestantismo.html

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/09/o-revisionismo-hipocrita-do-catolicismo-em-torno-do-antissemitismo.html

      https://www.youtube.com/watch?list=PL38ULUKZYpDkrltUlA_4OdByJEptreWR0&v=hKp0OHnm6jU

      "Lutero mandou matar os anabatistas"

      -Refutado em:

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/03/nazismo-inquisicao-protestante-e-o.html

      "Lutero mandou matar camponeses"

      -Refutado em:

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/03/nazismo-inquisicao-protestante-e-o.html

      "Lutero era maçom"

      -Refutado em:

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/08/lutero-tinha-ligacoes-com-o-ocultismo-e.html

      Excluir
  10. Muito bom seu artigo. Esclarecedor! Fica na paz do Senhor Jesus!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, fique na paz de Cristo igualmente!

      Excluir
  11. Lucas, segundo os católicos do site ''O Catequista'', a igreja católica só está se referindo as igrejas ortodoxas e excluem as igrejas protestantes. Hahaha, esses católicos são uns comédia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehehe seria uma pena se o catecismo dissesse que quem provém da "apostasia" (referindo-se a Lutero) está também "incorporado em Cristo":

      818. Os que hoje nascem em comunidades provenientes de tais rupturas, «e que vivem a fé de Cristo, não podem ser acusados do pecado da divisão. A Igreja Católica abraça-os com respeito e caridade fraterna [...]. Justificados pela fé recebida no Batismo, incorporados em Cristo, é a justo título que se honram com o nome de cristãos e os filhos da Igreja Católica reconhecem-nos legitimamente como irmãos no Senhor» (278).

      Em quem acreditar? No catecismo ou no "catequista"?

      Excluir
  12. Salvação só em Cristo Jesus meus amigos, a Salvação é um dom gratuito da graça de Deus, um favor imerecido a todos nós, eu não abro em acreditar que Jesus deixou uma Igreja aqui na terra, contudo não são os Católicos Coptas, Católicos romanos, Católicos Ortodoxos, Católicos Melquitas, Católicos Maronitas, Católicos Armênios, enfim não é nenhuma dessas e outras igrejas milenares, e nem mesmo as protestantes como a Batista, Presbiteriana ou Adventista que Salvam. Salvação só em Cristo Jesus, agarrasse a Cristo, Ele é o seu bem mais precioso, Ele é mais bendito que toda a legião dos Anjos e Santos, Ele é o próprio Deus, devo-tesse a Cristo, tome sua cruz, tenha Cristo por seu amigo pessoal, leia a Bíblia, milite contra as trevas, seja Sal da terra e Luz do mundo, e assim terás achado a Salvação, ainda que tenhamos Santos intercessores como os Cristãos milenares como eu acreditam, Cristo é o Santo dos Santos, ainda que creiamos na intercessão da virgem Maria, Cristo é o Santo dos Santos, sem Cristo não existiria Maria, nem os Santos Anjos, nem mesmo os Santos Irmãos que venceram na terra e hoje militam nos Céus intercedendo por nós, Cristo é o foco de todas as coisas, deixem que te excomunguem que digam que você irá para o inferno, deixe que te maltratem, sê fiel a Cristo e a sua Palavra, pois, no conhecer do próprio Deus está a fonte da vida. A Missão da Igreja na terra é militar contra o Diabo e os demais demônios, aonde exitem três ou mais pessoas reunidas no poderoso nome de Cristo, crendo que Ele é Deus junto com o Pai e o Espírito Santo, ali a graça de Cristo se manifestará. Paz e Bem a todos os queridos irmãos em Cristo!

    ResponderExcluir
  13. Me perdoe por minha ignorância, mas como é visto na Bíblia diversas vezes a misericórdia de Deus é infinita. Como pode eu ou você conhecermos se alguém não irá ser salvo. Acredito que existem diversos mistérios que só entenderemos chegando no Céu. Não a dúvida que é pela Santa Igreja que Cristo quer que vivamos, professando a fé nEle e em tudo que nos deixou. Mas como julgar a Misericórdia do Pai, eu não me vejo digno de tal coisa, me resta rezar a Deus pela conversão e santificação de cada um, implorando sua misericórdia para a salvação de TODOS, pois é da vontade de Deus que todos sejam salvos e gozem da vida eterna não? A paz de Cristo!
    Obs: tenho um livro a te sugerir se tiver tempo: chama "As 7 mentiras sobre a Igreja católica". Depois se quiser procure. Além disso um outro autor que te sugiro chama-se Scott Hahn.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou, falou, falou... e não respondeu nada.

      Afinal: há salvação ou não fora da ICAR? Se sim, como ficam todos aqueles documentos que diziam expressamente que não? Se não, como ficam todos aqueles documentos que diziam expressamente que sim? Em qualquer caso, onde fica a infalibilidade papal?

      Excluir
  14. Pergunta que não tem nada a ver, mas, que está me deixando encafifado:
    Por que os carismáticos só sabem chorar? Eles vão
    à culto, digo, missa de cura e libertação e choram ouvem música e choram. Fico me pergutando: Será que nos cultos da igreja de Cristo lá em Jerusalem eles tinham o costume de chorar? Ai, ai....
    Quando levei minha mulher a uma igreja que presta atenção absoluta nos ensinamentos das Escrituras Sagradas, que passa esse ensinamentos nos cultos e que procura com toda diligência praticar esses ensinamentos, ela disse que a igreja era fria sem graça. Resumindo, ela não gostou da igreja. Isso me deixou triste, pois, nos dias de hoje as pessoas estão buscando mais cantores gospel e choros e acontecimentos fantásticos e quando alguém vem com pregação Bíblica instando a pessoa a praticar santificamente aquilo que ali está escrito, as pessoas não gostam. Mas, o evangelho mamão com açucar, se deliciam. Ora, será que Deus quer pessoas que se emocionam com uma música ou pessoas que se emocionam cada vez que estudam, praticam e pregam sua verdadeira doutrina descrita apenas na Bíblia?

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo artigo! Você deixou claro a tamanha incoerência dos documentos da ICAR e a sua doutrina. Sabe qual vai ser argumento dos papistas a respeito disso? Nenhum... Somente essa afirmação: "As fontes são forjadas". Mas ainda sim não irão provar essa medíocre afirmação. Mais uma vez parabéns pelo seu trabalho e que Deus esteja te capacitando todos os dias. Hasta Luego!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que nesse caso nem podem alegar que as fontes são forjadas, porque eu passei link que remete aos sites católicos tradicionalistas que trazem cada um desses documentos. Ou seja, vão ter que apelar aos malabarismos de sempre para tentar conciliar essas contradições óbvias como se todos esses autores pensassem do mesmo jeito... não sei nem como eles conseguem enganar a si mesmos.

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.