13 de junho de 2014

Novo Livro - "Em Defesa da Sola Scriptura"


DESCRIÇÃO

Sola Scriptura tem sido o princípio reformado mais sistematicamente combatido pelos católicos nos últimos cinco séculos. Em seus sites apologéticos e em seus livros eles fazem questão de colocar a Sola Scriptura como o centro e o alvo de todos os seus ataques. O lema de que a Bíblia é a única regra de fé do cristão incomoda aqueles que fazem da tradição seu padrão de vida e doutrina. Por séculos os papistas tem argumentado que a Sola Scriptura é o “ponto fraco” do Protestantismo, e tem defendido a existência de uma tradição oral em pé de igualdade com as Escrituras, bem como um magistério romano que é o único que pode interpretar infalivelmente a Bíblia.

Em vista do ataque maciço da apologética católica contra o princípio cristão da Sola Scriptura, é preciso uma defesa sólida e consistente. Através deste livro, o autor apresenta os fundamentos da Sola Scriptura em uma pesquisa aprofundada nos Pais da Igreja que resultaram em mais de 400 citações patrísticas, além de amplo arsenal bíblico e lógico que dão sustento à fé reformada. Questões como livre exame, divisão protestante, Igreja, tradição, patrística e muitas refutações serão abordadas de uma forma crítica e pontual, derrubando os sofismas romanistas e erguendo mais uma vez o pilar e o fundamento da nossa fé, proclamando toda a Bíblia e somente a Bíblia como o guia dos verdadeiros cristãos.



SUMÁRIO

INTRODUÇÃO         

CAP.1 – CONCEITOS DIVERGENTES
        
• Introdução ao Capítulo    
• A Escritura para os Reformados 
• A Escritura para os Romanistas  

CAP.2 – O QUE SIGNIFICA “IGREJA”?  

• Introdução ao Capítulo    
• A Igreja é uma instituição?        
• A Igreja é uma instituição Romana?      
• Diferenças entre a Igreja Romana e a Ortodoxa        
• Diferenças Gerais 
• Diferenças especiais:      
• A Igreja de Cristo era “Católica”?
• Últimas Considerações     

CAP.3 – OS PAIS DA IGREJA E A SOLA SCRIPTURA   

• Introdução ao Capítulo    
• Justino de Roma (100-165)        
• Irineu de Lyon (100-165) 
• Tertuliano (160-220)       
• Orígenes (185-253)        
• Dionísio de Alexandria (†265)     
• Eusébio de Cesareia (265-339)   
• Atanásio de Alexandria (296-373)         
• Cirilo de Jerusalém (313-386)    
• Epifânio (320-403)
• Basílio de Cesareia (329-379)     
• Gregório de Nissa (330-395)      
• Ambrósio de Milão (340-397)     
• João Crisóstomo (347-407)        
• Jerônimo (347-420)        
• Agostinho (354-430)       
• Teodoreto (393-466)       
• Vicente de Lérins (†440)  
• Arquelau (Séc.IV) 
• Últimas considerações     

CAP.4 – O QUE ERA A VERDADEIRA TRADIÇÃO APOSTÓLICA?      

• Introdução ao Capítulo    
• Tradições Escriturísticas   
• A Trindade é fruto da tradição oral?     
• Tradições como costumes
• Tradições como dados históricos 
• Tradições interpretativas da Bíblia        
• Últimas considerações     

CAP.5 – O TELEFONE SEM FIO E A TRADIÇÃO ORAL
        
• Introdução ao Capítulo    
• A tradição oral é confiável?       
• As divergências entre os Pais da Igreja 
• Considerações      
• A preservação e autenticidade do Novo Testamento   
• Últimas considerações     

CAP.6 – A SOLA SCRIPTURA NA BÍBLIA
        
• Introdução ao Capítulo    
• Não acrescentar nem diminuir    
• A tradição oral nos tempos de Jesus     
• A “tradição” oral de Pedro
• A certeza daquilo que foi ensinado       
• A confirmação bíblica é necessária       
• O evangelho não estava sujeito a acréscimos  
• A Escritura é suficiente    
• 2ª Timóteo 3:14-17        
• Refutando Objeções: Somente o Antigo Testamento? 
• Refutando Objeções: Útil não é suficiente?      
• Últimas considerações     

CAP.7 – REFUTAÇÕES A ARGUMENTOS INTERESSANTES     

• Introdução ao Capítulo    
• A tradição de Paulo em 1ª Coríntios 11:2        
• A tradição de Paulo em 2ª Tessalonicenses      
• O Cânon Bíblico    
• Últimas considerações     

CAP.8 – REFUTAÇÕES A ARGUMENTOS IDIOTAS       

• Introdução ao Capítulo    
• “...Muitas outras coisas” – João 21:25   
• A autoria dos evangelhos 
• A Sola Scriptura só seria possível a partir da invenção da imprensa 
• O Novo Testamento faz menção a livros não-canônicos        
• Os muçulmanos e o Alcorão       
• Últimas considerações     

CAP.9 – O LIVRE EXAME   

• Introdução ao Capítulo    
• O livre exame na visão reformada       
• O livre exame na Bíblia    
• O livre exame nos Pais    
• O livre exame na lógica   
• O livre exame católico     
• O magistério no Antigo Testamento?     
• O papa ou o patriarca?    
• Últimas considerações     

CAP.10 – DIÁLOGO SOBRE A “DIVISÃO” PROTESTANTE     

• Introdução ao Capítulo    
• Diálogo      
• Últimas considerações     

CONSIDERAÇÕES FINAIS 

APÊNDICE 1 – COLUNA E SUSTENTÁCULO DA VERDADE     

APÊNDICE 2 – EU NÃO CRERIA NO EVANGELHO, SE NÃO FOSSE A AUTORIDADE DA IGREJA

• A Igreja está fundamentada na Bíblia   
• Agostinho não contraria essa tese
• Considerações adicionais  

APÊNDICE 3 – BÍBLIA: FEITA POR CATÓLICOS E PARA CATÓLICOS?       



ONDE COMPRAR A VERSÃO IMPRESSA

O livro impresso foi dividido em dois volumes, o primeiro com 250 páginas e o segundo com 217 páginas. Eles podem ser comprados somente online (chega por correio na casa de cada um), através deste endereço:

• Volume 1:


• Volume 2:




DOWNLOAD DO E-BOOK GRATUITO

O livro completo em formato digital está disponível gratuitamente nestes dois links para download, em um volume único:



Se alguém não conseguir fazer o download do livro, basta enviar um e-mail para mim (lucas_banzoli@yahoo.com.br) que eu envio por anexo.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)

10 comentários:

  1. Caro Lucas,
    Gostaria, dentro da possibilidade, que o nobre amigo fizesse uma analise das informaçoes contidas no seguinte site, que trata do batismo EM NOME DO SENHOR JESUS: http://www.cnub.org.br/estudos/index.php?not_id=83
    Deus te abençoe!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcelo,

      Me desculpe dizer assim, mas o cara que escreveu esse artigo é um PICARETA. Essa parte do texto dele é simplesmente ridícula:

      "Porém, para melhor esclarecimento e compreensão, vamos aqui citar as palavras escritas nos originais hebraicos e em nossas traduções. Nos originais hebraicos assim está escrito: “E me dada toda semixá (autoridade) no céu e na terra, portanto ide, fazei talmidim (discípulos) em todas as nações em meu Nome”. (v. 19). As palavras Pai, Filho e Espírito Santo não aparecem no texto original. Verso 20: “Ensinado-as a observar todas as coisas que Eu vos tenho mandado; e eis que Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

      Ao contrário do que ele disse, o texto citado está no original GREGO (e não "hebraico", porque Mateus não foi escrito em hebraico!), e em todos os mais de cinco mil manuscritos gregos antigos este verso consta. Você pode consultar no Códice Vaticano, no Sinaítico, no Alexandrino, no Textus Receptus, onde quiser. Está lá. Ele só não quer crer por birra mesmo.

      Sobre a questão do batismo em si, não existe uma fórmula fixa. Tanto os trinitarianos que dizem que tem que ser em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, quanto os anti-trinitarianos, que dizem que tem que ser apenas em nome de Jesus, estão errados. O Novo Testamento não tem uma fórmula fixa, mas várias fórmulas válidas diferentes. Em Atos vemos três diferentes: "em nome de Jesus", "em nome do Senhor Jesus", e "em nome do Senhor Jesus Cristo". Qualquer uma dessas, ou a fórmula trinitariana de Mateus, estão corretas. Infelizmente algumas igrejas zelam tanto por uma formalidade litúrgica em tudo, que acabam corrompendo a simplicidade do evangelho original, que na maioria das coisas não tinha uma "fórmula oficial".

      Abraços!

      Excluir
  2. Muito obrigado por disponibilizar esse material! Estava procurando por algo assim e tive dificuldade em encontrar! Ser-me-á muito útil.

    ResponderExcluir
  3. Caro Lucas,
    Agradeço imensamente sua resposta, pois não tinha conhecimento de nada disso.
    Outrossim, uma vez que está em escrito em Cl 3:17, que tudo quanto fizermos, seja por meio de palavras ou ações, devemos fazer EM NOME DO SENHOR JESUS, gostaria de saber se você não entende que o batismo também se enquadraria nessa determinação divina?
    Digo isso, pois praticamente tudo que faço (oração, viagem, trabalho, estudo, leitura da Bíblia, etc.), o faço em nome do Senhor Jesus, não como um amuleto de sorte, mas de todo o meu coração, consagrando minha vida a Deus, conforme o mandamento de Cl 3:17.
    Dessa forma, se a mim coubesse fazer um batismo, por certo, eu faria em nome do Senhor Jesus.
    Respeitosamente,

    Marcelo Victor

    ResponderExcluir
  4. Creio que sim. Todavia, não me lembro de ter tratado desse assunto por esse prisma.
    Tomo a liberdade de deixar registrada minha posição, mas fique a vontade para não comentar se não quiser. No entanto, se houver alguma discordância naquilo que digo, com relação às Escrituras, por favor corrija-me:

    A Bíblia diz que tudo aquilo que o crente fizer (por palavras ou obras) deve ser feito EM NOME DO SENHOR JESUS para a glória de Deus Pai, inclusive como uma condição para que as orações sejam aceitas e atendidas por Deus (Colossenses 3:17; João 14:13-14; João 15:16 e João 16.23-24).
    Claro que isso não deve ser tomado como um "amuleto da sorte", mas realizado com temor reverencial (de um puro e sincero coração), crendo que, quando um crente legítimo usa esse nome:
    1 - Deus lhe concedeu autoridade para falar em nome de Jesus;
    2 - Denota que Jesus encontra-se presente no momento em que Seu nome é invocado;
    3 - Aquele ato está sendo realizado para a glória de Deus; e
    4 - O crente reconhece que dependemos totalmente de Deus e não possuímos mérito algum.
    Ocorre que, se a Bíblia nos ensina que o crente legítimo deve usar esse NOME em sua vida cotidiana, quanto mais nos momentos litúrgicos (orações, serviços religiosos, santa ceia, batismo, etc.)?!
    Por isso, entendo que os apóstolos seguiram exatamente a determinação do divino Mestre quando batizaram EM NOME DO SENHOR JESUS, até porque, Jesus os havia orientado a realizar a `Obra de Deus´ EM SEU NOME: expulsar os demônios; falar novas línguas (para a edificação da igreja); impor as mãos sobre os doentes; etc. (Marcos 16:17-18).
    Se analisarmos algumas passagens bíblicas, me parece que as coisas caminharam exatamente nesse sentido:
    1 - “E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda” (At 3:6),
    2 - “Seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, em nome desse é que este está são diante de vós” (At 4:10);
    3 - “E isto fez ela por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu” (At 16.18),
    4 - “Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, seja, este tal, entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus” (1 Co 5.4-5).
    Deus vos abençoe!!!

    ResponderExcluir
  5. Grande Lucas ! Estamos ai combatendo o bom combate! Agora estou investindo em ser apologeta de youtube rs ! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! Tem o link do seu canal pra eu assistir? Abs!

      Excluir
  6. Não vamos complicar, se Jesus diz algo e os discípulos diz algo parecido, uso o q Jesus diz...

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.