O batismo infantil foi praticado pela Igreja primitiva?

O BATISMO INFANTIL FOI PRATICADO PELA IGREJA PRIMITIVA?
(Matthew Pinson)

Tradicionalmente, os defensores do batismo infantil (ou pedobatismo) alegam que sua prática remonta aos apóstolos. Entretanto, não há provas para essa afirmação. Não existe nenhuma evidência clara para o batismo infantil anterior ao terceiro século. Até mesmo a declaração de Agostinho de que o batismo infantil era um “costume firmemente estabelecido” na Igreja está imprecisa. Tão tardios quanto os escritos de Agostinho (final do quarto e início do quinto século), muitos Pais da Igreja também não praticaram o batismo infantil ou nem mesmo eles próprios receberam o batismo até se tornarem adultos. Somente após a morte de Agostinho, no século V, poderíamos nos referir ao batismo infantil como um costume firmemente estabelecido.

Para entendermos essa questão precisaremos abordar dois aspectos:

(1) Nós devemos discutir qual foi o motivo para o batismo infantil criar raízes no terceiro século e tornar-se uma pratica generalizada por volta do quinto século.

(2) Nós devemos mostrar que o batismo infantil não era a prática dos cristãos primitivos no período entre a época dos apóstolos e o século III.

Entretanto, antes de fazermos essas duas coisas, devemos ter em mente a ideia principal que parece dirigir o argumento pedobatista ao longo da história: se o batismo infantil foi uma adição tardia, então por que não houve controvérsia sobre sua introdução dentro das igrejas? A resposta a essa questão é dupla: em primeiro lugar, não há evidência clara do batismo infantil anterior ao terceiro século, e o pedobatista deve lidar com isso. Quaisquer discussões sobre a razão pela qual o batismo infantil veio à cena com pouca oposição registrada não obscurece o fato de que o batismo de crentes é a prática evidente antes do século III – e o batismo infantil não é. Em segundo lugar, Tertuliano argumentou contra a introdução do batismo infantil, o que nós discutiremos em breve.

Agora, voltando ao aspecto (1), por que o batismo infantil foi introduzido no terceiro século? Sobre isso, há duas coisas que temos de discutir: primeiro, o sistema catecúmeno, e segundo, a questão da condenação infantil e a regeneração batismal. O sistema catecúmeno já estava estabelecido no início do século II. Nesse sistema, as pessoas se submetiam a um período de instrução depois da conversão e antes do batismo. Os primeiros Pais da Igreja colocaram tanta ênfase na instrução na fé como algo precedente ao batismo, que a maioria dos convertidos se submeteu a meses ou anos de instrução catequética antes de se batizar.

Muitos dos mais conhecidos Pais da Igreja submeteram-se a tais catequeses e não receberam o batismo até a maioridade, mesmo sendo filhos de pais cristãos. Isso inclui, entre outros, homens como Atanásio, Basílio, Clemente de Alexandria, Hipólito, Gregório de Nissa, Crisóstomo, Jerônimo e o próprio Agostinho[1]. Se o batismo de crianças era um costume desde o tempo dos apóstolos, certamente esses homens teriam sido batizados antes da idade adulta. No entanto, esses homens foram resultados do sistema catecúmeno. Eles foram catecúmenos que se submeteram a instrução na fé por muitos anos antes de serem admitidos no batismo.

Assim, dado esse contexto, como o batismo infantil veio a substituir o sistema catecúmeno? Foi simplesmente assim: as pessoas começaram a crer na errônea doutrina da condenação dos infantes e na regeneração batismal, o que logo se tornou comum nas igrejas.

Agora, analisando o aspecto (2), nós devemos lidar com as provas existentes, anteriores ao terceiro século, de que o batismo era administrado somente aos crentes e não aos infantes[2]. O melhor lugar para começar é na igreja primitiva do século II. Toda referência que nós encontramos na Igreja do segundo século apresenta a confissão de fé como uma qualificação essencial para o batismo[3].

A melhor e mais antiga fonte sobre o batismo de crentes é o Didaquê (ou “O Ensino dos Doze Apóstolos” A.D. 100-110). Este documento entra em mais detalhes sobre o batismo do que qualquer outro tratamento do século II. O Didaquê não estabelece apenas as qualificações morais para quem está prestes a se submeter ao batismo, mas também exige que o candidato ao batismo jejue por um ou dois dias[4].

Paul K. Jewett pergunta, “como é que vamos explicar a omissão de qualquer referência ao pedobatismo neste manual primitivo sobre o uso adequado do batismo? É difícil imaginar tal omissão ocorrendo sobre a tutela de católicos romanos, anglicanos, luteranos, ou mesmo presbiterianos, metodistas ou congregacionais…. não é, portanto, altamente implausível que o Didaquê tenha sido produzido por uma comunidade de pedobatistas primitivos que apenas nada disseram sobre o batismo infantil?”[5].

Todas as outras referências ao batismo no século II rendem os mesmos resultados. Pedobatistas têm há muito tentado atribuir um sentido incorreto a Justino Mártir como se ele ensinasse o batismo infantil quando ele fala de “muitos homens e mulheres que, tornando-se discípulos de Cristo desde criança, permanecem incorruptos até os sessenta e setenta anos”[6]. No entanto, nenhum batista negaria que se uma criança é madura o suficiente para ser um “discípulo de Cristo” – e é um então ela pode ser admitida para o batismo. Longe de suportar o batismo infantil, o comentário de Justino Mártir suporta o batismo de discípulos.

Muitos autores pedobatistas, tais como Joachim Jeremias, têm dito que Irineu cria no batismo infantil, por causa de sua declaração (c. A.D. 180) de que, através de Cristo, pessoas de todas as idades são renascidas, incluindo infantes[7]. Entretanto, como argumenta Everett Ferguson, “antes de nos precipitarmos em aceitar uma referência ao batismo infantil aqui, devemos ser cautelosos”. Ferguson argumenta que Irineu usa o termo “renascer” (renascor) para a “a obra de Jesus de renovação e rejuvenescimento concretizada pelo seu nascimento e ressurreição, sem qualquer referência ao batismo... a vinda de Jesus trouxe um recomeço a toda a raça humana. Ele santificou todas as idades da vida. Aceitar sua renovação ao ser batizado é outra questão e cai fora do âmbito desta passagem”[8]. Essa é a interpretação padrão batista articulada por autores tais como Hezekiah Harvey and Paul King Jewett. No entanto, essa visão sobre Irineu é também compartilhada por pedobatistas como Kurt Aland[9].

À medida que avançamos para o início do terceiro século, nós encontramos Tertuliano, que escreveu o primeiro tratado completo sobre batismo, De Baptismo. Favorecendo fortemente o sistema catecúmeno, ele acreditava que as pessoas deveriam adiar o batismo até que elas fossem instruídas na fé por um longo tempo:

“Por conseguinte, tendo em conta as circunstâncias e a vontade, até mesmo a idade de cada pessoa, o adiamento do Batismo é mais vantajoso, em particular, no entanto, no caso de crianças... o Senhor, na verdade diz: ‘Não as impeçais de vir a mim’ (Mt 19). Que venham, então, enquanto elas estão crescendo; venham enquanto estão aprendendo, enquanto elas estão sendo ensinadas para onde devem vir; deixai-as tornarem-se cristãs, quando elas foram capazes de conhecer a Cristo. Por que se apressa a idade da inocência para a remissão dos pecados?”[10]

Esta passagem mostra que Tertuliano é contrárioao batismo infantil, precisamente porque ele é a favor do batismo de crentes. Batistas, é claro, concordam que o batismo infantil criou raízes no terceiro século. Pais da Igreja como Cipriano, Orígenes e Agostinho o aprovaram. No entanto, Orígenes foi defensivo sobre o assunto, dizendo que o batismo de infantes “é uma coisa que causa frequentes questionamentos entre os irmãos”[11]. Essa declaração trabalha contra o argumento pedobatista de que ninguém protestou contra a introdução gradativa do batismo infantil.

Não há nenhuma evidência direta para a afirmação de que o batismo infantil era praticado nos primeiros dois séculos da igreja cristã. Pelo contrário, toda a evidência estabelece crentes como os únicos sujeitos aptos para o batismo antes do século III. Quando colocado ao lado dos dados do Novo Testamento sobre o batismo, isso demonstra que o batismo apostólico era para crentes somente.

Por: Matthew Pinson.
Traduzido por: Samuel Coutinho.
Extraído de: Deus Amou o Mundo.


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)




[1] HARVEY, Hezekiah. The Church: Its Polity and Ordinances(Philadelphia: American Baptist Publication Society, 1879; repr. Rochester, NY: Backus, 1982), 211; ARGYLE, A. W. “Baptism in the Early Christian Centuries,” in Christian Baptism, ed . A. Gilmore (Chicago: Judson, 1959), 187, 202-03, 208.

[2]Para um dos melhores e mais sucintos tratamentos da visão dos cristãos primitivos sobre o batismo, ver Paul King Jewett, Infant Baptism and the Covenant of Grace (Grand Rapids: Eerdmans, 1978). 13-43. Ver também Steven McKinion, “Baptism in the Patristic Writings,” em Thomas R. Schreiner e Shawn D. Wright, eds., Believer’s Baptism: Sign of the New Covenant in Christ (Nashville: B&H Academic, 1006), 163-88.

[3]Ver, p. ex., A Epístola de Barnabé (c. A.D. 120-130), o qual advoga o batismo de crentes somente: “Nós descemos para a água cheios de pecados e impurezas, e retornamos dando frutos em nossos corações, temor e esperança em Jesus no Espírito” (Ante-Nicene Christian Library, Apostolic Fathers, I, 121). Obviamente, infantes são incapazes de exibir este tipo de comportamento. Outro exemplo é encontrado no Shepherd de Hermas, escrito na metade do Segundo século. Hermas coloca o arrependimento como condição para o batismo (Jewett, 40).

[4]“Antes de batizar, tanto aquele que batiza como o batizando, bem como aqueles que puderem, devem observar o jejum. Você deve ordenar ao batizando um jejum de um ou dois dias” (Didache, 7.4).

[5]Jewett, 40-41.

[6]Citado em Harvey, 202.

[7] JEREMIAS, Joachim. Infant Baptism in the First Four Centuries. Tradução: David Cairns (Philadelphia: Westminster, 1962), 73.

[8] FERGUSON, Everett. Baptism in the Early Church: History, Theology, and Liturgy in the First Five Centuries (Grand Rapids: Eerdmans, 2009), 308.

[9] Harvey, 203-04; Jewett, 25-27; Kurt Aland, Did the Early Church Baptize Infants? Traduzido por G. R. Beasley-Murray (Philadelphia: Westminster, 1963), 58-59. Para um tratamento batista primitivo de Irineu similar a este, ver John Gill, Infant Baptism a Part and Pillar of Popery (Philadelphia: American Baptist Publication Society, 1851), 22-23. Ver também “The Baptismal Question in the Light of Scripture and Church History, “Freewill Baptist Quarterly 26 (1859), o qual questiona, “se o batismo infantil era praticado por Cristo e seus apóstolos  e no primeiro e segundo séculos, não é extremamente estranho que nossos amigos pedobatistas não possam encontrar nenhuma prova disso, mas só essa passagem de Irineu, que, afinal, não diz nada sobre o batismo?” (128).

[10] TERTULIANO. Tertullian’s Treatises: Concerning Prayer, Concerning Baptism. Tradução: Alexander Souter (New York: Macmillan, 1919), 69.

[11]Citado em Jewett, 30.

Comentários

  1. Amigo Lucas, como você responderia a essa argumento:

    É interessante tentar dialogar com um protestante nestes termos:

    - Irmão, você acredita que a Bíblia é a única fonte de fé do cristão?
    - Sim.
    - Isso significa que você só acredita no que estiver nas escrituras e somente nas escrituras?
    - Isso mesmo!
    - Reconhece que esse princípio se chama "sola scriptura", certo?
    - Correto.
    - Então por que acredita no sola scriptura, se esse princípio não está nas escrituras?

    Com essa ele vai engasgar e perguntar ao pastor.
    O pastor vai citar S. Paulo, que diz ser a escritura útil e suficiente para ensinar.

    Bom... aí começa a irracionalidade, pois:

    1) ser útil não significa ser única.
    2) S. Paulo estava se referindo obviamente ao AT, não ao conjunto todo das escrituras como hoje conhecemos.
    3) Ser suficiente, nesse contexto, é conter o necessário para explicar que as profecias do AT sobre o Messias se cumprem em Jesus Cristo ressuscitado, objetivo de S. Paulo.
    4) Para ensinar, alguém tem que fazê-lo. Ou seja, a escritura não explica a si mesma e S. Paulo estava a fazer exatamente isso. O que por si já refuta o sola scriptura.

    É importante bater nessa tecla, a falsidade do princípio sola scriptura, porque toda e qualquer doutrina protestante se baseia nela. É imprescindível para sustentar o castelo protestante.

    E como é uma mentira...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Esse diálogo já começa errado logo na segunda frase, que diz:

      "- Isso significa que você só acredita no que estiver nas escrituras e somente nas escrituras?
      - Isso mesmo!"

      Qual evangélico do mundo é tão ridículo ao ponto de afirmar que só acredita em alguma coisa, se essa coisa estiver na Bíblia? Eu acredito que eu nasci em São Paulo, e isso não está na Bíblia. Eu acredito no que dizem os livros mais renomados de História, mesmo quando as histórias que ali estão não se encontram na Bíblia. Eu acredito na ciência, ainda que a ciência diga algo que não consta nas Escrituras (você não vai encontrar a relatividade de Einstein na Bíblia, por exemplo). Evangélicos creem em um monte de coisas que definitivamente não estão na Bíblia. O católico que escreveu essa baboseira o faz por desonestidade ou ignorância.

      Então o que é Sola Scriptura? Sola Scriptura é simplesmente a tese segundo a qual nós só podemos saber com garantia o que foi originalmente ensinado por Jesus e pelos apóstolos através daquilo que nos foi conservado por escrito. E isso nos leva, obviamente, à crença de que, DOUTRINARIAMENTE, é apenas a Bíblia a regra de fé do cristão. Mas o próprio "Sola Scriptura" não é uma doutrina, mas meramente uma afirmação, um princípio. Portanto, ele não precisa estar necessariamente na Bíblia (eu não estou dizendo que ele NÃO ESTÁ na Bíblia, e sim que NÃO PRECISA estar na Bíblia).

      O silogismo lógico é feito da seguinte maneira:

      • Existem duas formas de se chegar ao que foi ensinado originalmente por Jesus e por seus apóstolos: por aquilo que foi transmitido oralmente e por aquilo que foi escrito.

      • Aquilo que foi transmitido oralmente se perdeu com o tempo e passou por acréscimos, mudanças e alterações ao longo dos séculos, ou seja: corrompeu-se. Igual ocorreu com a tradição oral judaica, que foi duramente repreendida por Jesus (Mt.15:3-6; Mc.7:3-9).

      • Aquilo que foi transmitido por escrito – e que está guardado nas Sagradas Escrituras – conservou-se preservado e inalterável ao longo dos séculos até hoje.

      • Portanto, se somente a transmissão escrita preservou-se, temos uma base sólida para o princípio da Sola Scriptura – somente as Escrituras.

      Se você quiser ver as provas de cada um dos pontos, a refutação à autenticidade e preservação da suposta tradição oral, e a refutação aos demais argumentos papistas, basta baixar o meu livro "Em Defesa da Sola Scriptura", neste link:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2014/06/novo-livro-em-defesa-da-sola-scriptura.html

      E sobre o segundo texto, todas as refutações ao argumento católico exposto nas linhas acima pode ser visto neste meu artigo aprofundado especificamente sobre este texto, publicado em meu outro site:

      http://apologiacrista.com/index.php?pagina=1079227153

      Abraços.

      Excluir
  2. Caro amigo Lucas é verdade que não existe oficio de padre na biblia e nem oficio da missa, e com que autoridade tem os padres da igreja catolica de batizar crianças. Isso é verdade amigo Lucas. Marcos Monteiro. abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos, a paz. Não existe na Bíblia o cargo de "padre". A Bíblia (inclusive a católica) fala apenas de "pastor":

      "A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, PASTORES, doutores, para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo" (Efésios 4:11-12)

      Essa é uma tradução da Bíblia CATÓLICA "Ave Maria".

      E, de fato, não vemos na Bíblia apóstolo nenhum celebrando algo conhecido hoje por "missa".

      Abraços.

      Excluir
  3. Ótimo artigo,

    Os pedobatistas mostram um quadro falacioso ou incompleto quando tratam da posição dos Pais da Igreja a respeito desta questão. Já havia percebido que as citações de Irineu e Justino não dão suporte ao pedobatismo. Concordo com Paul Washer quando ele diz que o batismo infantil foi o bezerro de ouro da Reforma. Por coerência, eles deveriam ter rejeitado essa prática uma vez que, em sua maioria, rejeitaram a doutrina da regeneração batismal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. O que me anima é ver que a igreja presbiteriana, por exemplo, já admite a possibilidade de batismo por imersão caso o batizado assim deseje. Eles já não estão tão rígidos hoje quanto eram antigamente. Pode ser mera questão de tempo até que o batismo infantil seja superado também.

      Excluir
  4. Artigo muito interessante, irmão Lucas. Gostei muito. Creio que existe um outro ponto que poderia ser explorado e que está também relacionado ao tema que é se o batismo é necessário à salvação. Esta tese é defendida com unhas e dentes pelos nossos irmãos da "Igreja de Cristo", seguimento protestante interessantíssimo que de declara não-denominacional, e que defende ainda que o batismo deve ser imediato a confissão de fé, desde que o fiel concorde, é claro. Embora não concorde em absoluto que o batismo seja essencial à salvação, como uma espécie de sacramento, concordo com esses irmãos que o batismo deve ser tão logo haja a conversão. O catecumenato, como bem texto ressalta, só é ensinado claramente a partir do século II. Na Bíblia, nossa única regra de fé e prática, não se ensina este processo de catecumenato para o batismo. A regra áurea parece simples e está expressa nas palavras de Felipe ao eunuco etíope: ..."é lícito se o crês de todo o coração". O eunuco disse: Eu creio. Felipe então o batizou tão logo achou "água suficiente" para realizar aquela prática sagrada e ensinada pelo Mestre. Lucas, gostaria que o irmão comentasse com sua costumeira erudição. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jacob, a paz de Cristo!

      Seus comentários foram excelentes, não há muito mais a acrescentar. Apenas observo também que o ladrão da cruz recebeu a garantia de salvação mesmo sem ter passado pelo batismo, e que em todas as outras ocasiões bíblicas o batismo aparece sucedendo imediatamente a conversão de alguém (foi assim com o próprio apóstolo Paulo, na presença de Ananias). Paulo foi batizado logo após passar a crer:

      "Então Ananias foi, entrou na casa, impôs as mãos sobre Saulo e disse: 'Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que lhe apareceu no caminho por onde você vinha, enviou-me para que você volte a ver e seja cheio do Espírito Santo'. Imediatamente, algo como escamas caiu dos olhos de Saulo e ele passou a ver novamente. Levantando-se, foi batizado" (Atos 9:17-18)

      O que é mais engraçado é a forma com a qual o catecismo católico lida com esta questão:

      §1259 Para os catecúmenos que morrem antes de seu Batismo, seu desejo explícito de recebê-lo, juntamente com o arrependimento de seus pecados e a caridade, garante-lhes a salvação que não puderam receber pelo sacramento.

      Ou seja: para eles, o batismo é necessário para a salvação... só que não. Eles sempre dão os "jeitinhos" deles. São experts.

      Abraço!

      Excluir
  5. Belo artigo amigo Lucas. Mais eu gostaria de saber se existe oficio de padre na biblia e oficio da missa também, e se padre pode batizar criancinha recém nascida. Eles tem autoridade para isso. abraços amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, a paz. Não existe na Bíblia o cargo de "padre". A Bíblia (inclusive a católica) fala apenas de "pastor":

      "A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, PASTORES, doutores, para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo" (Efésios 4:11-12)

      Essa é uma tradução da Bíblia CATÓLICA "Ave Maria".

      E, de fato, não vemos na Bíblia apóstolo nenhum celebrando algo conhecido hoje por "missa". Quanto ao batismo infantil, há mais artigos refutando essa doutrina, que você pode ler aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/08/devemos-batizar-os-bebes.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2013/08/o-batismo-e-circuncisao.html

      Forte abraço.

      Excluir
  6. Vou ser breve. Eis aqui um dos muitos versículos que causa vertigens naqueles que combatem a sola scriptura: "Quem crê em mim, COMO DIZ A ESCRITURA, rios de água viva correrão do seu ventre", Joao 7:38

    ResponderExcluir
  7. Sobre a formula batismal, descrita em Mateus 28:19, me parece que o catolicismo romano admite que introduziu a expressão "Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Voce tem conhecimento disso?
    Me parece que a forma correta de realizar o ato batismal, como fizeram os apóstolos, é EM NOME DE JESUS CRISTO, conforme diversas passagens biblicas. Voce concorda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que Mateus 29:19 tenha sido uma introdução posterior, pois ele aparece em todos os mais de cinco mil manuscritos gregos antigos. A questão é que não havia uma "fórmula fixa" para o batismo, o que haviam eram várias formas consideradas válidas. Essa coisa de estabelecer uma única fórmula fixa que deve ser repetida como um mantra sem erro é coisa de católico. Na Bíblia, tem esse verso do batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, tem textos que diz que batizaram "em nome de Jesus", outros dizem "em nome de Jesus Cristo", outros "em nome do Senhor Jesus Cristo", enfim, não existia uma fórmula fixa de palavras que precisavam ser repetidas, mas sim várias formas válidas.

      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Comente abaixo. Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente, mas ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos.