5 de fevereiro de 2015

Maria pecou?


Sim, pecou. Se todos pecaram (Rm.3:23; 5:12), Maria pecou. Caso encerrado.

Mas para o mariólatra fanático a questão não é “tão simples assim”. Eles gostam de complicar aquilo que é simples, tornar complexo aquilo que é claro, tornar difícil aquilo que é fácil, tornar incompreensível as coisas compreensíveis. Faz parte do estratagema católico e das lentes papais de “interpretação” da Bíblia.

Para isso, os papistas insistem em argumentos fracassados que nos fazem lembrar os espetáculos de circo, tamanha a quantidade de malabarismos eisegéticos e de hermenêutica de cambalhota utilizada por eles. Vou sumariar aqui estes “argumentos” seguidos de uma breve refutação a cada um deles, e em seguida expor as razões bíblicas pelas quais os cristãos creem que Maria pecou assim como todos os outros seres humanos da face da terra.


1. Maria nunca pecou, porque seu ventre gerou uma pessoa imaculada.

E daí? Se Maria é imaculada, então o ventre da mãe de Maria também gerou uma pessoa imaculada, mas nem por isso os apologistas católicos afirmam que a mãe de Maria é imaculada também. Se esta “lógica” fosse minimamente seguida, ela nos levaria até Eva:

• Todo ser imaculado só pode ser gerado por outro ser imaculado.

• Maria é imaculada por gerar um ser sem pecado.

• Maria, como um ser sem pecado, só poderia então ser gerada por outro ser sem pecado.

• A mãe de Maria, portanto, também era imaculada.

• Mas se a mãe de Maria era imaculada e somente pessoas sem pecado podem gerar seres imaculados, então a mãe da mãe de Maria era imaculada também.

• Mas se a mãe da mãe de Maria era imaculada, então...

Já sabemos no que isso vai dar. É somente a “lógica” papista. Nem force muito o raciocínio, senão a cabeça destes “apologistas” quebra. Raciocinar não é muito a praia de alguém que deixa que o papa raciocine no lugar deles.

Para o lixo este argumento.


2. Maria nunca pecou, porque bendito era o fruto do seu ventre.

Este argumento foi usado pelo comediante Paulo Leitão em seu programa famosíssimo na igualmente famosíssima “TV Potiguar”. Ele funciona basicamente assim:

• A lei de Deuteronômio 28 diz a respeito de quem a cumprisse que bendito seria o fruto de seu ventre.

• A Maria foi dito que “bendito é o fruto do seu ventre”.

• Portanto, Maria nunca pecou.

Não é preciso conhecer muito as regras elementares da lógica para saber que a conclusão das premissas cai de paraquedas neste silogismo. Se o fato de alguém receber alguma coisa das bênçãos descritas em Deuteronômio 28 significa que cumpriu literalmente toda a lei e que nunca pecou nenhuma vez na vida, então teríamos milhões de pessoas igualmente “imaculadas”, assim como Maria, uma vez que as bênçãos de Deuteronômio se aplicavam a qualquer um que fizesse o que a lei exigia, e não somente a Maria. A não ser que o humorista Leitão afirme também que a única pessoa que recebeu as bênçãos de Deuteronômio 28 foi Maria – aí seria para internar de uma vez.

Além disso, o contexto também afirma:

“Os filhos do seu ventre serão abençoados, como também as colheitas da sua terra e os bezerros e os cordeiros dos seus rebanhos. A sua cesta e a sua amassadeira serão abençoadas. Vocês serão abençoados em tudo o que fizerem (Deuteronômio 28:4-6)

E a respeito de Abraão está escrito:

“Abraão já era velho, de idade bem avançada, e o Senhor em tudo o abençoara (Gênesis 24:1)

Então, pela lógica do comediante Leitão, Abraão também era imaculado e viveu a vida inteira sem pecar!

E pior: todos os efésios também!

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo (Efésios 1:3)

Para o lixo mais este argumento.


3. Maria nunca pecou, porque ela é o tabernáculo perfeito.

Acredite se quiser, mas tem católico saindo por aí propagando a ideia de que Maria é o tabernáculo perfeito de Hebreus 9:11, que diz:

“Quando Cristo veio como sumo sacerdote dos benefícios agora presentes, ele adentrou o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito pelo homem, isto é, não pertencente a esta criação” (Hebreus 9:11)

Como essa loucura começou? Trata-se de um perturbado chamado Antônio, que se autointitula “DEMAPRO” nas redes sociais, só para mostrar que o seu problema é sério mesmo. Para este indivíduo chegar a esta extraordinária conclusão de que Maria é um tabernáculo não feito por mãos humanas e não pertencente a esta criação(!), ele fez uma coisa que critica nos evangélicos: livre-exame. Em nenhum documento oficial da Igreja Romana há essa “interpretação”, só na cabeça dele. O livre-exame só é criticado por eles quando quem faz isso é um protestante, se não for it’s ok. E se servir na idolatria a Maria, melhor ainda!

E pensar que há um monte de católico aplaudindo esta “interpretação” de que Maria não era desta criação... e depois ainda tem a cara de pau de dizer que não adoram Maria nem a consideram uma deusa. “Ela era só uma humana”, dizem eles, pouco antes de “interpretarem” que este texto fala de Maria como “não pertencente a esta criação”. E depois não querem que os chamemos de idólatras!

O caso aqui é tão vergonhoso, mas tão vergonhoso, que este sujeito que arrancou grosseiramente este verso do contexto sequer leu o versículo seguinte, que explica do que se trata:

“Quando Cristo veio como sumo sacerdote dos benefícios agora presentes, ele adentrou o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito pelo homem, isto é, não pertencente a esta criação. Não por meio de sangue de bodes e novilhos, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, e obteve eterna redenção”(Hebreus 9:11-12)

E alguns versículos adiante o autor de Hebreus volta a dizer:

“Pois Cristo não entrou em santuário feito por homens, uma simples representação do verdadeiro; ele entrou no próprio céu, para agora se apresentar diante de Deus em nosso favor; não, porém, para se oferecer repetidas vezes à semelhança do sumo sacerdote que entra no Santo dos Santos todos os anos, com sangue alheio” (Hebreus 9:24-25)

Agora eu pergunto: o que será que passa na cabeça de um indivíduo que em sua ânsia de provar sua idolatria pela Bíblia é tão canalha ao ponto de fazer uma interpretação infame em que o próprio versículo seguinte explica do que se trata e refuta essa interpretação desastrosa?

Para o lixo mais este argumento.


4. Maria nunca pecou, porque ela é a arca da aliança.

Ãh? Como é que é? Repete? Maria é aarca?Sério mesmo? Really?

Eu não deveria nem perder tempo com essa, que é a mais divertida de todas. Basicamente, o argumento é de que a arca da aliança era uma prefiguração de Maria, porque a arca era um símbolo da presença de Deus, e Maria foi quem gerou Jesus. Não satisfeitos com isso, eles afirmam ainda que a arca era perfeita, então Maria também era. Mesmo se isso fosse verdade, em nada implicaria que Maria viveu toda a vida sem cometer pecado, o que seria um exagero no uso da tipologia. As tipologias têm limites, e é por isso que os bons exegetas evitam o uso exacerbado da metodologia tipológica de interpretação das Escrituras – como aquela que Orígenes tanto fazia ao ponto de negar doutrinas fundamentais do Cristianismo e ser excomungado por um sínodo.

É exatamente assim que os espíritas “interpretam” a Bíblia. Sabemos que Elias era um tipo de João Batista (i.e, que João era o cumprimento tipológico de Elias), mas isso não significa que João Batista fosse igual Elias, ou que fosse uma reencarnação dele, ou que todas as características presentes em Elias estivessem presentes também em João Batista, ou que João Batista foi santo e pecador na mesma proporção dos pecados e santidade de Elias, etc. A hermenêutica tipológica tem limites.

Da mesma forma, mesmo se Maria fosse o cumprimento tipológico da arca (e cabe ressaltar que nada na Bíblia indica que a arca tipifica algo ou alguém), isso não implica no abuso do método tipológico de interpretação ao ponto de dizer que Maria nunca pecou porque a arca não tinha erros. Isso seria um abuso imperdoável na interpretação bíblica, um tiro na exegese. Seria o mesmo de interpretar que João Batista, por ser um tipo de Elias, tinha exatamente a mesma quantidade de pecado que Elias tinha. Isso já é ridículo, mas em relação à “arca-Maria” é ainda pior, pois com Elias-João ainda há uma confirmação bíblica da tipologia, enquanto com a “arca-Maria” não há absolutamente nada.

E mesmo se a arca tipificasse mesmo Maria porque a arca carregava consigo a presença de Deus e Maria gerou Jesus, poderíamos fazer exatamente a mesma coisa e espiritualizar os textos bíblicos a tal ponto em que todos nós somos “arcas”, porque Paulo nos disse que, espiritualmente, Cristo é formado dentro de todos os cristãos, não apenas em Maria:

“Meus filhos, novamente estou sofrendo dores de parto por sua causa, até que Cristo seja formado em vocês(Gálatas 4:19)

Este é o problema de se interpretar a Bíblia em termos excessivamente tipológicos: podemos colocar qualquer coisa nela. Até a insanidade de que Maria era uma arca, ou que todos nós somos.

Para o lixo mais este argumento.


5- Maria nunca pecou, porque a Bíblia não diz que Maria pecou

Uau! Que argumento fantástico! Então vejamos quantas pessoas também nunca pecaram:

1- Daniel.
2- Sadraque.
3- Mesaque.
4- Abede-Nego.
5- José (esposo de Maria).
6- Abel.
7- João (apóstolo).
8- João Batista.
9- Eliseu.
10- Elias.
11- Estêvão.
12- José (do Egito).
13- Josué.
14- Esdras.
15- Ester.
16- Mardoqueu.
17- Silas.
18- Filipe (evangelista).
19- Timóteo.
20- Tito.

Será que algum católico pode me mostrar os textos bíblicos que dizem que estas pessoas pecaram? Ou eram todos imaculados também?

Eu poderia continuar a lista até os 100, mas o fato é que a Bíblia não é obrigada a mostrar os pecados de ninguém, o que não significa que a pessoa em questão não tenha cometido pecado. O argumento do silêncio não prova nada. Como os católicos sabem que estas vinte pessoas pecaram, mesmo sem textos bíblicos mostrando o pecado específico que elas cometeram? Por causa dos textos bíblicos que deixam claro que todos os seres humanos pecaram (Rm.3:23; 5:12), o que, por conseqüência lógica, abrange eles também. É por esta mesma razão que os evangélicos creem que Maria também pecou.

Para o lixo mais este argumento.


6- Maria nunca pecou, porque ela era cheia de graça.

Então Estêvão também nunca pecou:

“Estêvão, homem cheio da graça e do poder de Deus, realizava grandes maravilhas e sinais entre o povo” (Atos 6:8)

Nem os coríntios:

“E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra” (2ª Coríntios 9:8)

Nem os efésios:

“Para o louvor da glória da sua graça, com a qual nos encheu de graça no Amado” (Ef.1:6)

Nem os apóstolos:

“E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça (Atos 4:33)

Nem os leitores do evangelho de João:

“E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça sobre graça (João 1:16)

Assim vai ser difícil achar alguém que pecou!

Para ler mais sobre isso, veja este artigo.

Para o lixo mais este argumento. Todos eles.

Vamos agora às evidências de que Maria pecou.


1. Se Maria cumpriu toda a lei, Jesus não seria necessário

É exatamente porque ninguém foi capaz de cumprir toda a lei que Deus teve que enviar o Seu Filho unigênito “para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo.3:16). Se Maria, ou qualquer ser humano do mundo tivesse conseguido viver sem cometer nenhum pecado, cumprindo plenamente toda a lei, e ter nascido sem a mancha do pecado original, então Jesus seria desnecessário: bastaria que aquela pessoa morresse e nos salvasse. Na perspectiva cristã, o homem foi criado para estar em conexão com Deus, relacionado com ele. Ligado.

Mas então veio o pecado, e o pecado trouxe a separação entre o homem e Deus, pois Deus é santo e não pode conviver com o profano. Desligado. Deus poderia ter deixado o homem desligado para sempre, mas seu amor para com a obra criada o impediu de agir como um deísta. Era necessário religá-lo, e Deus pagaria o preço que fosse necessário para isso. Essa religação é o que chamamos de religião. E é aí que entra em cena a diferença fundamental entre o Cristianismo e todas as demais religiões. Todas as religiões do mundo ensinam o conceito de pecado e separação, mas elas ensinam que o que religa o homem a Deus são as boas obras do próprio homem. Você é um menino bonzinho e por isso vai morar no Céu. Ou seja: o homem que se religa a Deus.

O Cristianismo entende que o homem, por ser naturalmente depravado em função do pecado, não é mais capaz de se religar a Deus por conta própria. Suas próprias boas obras não seriam suficientes para colocá-lo na mesma condição que esteve antes do pecado. Somente Deus pode religar o homem a si mesmo. Isso não depende do próprio homem. Então Deus entra em ação, intervindo no nosso mundo, na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo. Ele paga todo o preço necessário para que o homem seja religado a Deus. Ele faz aquilo que nós não poderíamos fazer: ser perfeito. E ele condiciona esta religação à fé nele, que pagou a dívida, assim como alguém tem que depositar no banco um cheque que lhe foi entregue de graça por outra pessoa.

É assim que o Cristianismo chega à conclusão da justificação pela fé, em contraste com todas as outras religiões, que ensinam a justificação por obras. Este foi o ponto em que Martinho Lutero bateu o martelo. A Igreja da época estava martelando no mesmo sentido das outras religiões: faça isso, e vá pro Céu. A fé estava se tornando um elemento secundário. Lutero restaurou o princípio mais básico do Cristianismo, de que o religare é pela fé, e esta fé só pode ser em alguém que cumpriu toda a lei vivendo uma vida perfeita – e este único que foi capaz de viver assim foi Jesus, o único totalmente santo. É a fé em Jesus que nos salva, e Jesus é o religare de Deus para com o homem. Isso é o que distingue o Cristianismo de todas as outras religiões do mundo.


2. Se todos pecaram, Maria pecou

A Bíblia é clara em dizer que todos pecaram:

“Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Romanos 3:23)

Paulo dizia que não havia ninguém que fosse completamente perfeito:

“Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se desviaram, tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer" (Romanos 3:10-12)

Com a morte de Adão, todos os homens pecaram (nota: a palavra anthropos denota toda a humanidade, obviamente não está excluindo as mulheres ao dizer que “todos os homens pecaram”):

“Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram (Romanos 5:12)

Eu aposto que Maria estava proibida de ler a carta de João:

“Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós” (1ª João 1:8)

É por estas passagens e outras semelhantes que podemos saber que aquelas vinte pessoas mencionadas anteriormente pecaram, mesmo não existindo nenhum texto bíblico que mostre que pecado especificamente que elas cometeram. Por que a mesma lógica não se aplicaria a Maria?


3. A Bíblia só faz exceção a Jesus

Outro ponto importante é que a única pessoa para quem a Bíblia abre uma exceção é a exceção óbvia: Jesus.

“Pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado (Hebreus 4:15)

“Qual de vocês pode me acusar de algum pecado? Se estou falando a verdade, porque vocês não crêem em mim?”(João 8:46)

Seria no mínimo estranho que os escritores bíblicos não concedessem a mesma exceção a Maria – a qual é absolutamente esquecida nos textos que dizem que todos pecaram. A única exceção era Jesus por razões óbvias: era ele quem tiraria o pecado do mundo (1Jo.3:5), e somente alguém sem pecado poderia tirar o pecado. Mesmo assim, os escritores bíblicos fizeram questão de frisar que Jesus viveu sem pecado. Por que, então, ninguém abriu a mesma exceção a Maria, ainda mais levando-se em conta que não era nada óbvio que ela fosse também uma exceção à regra?


4. Maria achava que Jesus estava “fora de si”

Se eu perguntar a você se o fato de uma pessoa achar que Jesus estava louco é um pecado, você certamente responderá que sim. Este não é apenas um pecado, mas um dos mais graves – ainda que esta incredulidade seja temporária e não permanente. Leiamos então o seguinte texto bíblico:

“Quando seus familiares ouviram falar disso, saíram para apoderar-se dele, pois diziam: ‘Ele está fora de si’ (Marcos 3:21)

É claro que os papistas vão tirar Maria de cena e dizer que só os irmãos de Jesus (ops, eu quis dizer primos!) estavam presentes nesta ocasião. Mas não é o que o texto bíblico diz. Analisando o contexto, vemos que estes familiares eram sua mãe e seus irmãos, e não somente os seus irmãos:

“Então chegaram a mãe e os irmãos de Jesus. Ficando do lado de fora, mandaram alguém chamá-lo” (Marcos 3:31)

Portanto, a mãe de Jesus também fazia parte dos familiares de Jesus que estavam do lado de fora da casa, mandando chamá-lo por achar que Jesus estava “fora de si”, ou seja, louco. Se isso não é pecado, eu não sei mais o que é!


5. Maria necessitava de um Salvador

Responda rápido: quem precisa de um Salvador? O pecador ou o salvo? Obviamente, só o pecador precisa ser salvo. Ninguém que já nasça salvo precisa de um Salvador. É por isso que Jesus disse:

“Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Eu não vim para chamar justos, mas pecadores” (Marcos 2:17)

Portanto, são os pecadores que precisam de um Salvador. E temos na Bíblia o relato de alguém que reconhecia que precisava um Salvador. Seu nome é Maria.

“Então disse Maria: ‘Minha alma engrandece ao Senhor e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador’ (Lucas 1:46-47)

Portanto, a própria Maria se reconhecia como pecadora, da mesma forma que todas as demais pessoas, que também precisam de um Salvador.


6. Maria não podia abrir o selo, nem olhar para ele

Estamos já em Apocalipse, onde João vê um livro em forma de rolo escrito de ambos os lados e selado com sete selos. Ele então diz:

“Vi um anjo poderoso, proclamando em alta voz: ‘Quem é digno de romper os selos e de abrir o livro?’ Mas não havia ninguém, nem no céu nem na terra nem debaixo da terra, que podia abrir o livro, ou sequer olhar para ele. Eu chorava muito, porque não se encontrou ninguém que fosse digno de abrir o livro e de olhar para ele. Então um dos anciãos me disse: ‘Não chore! Eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos’” (Apocalipse 5:2-5)

Note que ninguém, exceto Jesus, era digno de abrir o livro ou sequer olhar para ele! João é bem claro em dizer que a razão pela qual tais pessoas não podiam nem olhar para o livro é porque não eram dignas disso. Agora imagine a cena de um prisma católico-romano, faça um esforço de imaginação. Pense em uma Rainha dos Céus, imaculada, totalmente sem nenhuma mancha de pecado durante toda a vida, a mãe do próprio Deus(!) e a esposa do Espírito Santo(!), a adjutriz, a intercessora, a "mãe" de todos os cristãos, a “arca” perfeita, a medianeira das graças e até co-redentora (segundo o comediante Leitão), aquela a quem os católicos se dizem “servos” e “escravos” e a quem se consagram de corpo e alma, a cheia de graça e a pessoa mais importante que todos os santos e todos os anjos juntos(!), e essa Senhora tão poderosa... não é digna nem de olhar para o livro.

Really?

Jesus pode abrir o livro, porque ele foi o único que nasceu e viveu inteiramente sem pecado. Ninguém mais da humanidade pode abri-lo, e nem sequer é digno de olhar para o livro, porque todos os outros são... pecadores. Tais como eu e você. E Maria.


7. Maria se reconhecia como pecadora

Outra evidência neotestamentária de que Maria não se considerava imaculada, mas se via como pecadora, assim como todos os demais seres humanos, está em Lucas 2:24, que diz:

“E para darem a oferta, segundo o que está dito na Lei do Senhor, um par de rolas, ou dois pombinhos” (Lucas 2:24)

Pela lei era desta maneira que era expiada a iniquidade da mulher que tinha dado à luz:

"E, quando forem cumpridos os dias da sua purificação, seja por filho ou por filha, trará um cordeiro de um ano para holocausto, e um pombinho ou uma rola para oferta pelo pecado, à porta da tenda da revelação, ao sacerdote, o qual o oferecerá perante o Senhor, e fará, expiação por ela; então ela será limpa do fluxo do seu sangue. Esta é a lei da que der à luz menino ou menina. Mas, se as suas posses não bastarem para um cordeiro, então tomará duas rolas, ou dois pombinhos: um para o holocausto e outro para a oferta pelo pecado; assim o sacerdote fará expiação por ela, e ela será limpa" (Levítico 2:6-8)

Se Maria fosse imaculada, o único sacrifício necessário seria o de um pombinho para o holocausto, mas nunca do outro, que era pelos pecados. Maria, mais uma vez, mostra que se reconhecia como pecadora. Talvez ela não soubesse que a “imaculada conceição” só passaria a ser considerado um dogma pelo papa Pio IX, em 8 de Dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus. Que pena.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)

73 comentários:

  1. Não sabia que Deuteronômio 28 era uma "profecia" Mariana! Kkkkkkkkkkk! Muito bom o artigo Lucas!

    Dionatan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para o comediante Leitão toda a Bíblia é uma "profecia mariana"...

      Excluir
  2. Como sempre vc arrebenta !!! Agora em breve veremos a oposição refutar o seu texto e usando até patristica.... Eu ainda faria um artigo sobre as falas deles sobre Pedro... aliás, se vc pode postar aqui um artigo com aquela cronologia d vida de Pedro que está no seu livro.... dai eles vão morrer de infarto se ver tudo aquilo kkkk só não s esqueça da bendita passagem de Claudio que é o TRIUNFO que eles tem na mão rsrsrs
    .
    T++
    Matheus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vou deixar para postar aqui as partes dos livros quando eu tiver sem criatividade para escrever algo novo no dia :)

      Excluir
  3. Sem sombras de dúvidas, Maria.é cheia de graça mais não imaculada, sem pecado. É algo tão simples de enxercar, os católicos fazem uma enrolação tão grande.

    ResponderExcluir
  4. Muito bem elaborado seu artigo. Eu não consigo entender o que faz uma pessoa deixar de acreditar somente em Deus, deixar de ir confiadamente ao trono de Deus, deixar de orar a Ele, que nos ama e quer nos escultar e nos abençoa conforme a vontade Dele. Não entendo como deixam Deus e elevam sobremaneira a irmã Maria, que aliás, não tem nada a ver com isso. A única coisa que Maria fez, foi ter buscado Deus por meio de Jesus Cristo, o único Salvador. Lucas, acredite... Eu já ouvi uma católica dizer essa blasfêmia contra o Deus Todo-Poderoso: "Deus não consegue tudo sozinho, por isso ele tem os "santos"" Isso, foi o cúmulo do ridículo elevado a enésima potência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Gilberto. Tem até um livro mariano chamado "As Glórias de Maria", do doutor e santo da Igreja Romana chamado Afonso de Ligório, onde ele diz:

      “Feliz aquele que se abraça amorosa e confiadamente a essas duas âncoras de salvação: Jesus e Maria! Não perecerá eternamente” (pagina 31)

      “Por conseguinte estão sujeitos ao domínio de Maria os anjos, os homens e todas as coisas do céu e da terra” (pagina 35)

      “Maria, para salvar as nossas almas, sacrificou com amor a vida de seu Filho” (pagina 47)

      “Maria imolou a sua alma para a salvação de muitas almas” (pagina 47)

      “Do Eterno Pai diz o Evangelho que amou os homens a ponto de por eles entregar à morte seu Filho Unigênito (João 3.16). O mesmo também se pode dizer de Maria: Tanto amou os homens, que por eles entregou seu Filho Unigênito” (Pagina 53)

      “Então com suma dor e com intenso amor para conosco, Maria estava sacrificando por nós a vida de seu Filho” (pagina 56)

      “Os pecadores só por intercessão de Maria recebem o perdão” (pagina 76)

      “Seguindo a Maria, não errarás o caminho da salvação” (pagina 85)

      “Se Maria é por nós, quem será contra nós?” (pagina 90)

      “Sois onipotente, ó Maria, visto que vosso Filho quer vos honrar, fazendo sem demora tudo quanto vós quereis” (pagina 100)

      “Muitas coisas se pedem a Deus, e não se alcançam. Pedem-se a Maria, e conseguem-se” (pagina 118)

      “Ide a Maria! O Senhor decretou não conceder favor algum sem a mediação de Maria. Por isso nas mãos dela está nossa salvação” (página 144)

      “Quando nos vem tentar o demônio, não deixemos de fazer como os pintinhos, que, mal enxergam o gavião, correm logo a refugiar-se sob as asas da mãe. Logo que nos assaltam tentações, sem discorrer com elas, refugiemo-nos depressa sob o manto de Maria. E vós, Senhora, deveis defender-nos... Depois de Deus outro refúgio não temos senão vós, que sois a nossa única esperança protetora, em quem confiamos” (pagina 85)

      “Ah! Como fogem os demônios à presença de Nossa Senhora! Se na hora da morte tivemos Maria a nosso favor, que poderemos recear de todo o inferno?” (pagina 90)

      “Salve esperança de minha alma... salve , ó segura salvação dos cristãos , auxílio dos pecadores, defesa dos fiéis, salvação do mundo” (pagina 98)

      “Em vós, Senhora, tendo colocado toda a minha esperança e de vós espero minha salvação” (pagina 147)

      “Acolhei-nos sob a vossa proteção se salvos nos quereis ver; pois só por vosso intermédio esperamos a salvação” (pagina 147)

      “É tributada ao Filho e ao Rei toda a honra que se presta à Mãe e à Rainha” (pagina 131)

      “Maria é advogada poderosa para a todos salvar” - “Maria é toda poderosa junto a Deus“ (pagina 151)

      Se um SANTO e DOUTOR da Igreja deles afirma uma coisa dessas, imagine só o que o LEIGO não faz...

      Abraços!

      Excluir
  5. Lucas, eles costumam dizer que Maria foi CHEIA DE GRAÇA, portanto ela não pecou.

    De acordo com Léxico grego de Strong:

    A palavra grega para "cheia de graça" é "pleres charitoo" e não
    "kecharitomené".

    A palavra grega usada para Maria é ( κεχαριτωμενη ) que possui um PREFIXO e SUFIXO:
    Prefixo = κε; Radical= χαριτω; Sufixo = ενη.

    Agora eu pergunto: como uma PALAVRA que tem PREFIXO e SUFIXO pode representar gramaticalmente a palavra CHEIA DE GRAÇA?

    Essa eles nunca conseguem responder!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão da tradução de Lucas 1:28 é um debate longo e complicado, toda hora vemos "doutores" de grego afirmando coisas contraditórias entre si. Basicamente há três possibilidades: (1) "agraciada" (que é a tradução das versões evangélicas); (2) "preenchida com graça" (que é a tradução das versões ortodoxas); (3) "cheia de graça" (que é a tradução das versões romanistas). Eu me lembro há alguns anos atrás de um PADRE católico romano em uma comunidade de grego bíblico onde ele admitia que a tradução mais correta é mesmo o de "agraciada", ele até chegava a refutar os católicos que entravam lá para tentar debater com ele dizendo o contrário. Mas, de qualquer forma, o mais importante é que a Bíblia mostra em todo lugar pessoas sendo preenchidas com graça, agraciadas, cheias de graça, com abundante graça, superabundante graça, plenitude de graça, graça sobre graça, etc, ou seja, este termo não é propriedade exclusiva de Maria (mesmo se a tradução correta fosse mesmo a "cheia de graça"), e portanto não traz nenhum status superior a ela por si só, e muito menos serve de fundamento para a crença na imaculada conceição.

      Grande abraço!

      Excluir
  6. Excelente artigo Lucas.

    Essa do tabernáculo, ser Maria, é hilariante.

    Essa doença, chamada fanatismo, tá pior que a ebola.

    Outro argumento que eu acho hilariante, é esse:
    "Quem do imundo tirará o puro? Ninguém."
    Jó 14:4.
    Com essa referência, as mentes fanáticas, adeptas dessa heresia(imaculada conceição), viajam, afirmando que do imundo não pode sair o puro, sendo assim, Maria não poderia ser imunda, para gerar a Cristo, o puro.

    É hilário, um argumento desses, se eles usam a bíblia para afirmar que do imundo não pode sair o puro, acabam atirando no próprio pé, isso prova que a imunda mãe de Maria, não poderia gerar Maria pura, haja vista ser ela imunda.

    Essa gente, precisa se tratar urgentemente.

    Eles podem "inventar" que Deus preservou Maria, mais eu prefiro inventar, que quem foi preservado foi Jesus, pois este é santo e puro por natureza e toda a sua vida terrena, foi uma luta contra a carne, o pecado e o diabo.
    "...,em tudo foi tentado, mas sem pecado."
    Hebreus 4:15
    Uns dos pais da Igreja que disse, que Jesus herdou de Maria, a sua natureza e não a culpa, foi muito feliz em suas palavras.

    Grande abraço Lucas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Neilom, tudo bem?

      Pois é, estes argumentos deles são todos antilógicos e irracionais, que são destruídos facilmente pelo exercício da lógica e da razão. Eu me lembro de um debate em que um católico afirmava que Maria era imaculada porque gerou Jesus (que é imaculado), então o evangélico disse a ele que a mãe de Maria também deveria ser imaculada por gerar um ser imaculado (Maria) e perguntou porque isso estaria errado seguindo-se a lógica do papista, e este respondeu: "isso é um mistério de Deus". E parou o debate ali.

      Abração!

      Excluir
  7. Tem um Senhor da Canção Nova, Felipe, que também disse que Maria não teve filhos, que aqueles textos que consta nas Escrituras refere-se a primos dela, e tb que Ela nunca pecou. Contradizendo toda Escrituras, além do texto de Paulo que diz " que todos pecaram..,." tem tb salmos 5l;5 - "EU NASCI NA INIQUIDADE, E EM PECADO ME CONCEBEU MINHA MÃE". Lamentável, como pode? isso é um absurdo. Blasfêmia pura com o nome Santo de Deus e desrespeitoi com a Santa Palavra de Deus.,
    sds

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem toda a razão. Lembrando que a ladainha de que "os irmãos de Jesus eram primos" já foi refutada neste artigo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/09/os-irmaos-de-jesus-eram-primos.html

      Abraços.

      Excluir
  8. Olá, Lucas. Havia lido esse artigo a tempos atrás, inclusive tem um comentário meu logo acima. Li novamente hoje. Ótimo artigo assim como os outros de seu blog. Por favor sempre esteja com essa gana de evangelizar as pessoas a respeito do verdadeiro e único Deus Vivo. Deus esse que não precisa da ajuda de ninguém para realizar algo, Ele faz como quiser e quando quiser. Deus o abençoe.
    Gostaria de sugerir, que das doutrinas falsas disseminadas pelas tais aparições de Maria. Se você já leu algo a respeito deve ter percebido como ela se coloca nessas aparições como quem que consegue segurar a potente mão de Deus. A humilde serva parece ter se tornado muito arrogante. Embora não creia ser ela nessas aparições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gilberto. Pois é, você tem toda a razão. Essas aparições marianas são um bom tema para um próximo artigo. A "Maria" dali não tem absolutamente nada a ver com a Maria cristã da Bíblia, a mãe de Jesus. Abraço!

      Excluir
  9. Ventre de Maria.

    11 Porém, já veio Cristo, Sumo Sacerdote dos bens vindouros. E através de um tabernáculo mais excelente e mais perfeito, não construído por mãos humanas (isto é, não deste mundo),

    12 sem levar consigo o sangue de carneiros ou novilhos, mas com seu próprio sangue, entrou de uma vez por todas no santuário, adquirindo-nos uma redenção eterna.

    14 quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu como vítima sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência das obras mortas para o serviço do Deus vivo?

    Hebreus cap.9 vers. 11- 12 - 14


    A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê.
    Foi ela que fez a glória dos nossos, antepassados.
    Pela fé reconhecemos que o mundo foi formado pela palavra de Deus e que as coisas visíveis se originaram do invisível.

    Hebreus cap.11 vers. 1 a 3

    Rogo-vos, irmãos, que aceiteis de boa mente estas exortações, pois vos escrevi com brevidade. Sabei que nosso irmão Timóteo foi posto em liberdade; se ele voltar a tempo, irei com ele ver-vos.
    Saudai a todos os que vos guiam e a todos os santos. Os irmãos da Itália vos saúdam.
    A graça esteja com todos vós. Amém.
    Hebreus cap.13 vers. 22 a 25

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me desculpe caro amigo, mas só um doente da cabeça, depois de ter batido a cabeça na parede vinte vezes, pode pensar que o "tabernáculo mais excelente" é Maria. Este ensino é tão ridículo, tão espúrio e tão patético que nem mesmo o Catecismo Católico e nem qualquer outra fonte oficial da Igreja afirma tamanha boçalidade. Quem inventou essa interpretação doentia chama-se PAULO LEITÃO, mais conhecido como Paulo Porcão, o comediante. Se ele tivesse ao menos lido o VERSÍCULO SEGUINTE, teria visto que este tabernáculo é o SANTO DOS SANTOS, que se encontra no céu (v.12). É por isso que o autor de Hebreus disse que o local onde Cristo entrou foi o próprio céu:

      “Pois Cristo não entrou em santuário feito por homens, uma simples representação do verdadeiro; ELE ENTROU NO PRÓPRIO CÉU, para agora se apresentar diante de Deus em nosso favor; não, porém, para se oferecer repetidas vezes à semelhança do sumo sacerdote que entra no Santo dos Santos todos os anos, com sangue alheio” (Hebreus 9:24-25)

      Quanto aos outros dois textos citados, o malabarismo que o Leitão deve ter feito para colocar Maria para dentro deles é tão grande, mas tão grande, que eu sequer faço ideia de como ele fez isso, nem de onde estes versículos provam qualquer dogma mariano. Por favor, me explique. Espero ansiosamente.

      Excluir
    2. "A Bíblia diz que todos pecaram; logo, Maria também pecou"

      Outros querem ver na afirmação de S. Paulo (Rm 3,23), de que “todos pecaram”, uma evidência inconteste contra a Imaculada Conceição de Maria. Do mesmo modo, entretanto, esta afirmação não pode ser tomada genérica e literalmente, pois, se assim fosse, Nosso Senhor também teria pecado, pois Ele viveu neste mundo como homem, e a Escritura diz “todos”, genericamente. – Além disso, o mesmo Apóstolo, na mesma Epístola, fala dos que "não pecaram como Adão" (Rm 5,14).

      Muitos outros exemplos podemos encontrar, na Bíblia, do uso desta expressão generalizante ('todo'; 'todos') sem o significado literal que não permitiria nenhuma exceção: em Mt 4,24, está escrito: “Trouxeram-lhe todos os que tinham algum mal”, mas é óbvio que nem “todos” os doentes do mundo foram à Galileia, não é?

      Em Jo 12,19, está escrito: “Nada conseguis; todos vão atrás dEle”, que é Jesus. E será que realmente todas as pessoas do mundo, sem exceção, seguem Jesus? Quem dera! Do mesmo modo, em Mt 3,5-6, vemos que “toda a Judeia e toda a terra dos arredores do Jordão” ia ser batizada por S. João Batista. Mas nós sabemos que nem todos foram batizados, já que isso deveria incluir todos os fariseus e saduceus, que tinham doutrinas divergentes entre si, e até Herodes, que o mandou matar. Logo, nem "todos" foram procurar o batismo de S. João. Assim como também nem “todo o povo”, sem exceção, assumiu a responsabilidade da morte de Cristo (como está escrito em Mt 27,25); e nem “todo o povo” que morava perto do mar (cf. Mc 2,13) ou que vivia na Cesareia de Filipe (cf. Mc 9,14) foi ouvir a Cristo, não ficando nem uma pessoa sequer em sua casa...

      Estamos tratando aqui, simplesmente, de um recurso de linguagem chamado generalização, muito comum na cultura semita. Assim, além da exceção já evidente de Jesus na expressão generalizante usada por S. Paulo em Rm 3,23 (‘todos pecaram’), vemos que a palavra é comumente usada com o significado de “muitos” ou de “maioria”. Portanto, a passagem em questão não é e nem pode ser uma "prova" de que Maria pecou.

      Por fim, depois de tantas demonstrações e comprovações claras da santidade especialíssima de Nossa Senhora, o que podemos nós dizer, então, senão o que lhe disse o Anjo?

      Ave Maria, cheia de Graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres...

      Lucas gostaria que vc comentasse sobre este artigo do site fiel católico.
      obrigado!!!

      Excluir
    3. Quando for para citar textos católicos para serem refutados não precisa postar o texto inteiro, é só postar o link:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2004/10/a-imaculada-conceicao-da-santissima.html

      Agora eu não tenho tempo para responder ao artigo, embora grande parte do mesmo já tenha sido refutada no próprio artigo aqui. Na semana que vem eu terei mais tempo e então respondo a ponto por ponto. Se alguém mais quiser ler o artigo católico e refutá-lo antes de mim, fique à vontade.

      Excluir
    4. olá lucas .
      estou aguardando a sua resposta.

      Excluir
    5. Bom, vamos lá.

      O artigo dele já começa de forma errada, dizendo:

      “TRATA ESTE ESTUDO de um assunto de fundamental importância, não só para a nossa devoção, – nós, católicos, – pela Santíssima Virgem, como também para a fé cristã como um todo: a Imaculada Conceição de Nossa Senhora”

      O problema é que a “fé cristã como um todo” NÃO CRÊ na imaculada conceição de Maria. Os ortodoxos orientais nunca creram na imaculada conceição de Maria, nem os protestantes, nem os Pais da Igreja, e nem mesmo todos dentre os próprios católicos romanos até a época em que este ensino se tornou um dogma, em 1854! Até Tomás de Aquino, em sua Suma Teológica, é contra a imaculada conceição de Maria.

      E ele continua soltando pérolas, dizendo:

      “A doutrina da Imaculada Conceição (ou Imaculada Concepção) é um dogma da Igreja, e certamente um dos mais mal compreendidos. Um dogma, como vimos aqui, é uma verdade de fé que deve ser crida por todo cristão (assim como a própria existência de Deus, que é o primeiro dogma: se não cremos em Deus, para começar, não há como nos considerarmos cristãos). Logo, todo cristão deve crer na Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria”

      Se esse é um dogma sem o qual não se pode sem considerado cristão (leia-se “católico romano”), então é a prova mais forte de que os Pais da Igreja realmente NÃO ERAM católicos romanos. Isso porque praticamente todos eles se manifestaram contra a imaculada conceição de Maria. Entre eles destaco Ambrósio, Agostinho, Tertuliano, Orígenes, João Crisóstomo, Irineu, Basílio, Cirilo Alexandrino, Cirilo de Jerusalém, Gregório Nazianzeno, e, em suma, todos aqueles que se manifestaram sobre o tema, os quais foram abordados por Keith Thompson neste artigo que eu traduzi ao português:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/05/a-igreja-primitiva-nao-cria-na.html

      Então, na prática, ele está assumindo que os Pais não eram católicos romanos. Que ótimo.

      Continuemos:

      “E era absolutamente necessário que assim fosse, por uma razão simples: Deus preparou a Virgem especialmente, desde a queda do homem (Gn 3,15), para carregar o Salvador, Deus mesmo, em seu ventre (...) A partir de sua concepção no seio da Virgem Maria, pelo Espírito Santo (Lc 1,31), Deus tomou nossa natureza humana, sem perder sua Natureza Divina, e fez-se homem. E como vimos, o Pecado original é transmitido dos pais aos filhos. Segue daí que Jesus, sendo Deus, não poderia jamais vir ao mundo como fruto de um ventre contaminado pelo pecado; não poderia tomar carne e sangue de alguém que, como explica S. Paulo, é escravo do demônio”

      Primeira recorrência da falácia de que Maria teria que ter tido uma concepção imaculada para gerar a um ser imaculado (i.e, Jesus). Esse raciocínio é tão absurdamente ridículo que não me admira que todos os Pais da Igreja e os ortodoxos até hoje não tenham admitido tamanha asneira. Se o raciocínio estivesse correto, então Ana (a mãe de Maria) teria que ter tido uma concepção imaculada também, porque ela gerou um ser imaculado (i.e, Maria). E assim sucessivamente, nos levando a um argumento circular ad infinitum até Eva. Não me impressiona que os apologistas católicos tenham tanta dificuldade em raciocinar que ainda não tenham percebido este fato óbvio.

      Além disso, ele distorceu também, como todos os católicos fazem, o texto de Gênesis 3:15, que nada fala de Maria. Eu o refutei sobre isso aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/09/maria-esmaga-cabeca-da-serpente.html

      Excluir
    6. Continuemos:

      “É preciso lembrar que o Sangue de Jesus, que nos salva, é o mesmo sangue de Maria; o Corpo de Jesus, único Sacrifício que pode nos reconciliar com Deus, é o Corpo formado do corpo de Maria, de quem o Senhor tomou sua constituição humana. Você já parou para pensar nisto? Já meditou sobre este Mistério tremendo?”

      Sim, e o sangue de Maria era o mesmo sangue da mãe de Maria, o que que tem? Mais uma vez o católico tenta fazer malabarismos mentais para invocar a adoração mariana, veja só até que ponto que chega. Recentemente um católico me escreveu dizendo que Maria é “co-redentora” porque tinha o mesmo sangue de Jesus. Daqui a pouco vão responsabilizar também a mãe de Hitler pelo holocausto, ou considerar a mãe de Cristovão Colombo co-descobridora das Américas. Que ridículo. Já não tem o que inventar, então abaixam o nível mesmo.

      E ele continua com as sandices...

      “De tão sagrada, esta Arca não pode sequer ser tocada! Em 2Sm 6,6-7, vemos como Oza, filho de Abinadab, ao perceber que os bois que carregavam o carro com a Arca tropeçam, sem pensar corre para a aparar com as mãos; e imediatamente cai morto, fulminado pela Santidade de Deus!”

      Que legal, então não podiam relar o dedo em Maria. Show de bola!

      Próximo...

      “Ora, se para com a Arca da Antiga Aliança, – que guardava Tábuas de Pedra com a Lei do Antigo Testamento, – havia tanto rigor e era necessária tamanha pureza, o que não seria necessário para que a uma mulher fosse concedida a Graça incomensurável de ser, ela própria, o Tabernáculo da Nova e Eterna Aliança, que abrigaria em si mesma não tábuas de pedra, mas sim Corpo e Sangue, Alma e Divindade do Deus Vivo e Verdadeiro! Não teria que ser ela totalmente pura, imaculada?”

      Mais falácia. Vamos mudar um pouco a fraseologia para vermos como fica bacana:

      “Ora, se para com a Arca da Antiga Aliança, – que guardava Tábuas de Pedra com a Lei do Antigo Testamento, – havia tanto rigor e era necessária tamanha pureza, o que não seria necessário para que a uma mulher fosse concedida a Graça incomensurável de ser, ela própria, a que daria à luz a mãe do Tabernáculo da Nova e Eterna Aliança, que abrigaria em si mesma não tábuas de pedra, mas sim Corpo e Sangue, Alma e Divindade do Deus Vivo e Verdadeiro! Não teria que ser ela totalmente pura, imaculada?”

      Viu como é fácil fingir ser um católico e começar a praticar eisegese em tudo o que é canto? Não me impressiona que os Pais da Igreja não fossem tão idiotas para chegar ao ponto de propor imaculada conceição de Maria por meio de argumentos tão ridículos. Mesmo que concedêssemos que Maria tivesse que ser imaculada para gerar Jesus (o que já é falso), quem disse que essa providência teria que ocorrer NA CONCEPÇÃO? Ela poderia perfeitamente ter se tornado imaculada pouco antes de Jesus entrar em seu ventre, como disseram alguns Pais da Igreja, e assim Jesus não nasceria de um ser “não-imaculado”. Só católico lunático que entende como necessária a CONCEPÇÃO imaculada de Maria para gerar um ser imaculado décadas mais tarde. Assim sendo, nem se levássemos a “lógica” católica a sério, isso nos levaria à imaculada conceição.

      Continuando...

      “Se a Arca que haveria de conter a Palavra escrita precisava ser puríssima, poderia o próprio Verbo do Deus Vivo e Encarnado ser concebido e se desenvolver dentro de um útero minimamente impuro?”

      E se Maria era puríssima, como o católico diz, então como poderia ter sido concebida e se desenvolvido dentro de um útero minimamente impuro?

      A analogia com a arca é péssima, Deus do céu. Nem ser humano a arca é, para falar em termos de pecado ou pureza. Moisés falava com Deus face a face, recebeu em suas próprias mãos os Dez Mandamentos vindos do dedo do próprio Deus puro e imaculado, e mesmo assim era um pecador. Mas ele prefere fazer analogias com um objeto sem vida, a arca, é claro. Só rindo mesmo.

      Excluir
    7. Continuando...

      “Não sem razão, mas pelo próprio Desígnio Divino, – do ensinamento da Santa Igreja, que é, segundo as mesmas Escrituras, Casa do Deus Vivo, coluna e sustentáculo da Verdade (1Tm 3,15)”

      É claro: como este ensino não tem base nenhuma, você precisa seguir a Igreja (leia-se: “Igreja Romana”, é lógico), ao invés da razão. Em termos simples: seja um zumbi e passe a repetir como um papagaio sem vida tudo aquilo que o “magistério infalível” da ICAR disser: mesmo que seja este mesmo magistério que tenha aprovado inquisição no passado, com milhares de pessoas torturadas e mortas, sem falar na venda de indulgências para a salvação, e na venda de relíquias “sagradas” (ex: o corpo de 14 dos 12 apóstolos, mais a cabeça de João Batista). E é neste mesmo magistério fantástico que devemos confiar, renunciando à nossa própria capacidade de pensar. Que máximo!

      E ele ainda distorceu grosseiramente o texto de 1Tm 3:15, como aliás é praxe de todo e qualquer tridentino zumbi. A exegese do verso você encontra aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/06/a-igreja-e-coluna-e-sustentaculo-da.html

      Continuando...

      “De todo modo, é possível confirmar, sim, que as Sagradas Escrituras textualmente declaram Maria preservada do Pecado original, no Evangelho segundo S. Lucas (1,28), quando o Arcanjo Gabriel se mostra à pobre Virgem de Nazaré e a saúda, dizendo: “Ave, cheia de Graça, o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres!”.

      HAHAHAHAHAH quer dizer que pelo fato de Maria ser “cheia de graça” significa que ela teve uma concepção imaculada? Estou maravilhado com essa lógica! Ele deveria explicar por que os ortodoxos creem que Maria era cheia de graça, mas não era imaculada. E também por que muitos Pais da Igreja pensavam o mesmo. Ou então que ele explique essa lógica fantástica que infere uma concepção imaculada a partir do fato de ser “cheio de graça”. No mais, eu escrevi sobre este texto neste artigo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/09/maria-cheia-de-graca-e-os-outros-como.html

      Continuando...

      “Não foi sem razão que S. Jerônimo (séc. IV), o maior especialista cristão nas línguas bíblicas, ao traduzir as Escrituras para o latim (a Vulgata), usou a expressão Gratia plena (plena de Graça)”

      Sim, este mesmo Jerônimo que errou na tradução de TODOS os nomes em hebraico que terminavam com “er”. Que lindo.

      Continuando...

      “E não existem muitas dúvidas quanto a este assunto entre os especialistas realmente importantes de hoje, sejam laicos, católicos, ortodoxos ou protestantes”

      Tão pouca disputa que até um padre que debatia na comunidade de grego defendia que a tradução correta era “agraciada”, e não “cheia de graça” (refutando todos os católicos que diziam o contrário).

      Excluir
    8. Continuando...

      “A expressão “cheia de Graça”, no original grego, é kecharitomene (κεχαριτωμένη), e expressa a Graça de Deus em plenitude. É usada por S. Paulo na Carta aos Efésios (1,5-6): “No seu Amor nos predestinou para sermos adotados como filhos seus por Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua livre Vontade, para fazer resplandecer a sua maravilhosa Graça (Charitou), que nos foi concedida por Ele no Bem-amado”.

      Ué, se esta mesma expressão também foi usada por Paulo para com TODOS OS CRISTÃOS como um todo, então por que não somos todos nós imaculados também? kkkkkkkkk

      Continuando...

      “Podemos dizer, neste sentido, que o estudo respeitadíssimo da École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém, do célebre Prof. Dr. Pierre Bordreuil e de tantos outros ícones do estudo das Escrituras nos idiomas originais (e também do seu contexto histórico-filológico), concorda 100% com o exposto aqui”

      Sim, e um monte de doutores do grego católicos e protestantes dizem o contrário. Eeeeeeeee daí?

      Inclusive essas traduções CATÓLICAS traduziram assim:

      -Bible de Jérusalem
      "L`ange entra chez elle, et dit: Je te salue, toi à qui une grâce a été faite; le Seigneur est avec toi" –Lucas 1:28

      -The New American Bible
      "And coming to her, he said, "Hail, favored one! The Lord is with you" – Lucas 1:28

      -Bíblia católica Latinoamericana
      "Alégrate tú, la Amada y Favorecida; el Señor está contigo" – Lucas 1:28

      -Bíblia de Mateos-Schökel
      "Alégrate, favorecida, el Señor está contigo" – Lucas 1:28

      -New Jerusalem Bible
      "He went in and said to her, 'Rejoice, you who enjoy God's favour! The Lord is with you" – Lucas 1:28

      -Bíblia do Peregrino
      "O anjo entrou onde ela estava e lhe disse: Alegra-te, favorecida, o Senhor está contigo" – Lucas 1:28

      -Revised Standard Version
      "And he came to her and said, "Hail, O favored one, the Lord is with you!" – Lucas 1:28

      -Versão Nácar-Colunga (revisão de 1960)
      "E entrando o anjo onde ela estava, disse: Salve agraciada; o Senhor é contigo" – Lucas 1:28

      E agora???

      Continuando...

      “Evidentemente, só pode ser "cheia de Graça" quem foi "agraciada", assim como só pode ser mergulhado quem foi molhado. Entretanto, as traduções “agraciada” ou "favorecida" não transmitem a plenitude da Graça recebida por Nossa Senhora. Tais interpretações do texto original deixam margem para uma imprecisão que simplesmente não se encontra no original grego. O kecharitomene de S. Lucas (1,28) diz, literalmente, que Maria sempre foi e sempre será plenamente cheia de Graça”

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk esses caras são uns comédia mesmo...

      O verbo se encontra no particípio presente porque o anjo quis corroborar com as palavras de Isaías em Isaías 7:14, que profetizou, há muito tempo antes, que uma virgem conceberia. Portanto, a razão do verbo no particípio presente não tem nada a ver com Maria nunca ter pecado, mas sim para indicar que a graça recebida por Maria já era algo esperado e anunciado desde há muito tempo (antes do nascimento da própria Maria), pois o próprio Deus já havia predito, muitos séculos antes, que uma virgem seria escolhida para dar a luz ao Salvador do mundo.

      Excluir
    9. Continuando...

      “Maria, além disso, é a única chamada Cheia ou Plena de Graça”

      Errado de novo. Biblicamente Maria não é a única pessoa a ser considerada “cheia de graça” por Deus. A Sagrada Escritura dá o seguinte testemunho acerca de Estêvão:

      “Estêvão, homem CHEIO DA GRAÇA e do poder de Deus, realizava grandes maravilhas e sinais entre o povo” (Atos 6:8)

      Aqui vemos que Estêvão também era “cheio de graça”; portanto, tal coisa não era nem nunca foi “exclusividade” de Maria.

      Continuando...

      “Outros querem ver na afirmação de S. Paulo (Rm 3,23), de que “todos pecaram”, uma evidência inconteste contra a Imaculada Conceição de Maria. Do mesmo modo, entretanto, esta afirmação não pode ser tomada genérica e literalmente, pois, se assim fosse, Nosso Senhor também teria pecado, pois Ele viveu neste mundo como homem, e a Escritura diz “todos”, genericamente. – Além disso, o mesmo Apóstolo, na mesma Epístola, fala dos que "não pecaram como Adão" (Rm 5,14).”

      Hahahahahahaha essa exegese católica é de cair o cabelo da cabeça. Paulo não poderia de jeito nenhum estar falando de Cristo, porque Cristo é o que veio para libertar do pecado, então como ele próprio teria pecado? A lógica de Paulo era a seguinte:

      1º Todos os homens pecaram (sem exceção).

      2º Como todos pecaram e ninguém conseguiu guardar toda a lei (i.e, ser perfeito), então Deus teve que enviar Seu próprio Filho Jesus, que guardou toda a lei em nosso lugar, e por isso encontramos justificação nele.

      Por isso é ÓBVIO que Jesus estava automaticamente excetuado do texto de Romanos 3:23. A lógica do texto é que todos pecaram, e por isso Deus enviou Jesus. Então Jesus não está dentro do conceito de “todos” que pecaram, mas Maria sim, porque Maria viveu antes de Jesus, na época da lei, e se tivesse ela sido perfeita, imaculada e guardado toda a lei então ela própria seria o sacrifício vicário em nosso favor, e não Jesus. Jesus NÃO PRECISARIA ter vindo ao mundo, se alguém já tivesse conseguido guardar toda a lei. Ele só veio porque todos os homens falharam. A imaculada conceição de Maria torna o próprio sacrifício de Cristo algo inútil.

      Continuando...

      “Muitos outros exemplos podemos encontrar, na Bíblia, do uso desta expressão generalizante ('todo'; 'todos') sem o significado literal que não permitiria nenhuma exceção: em Mt 4,24, está escrito: “Trouxeram-lhe todos os que tinham algum mal”, mas é óbvio que nem “todos” os doentes do mundo foram à Galileia, não é?”

      Óbvio que podem se encontrar muitos exemplos onde o “todos” se aplica em termos de classe de pessoas e não a cada uma das pessoas, e também onde o “todos” é generalizado, mas a pergunta não é se casos assim existem na Bíblia, mas sim se NO CASO ESPECÍFICO DE ROMANOS 3:23 SE APLICA. Simplesmente excluir o “todos” de qualquer versículo da Bíblia pelo simples fato de haver outros casos onde a mesma expressão não se aplica a cada pessoa do universo não chega nem a ser argumento, a não ser que se faça uma exegese específica em cada texto, respeitando o contexto, para saber onde é todos mesmo, e onde não é. E no caso de Romanos 3:23 já foi provado que é, porque foi justamente pelo fato de TODOS terem pecado que Deus precisou enviar Jesus. Se todos não é todos aqui, então Jesus não teria sido enviado. É simples.

      Abraços.

      Excluir
    10. LUCAS MUITO OBRIGADO!
      VC TIROU AS MINHAS DÚVIDAS QUE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO CONTINUE ABENÇOANDO!

      Excluir
    11. SEMPRE QUE EU TIVER ALGUMA DÚVIDA VOU TE INCOMODAR.
      SE ASSIM VC ME PERMITIR.

      Excluir
  10. Ótimo artigo! Parabéns Lucas, que Deus continue te abeçoando!

    ResponderExcluir
  11. Em sua Constituição Apostólica Ineffabilis Deus (8 de dezembro de 1854), que definiu oficialmente a Imaculada Conceição como dogma, o Papa Pio IX recorreu principalmente para a afirmação de Gênesis 3:15, onde Deus disse: "Eu Porei inimizade entre ti e a mulher, entre sua descendência e a dela", assim, segundo esta profecia, seria necessário uma mulher sem pecado, para dar à luz o Cristo, que reconciliaria o homem com Deus. O verso "Tu és toda formosa, meu amor, não há mancha em ti" (na Vulgata: "Tota pulchra es, amica mea, et macula non est in te"[6] ), no Cântico dos Cânticos (4,7) é usado para defender a Imaculada Conceição, outros versos incluem:

    "Também farão uma arca de madeira incorruptível; o seu comprimento será de dois côvados e meio, e a sua largura de um côvado e meio, e de um côvado e meio a sua altura." (Êxodo 25:10-11)

    "Pode o puro [Jesus] Vir dum ser impuro? Jamais!"(Jó 14:4)

    "Assim, fiz uma arca de madeira incorruptível, e alisei duas tábuas de pedra, como as primeiras; e subi ao monte com as duas tábuas na minha mão." (Deuteronômio 10:3)

    Outras traduções para a palavras incorruptível ("Setim" em hebraico) incluem "acácia", "indestrutível" e "duro" para descrever a madeira utilizada. Noé usou essa madeira porque era considerada muito durável e "incorruptível". Maria é considerada a Arca da Nova da Aliança (Apocalipse 11:19) e, portanto, a Nova Arca seria igualmente "incorruptível" ou "imaculada".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Gênesis 3:15 não fala de Maria:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/09/maria-esmaga-cabeca-da-serpente.html

      2) Cântico dos Cânticos não fala de Maria. Fala da esposa de Salomão, que em sentido espiritual a Igreja primitiva interpretou como se aplicando secundariamente à relação entre Cristo e a Igreja, e não a Maria em particular.

      3) O texto de Êxodo fala da arca da aliança, não de Maria.

      4) Se o texto de Jó tiver que ser interpretado da forma que você propõe, então lastimavelmente teremos que concluir que a mãe de Maria também era imaculada. Afinal, o puro não pode vir do impuro...

      5) "Maria é considerada a arca da aliança" - Por quem? Pelos próprios romanistas? Isso não é um argumento. Me mostre que os apóstolos entendiam que a arca era Maria.

      Excluir
    2. Desde o cristianismo primitivo diversos Padres da Igreja defenderam a Imaculada Conceição da Virgem Maria, tanto no Oriente como no Ocidente. No século IV, Efrém da Síria (306-373), diácono, teólogo e compositor de hinos, propunha que só Jesus Cristo e Maria são limpos e puros de toda a mancha do pecado. Não foi um apóstolo, mas sim um pai da Igreja

      Excluir
    3. Tomás de Aquino :"Ao terceiro, respondo dizendo que se consegue a pureza pelo afastamento do contrário: por isso, pode haver alguma criatura que, entre as realidades criadas, nenhum seja mais pura do que ela, se não houver nela nenhum contágio do pecado; e tal foi a pureza da Virgem Santa, que foi imune do pecado original e do atual." (I Sent., d. 44, q. 1, a. 3)

      Excluir
    4. Vejo que você não acredita que uma vez salvo sempre salvo, então depois que Maria foi mãe de Jesus ela ainda tinha chances de ir pro inferno ? Ou ela era pecadora e sua salvação foi assegurada(como dizem os calvinistas) ou ela era mesmo imaculada ?

      Excluir
    5. Pelo jeito você não sabe nem o que significa "imaculada conceição", é uma pena. Você confunde concepção imaculada com impecabilidade, que são duas coisas diferentes. Concepção imaculada significa ter sido livre do pecado original desde a sua concepção, e impecabilidade significa que não cometeu nenhum pecado pessoal ao longo da vida (da mesma forma que os bebês não pecam, por exemplo). Houveram alguns Pais que creram na impecabilidade (uma minoria), mas NENHUM que cresse na imaculada conceição, como Keith Thompson aborda com brilhantez neste artigo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/05/a-igreja-primitiva-nao-cria-na.html

      A posição dos Pais sobre Maria se dividia em:

      1) Os que criam que Maria era pecadora (ex: Tertuliano, Irineu, Basílio, João Crisóstomo, Orígenes, Cirilo de Alexandria, etc).

      2) Os que criam que Maria foi purificada do pecado apenas por ocasião do momento em que ia conceber Cristo, o que também não tem nada de concepção imaculada (ex: Cirilo de Jerusalém, Gregório Nazianzeno).

      3) Os que criam na impecabilidade de Maria, mas não em sua concepção imaculada (ex: Ambrósio, Agostinho).

      O próprio Tomás de Aquino defendia esta terceira posição, diferentemente da imaculada conceição, contra o que você disse.

      Excluir
    6. Tomás de Aquino se posiciona CONTRA a doutrina da imaculada conceição (que ainda não era dogma católico em seu tempo) em sua famosa "Suma Teológica", que você pode conferir neste site católico:

      http://www.obrascatolicas.com/livros/Teologia/SumadeTeologia.pdf

      Confira o tema:

      "ARTICULO 3
      ¿Contrajo Cristo los defectos corporales?"

      Logo em seguida você verá Tomás dizendo:

      "El cuerpo de la Virgen fue concebido en pecado originald, y por eso contrajo estos defectos"

      A nota textual feita pelos próprios católicos admitiu isso, dizendo:

      "Se niega expresamente la inmaculada concepción de María"

      E depois você verá Tomás de Aquino dizendo:

      Resposta à objecção 1. O Senhor diz que "conheceu" Jeremias antes que fosse formado no ventre, isto é, por conhecimento de predestinação; mas diz que o "santificou" não antes da sua formação, mas antes que "saísse do ventre", etc. Em relação ao que diz Ambrósio, ou seja que em João o Baptista não estava o espírito de vida quando já estava o Espírito de graça, por espírito de vida não devemos entender a alma que dá vida, mas o ar que respiramos. Ou pode dizer-se que nele não estava o espírito de vida, isto é a alma, enquanto suas operações manifestas e completas.

      Resposta à objecção 2. Se a alma da Bendita Virgem nunca tivesse incorrido na mancha do pecado original, isso seria lesivo da dignidade de Cristo, por causa de ele ser o universal Salvador de todos. Consequentemente depois de Cristo, que, como Salvador universal de todos, não necessitava ser salvo, a pureza da Bendita Virgem ocupa o lugar mais elevado. Pois Cristo não contraiu o pecado original de absolutamente nenhuma maneira, mas foi santo desde a sua mesmíssima concepção, segundo Lucas 1:35: "O santo Ser que nascerá de ti será chamado o Filho de Deus". Porém, a Bendita Virgem certamente contraiu o pecado original, mas foi limpa dele antes do seu nascimento desde o ventre. Isto é o que significa (Job 3:9) onde está escrito da noite do pecado original "que espere a luz", ou seja, Cristo, "e não a veja" (porque "nada imundo vem a ela", como está escrito, Sap 7:25), "que também não veja o raiar da aurora", isto é da Bendita Virgem, que em seu nascimento era imune ao pecado original.

      Resposta à objecção 3. Apesar de a Igreja de Roma não celebrar a Concepção da Bendita Virgem, sim tolera o costume de certas igrejas que sim guardam aquela festa, pelo que ela não deve ser inteiramente reprovada. De qualquer forma, a celebração desta festa não nos dá a entender que ela era santa em sua concepção. Mas já que não se sabe quando foi santificada, a festa da sua Santificação, mais que a festa da sua concepção, se celebra no dia da sua concepção.

      Resposta à objecção 4. A santificação é dupla. Uma é a de toda a natureza: na medida em que toda a natureza humana é liberta de toda a corrupção de pecado e castigo. Isto há-de ocorrer na ressurreição. A outra é a santificação pessoal. Esta não se transmite aos filhos gerados da carne; porque não considera a carne, mas a mente. Consequentemente, ainda que os pais da Bendita Virgem tenham sido limpos do pecado original, todavia ela contraiu o pecado original, já que foi concebida por via da concupiscência da carne e da relação entre varão e mulher; pois diz Agostinho (De Nup. et Concup. i): "Toda carne nascida de relação carnal é pecaminosa."

      Isso está na "QUESTÃO 27", é só ir conferir no tópico: "Sobre la santificación de la Santísima Virgen". Não é difícil de localizar.

      Excluir
    7. Sua terceira objeção é bobinha demais. O que tem a ver se eu creio que "uma vez salvo pra sempre salvo"? Não, eu não creio assim, e não sei que raios que isso tem a ver com imaculada conceição. É realmente de se espantar os malabarismos católicos para se infundir na Bíblia uma falsa doutrina. Se Maria ou qualquer outro ser humano que já pisou neste planeta "perseverou até fim" (Mt.24:13) então foi salva, senão não foi. Simples assim. Pode-se presumir que ela não apostatou, porque nenhum apóstolo ou Pai da Igreja escreveu sobre isso, que seria um fato notório se tivesse acontecido. Portanto, é provável que ela tenha morrido salva e agora dorme o "sono da morte" (Sl.13:3) para ressuscitar na segunda vinda de Cristo e entrar na glória.

      Excluir
    8. A minha questão é a seguinte, após Maria ter parido Cristo, pode ter ocorrido dois fatores :
      1-Ou ela foi Imaculada
      2-Ou após ela ter o parido, ela garantiu a salvação dela.

      Foi isso que eu quis dizer. Pois não é possível que o ventre que carregou cristo, o próprio Deus encarnado, poderia ser levado ao lago de fogo.

      Excluir
    9. O que é julgado no dia do juízo não é o "ventre" de alguém, mas sim as suas atitudes. Já disse e repito: creio que Maria será salva no dia do Juízo porque não há nenhuma evidência histórica de que ela tenha apostatado. No entanto, isso não faz dela imaculada "post partum", pois todo ser humano que é salvo é liberto do PODER do pecado, mas não da existência dele. Ou seja, a salvação de Maria vem do fato dela ter tido fé em Jesus Cristo e dado frutos (obras) como consequencia desta fé genuína, e não simplesmente por ter gerado a Cristo, como se isso por si só já fosse um passaporte grátis para o céu e não precisasse fazer mais nada depois disso para conservar a salvação.

      Excluir
  12. "Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.
    Romanos" 5:12

    Existe 4 pessoas que nascerão sem pecado Adão, Eva, Maria e Jesus
    o texto dia que por causa do pecado veio a morte e se todos morrem todos pecarão!
    Jesus morreu, então ele pecou? Logico que ele venceu a morte isso não tira o fato que ele passou três dias morto! e ai jesus pecou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De onde você tirou que do fato de Jesus não ter pecado significa que Maria também não pecou?

      Sinceramente, às vezes é difícil entender como funciona a cabeça de um romanista...

      Excluir
    2. Acho que nosso amigo confundiu as coisas.

      Ele parte do raciocínio correto de que a morte é consequência do pecado. Logo, como Jesus morreu, ele também teria pecado? Não. Jesus morreu por causa do pecado sim, mas não dele, e sim do nosso. Ele morreu porque sofreu o castigo pelos nossos pecados, inclusive o de Maria.

      A Igreja Romana ensina que Maria foi assunta aos céus, mas não definiu se ele morreu ou não antes disso. Omissão estranha para quem reclama ter um magistério infalível. Se maria Morreu, e ela não carregou os pecados de outros homens, necessariamente ela pecou.

      Excluir
  13. Vc é contra qualquer prática da igreja católica?

    ResponderExcluir
  14. Tenho acompanhado seu blog, Lucas, e tou gostando mto. Que o Espírito Santo ti ilumine e mostre cada vez mais a verdade divina, para salvar mtas almas perdidas que se baseiam em doutrinas contrárias a palavra do Senhor.

    ResponderExcluir
  15. Lucas, você acredita em pré-destinação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mas não do tipo calvinista. Escrevi sobre a minha forma de pensar acerca disso nestes dois artigos que fazem parte de um livro meu sobre o tema:

      http://apologiacrista.com/determinismo-calvinista

      http://apologiacrista.com/como-entender-a-predestinacao

      Excluir
  16. Lucas, você acredita que "a aparição de Maria" para algumas pessoas, seja plano de Satanas para que essas pessoas percam o foco em Deus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com toda a mais absoluta certerza. Compare as declarações da Maria da Bíblia com as da "Maria" (demônio) das aparições. A da Bíblia se humilhava e engrandecia somente a Deus (“meu espírito se alegra em Deus meu Salvador; porque atentou na baixeza de sua serva” - Lc.1:47-48), a das aparições engrandece a si mesma o tempo todo, buscando glorificação pessoal e honra própria. É óbvio que isso é exatamente o que o diabo sempre quis: levar a glória de Deus para criaturas humanas.

      "Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente" (Romanos 1:25)

      Excluir
    2. Lucas, olha esse link: http://www.programafalandodefe.com.br/2010/perguntas-a-que-nenhum-evangelico-consegue-responder kkkkkk gostaria que você fizesse um comentario aqui...

      Excluir
    3. Na época em que ele fez este artigo aí (em 2010, se eu não me engano) eu escrevi este artigo em resposta:

      http://apologiacrista.com/a-igreja-catolica-e-a-igreja-fundada-por-cristo

      Excluir
    4. Tu é show cara, Gloria a Deus por sua sabedoria!

      Excluir
  17. Lucas, gostaria que você podesse refutar esse video...
    https://youtu.be/Kz361SIhkoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora não estou em casa, mas quando chegar assisto e dou minha opinião. Abs!

      Excluir
    2. Eai Lucas, assistiu?

      Excluir
    3. Acabei de ver o vídeo. Esperava encontrar um ataque direto e certeiro ao Cristianismo, mas o que vi foi bem diferente. Mesmo sendo ateu, ele sequer disse que o Cristianismo é falso. Apenas manifestou a opinião pessoal dele de que a fé é uma forma de fazer com que as pessoas se sintam bem em situações onde na ausência da mesma elas se sentiriam mal (então ele passou o exemplo do velório). Esse é um argumento ateu bastante conhecido, de que os crentes tem fé por “necessidade” (neste caso, uma necessidade emocional).

      Em resposta a isso, elenco algumas considerações relevantes:

      1) Mesmo se a fé fosse algo que as pessoas tivessem por “necessidade”, isso não significa que o objeto da fé (no caso, Deus) não exista, o que seria um non sequitur. Nós sentimos necessidade de água quando temos sede, e de fato EXISTE algo como a água para saciar este desejo interno. Da mesma forma, muita gente sente necessidade emocional de ter um(a) companheiro(a) para passar o resto da vida e suprir essa “carência”, e de fato EXISTE algo como um(a) namorado(a) e marido/esposa para suprir este desejo emocional. Da mesma forma, a necessidade interna por Deus não implica necessariamente que Deus não exista. Pode implicar simplesmente que Deus colocou esse desejo por Ele no coração de cada um de nós, para que nós quiséssemos buscá-lo.

      2) Os ateus também podem ter razões emocionais para não crer. Muitos ateus gostam do ateísmo justamente porque neste sistema eles não têm limitações morais ou regras doutrinárias que imponham certos padrões que a natureza do homem não deseja. Por exemplo, o Cristianismo é contra sexo antes do casamento, masturbação, bebida alcoólica, fumo, músicas mundanas, adultério, xingamentos, obscenidades, balada, funk, prostituição, e por aí vai. Coisas que a natureza decaída do homem deseja (se não todos, boa parte deles). O ateu, ao negar a fé, pode praticar todas essas coisas (e muitas outras) sem sentir nenhum peso na consciência. Ou seja, o ateísmo o faz se sentir emocionalmente bem, confortável com seu próprio pecado, enquanto o Cristianismo o fazia se sentir culpado, e ninguém gosta de se sentir culpado.

      Portanto, se por um lado o Cristianismo oferece uma solução emocional agradável sob certas circunstâncias, por outro lado o ateísmo pode fazer o mesmo sob outras circunstâncias ou em outros aspectos. Nada disso prova que Deus existe ou não. Apenas prova que se Ele não existe há uma razão pela qual há pessoas creem nele, e que se Ele existe também há razões pelas quais há pessoas que preferem não crer.

      Abs!

      Excluir
  18. Respostas
    1. Não. Escrevi sobre isso resumidamente aqui:

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.in/2015/09/e-pecado-fazer-tatuagem.html

      Mas este artigo do Zágari ficou melhor que o meu:

      https://apenas1.wordpress.com/2012/05/20/cristao-deve-fazer-tatuagem/

      Excluir
  19. bla bla bla , voce é bom cara , pena que é tudo conversa pra boi dormir ,simplesmente temos que respeitar , creia naquilo que voce acredita , o problema das pessoas é achar que devo crer naquilo que eles creem , se eu chingar a sua mãe voce vai gostar , deixa A MÃE DE DEUS pelo menos quieta e respeite .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, agora se se contesta biblicamente um dogma católico, significa que estamos "xingando Maria" hahahaha

      Mas você disse tudo: "deixe a mãe de Deus [sic] quieta". Não precisa, ela já está. Quem não deixa ela quieta é essa multidão de pobres ignorantes que ficam pedindo intercessão dela e rezando a ela o dia todo em todas as partes do mundo. Esses sim não querem deixá-la em silêncio e nem respeitam o sono da mãe de Jesus.

      Volte aqui quando tiver argumentos.

      Excluir
    2. o sono? sua biblia fala isso onde?

      Excluir
    3. "Olha para mim e responde, Senhor meu Deus. Ilumina os meus olhos, do contrário dormirei o SONO DA MORTE" (Salmos 13:3)

      Volte sempre.

      Excluir
  20. Parabéns pelo artigo. Muito bem escrito e fundamentado. Que Deus continue te abençoando e te iluminando para esclarecer doutrinas anti-cristãs. E, quem sabe, não estamos chegando no tempo da profecia descrita em apocalipse, que indica que a Igreja católica é a babilônia.

    ResponderExcluir
  21. Perfeito, Lucas. O blog e artigos que sempre recorro são os seus. Tem me ajudado mto em meus estudos.
    Deus continue te capacitando e te ajudando nesses estudos.
    A paz de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Charles, Deus lhe abençoe igualmente, abs!

      Excluir
  22. Oi
    Eu sou aquele mesmo que fez outro dia um comentário na matéria sobre transubstanciação (mencionando Inácio de Antioquia e Justino)
    Fui católico durante esses anos mas estou me afastando da igreja católica e para isso estou raciocinando sobre tudo o que meus amigos protestantes diziam mas eu me recusava a ouvir ou acreditar, mas agora abri os olhos e sempre procuro ver o quão a igreja católica não é a verdadeira igreja (seria se não tivesse sido corrompida pelos últimos cristãos primitivos e principalmente a partir de Constantino), o chato é que quando eu vejo sites católicos refutando protestantes (para defenderem a virgindade perpétua de Maria por exemplo) eu fico com um "soco no estomago" e tento raciocinar até ter certeza de que o que o site católico diz está errado. E tem um tema que tem me deixado confuso quanto a isso que se eu perguntar a algum católico já sei as desculpas que eles vão usar, por isso que acho que você (Lucas Banzoli) poderia me explicar: porque quando Maria saudou Isabel João Batista dançou no ventre de sua mãe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, em primeiro lugar quero elogiar a sua postura de procurar a verdade onde ela estiver, com senso crítico e mente aberta, isso é realmente louvável. Sobre a questão de João Batista se agitando no ventre de Isabel ao ouvir a saudação de Maria, isso está relacionado ao que é dito pouco antes no mesmo capítulo, em Lucas 1:15, quando o anjo declara que João seria cheio do Espírito Santo desde antes do seu nascimento, e essa foi a forma de se manifestar isso. Essa foi a única ocasião em que João teve algum contato indireto com o Messias antes do seu nascimento, o qual também estava no ventre de sua mãe, Maria, quando a mesma chegou à casa de Isabel.

      Na verdade sou eu que estou curioso em saber que dogma católico que poderia ser deduzido de um texto desses, afinal eu nunca vi qualquer Pai da Igreja ou intérprete sério em toda a história da Igreja usando esse texto como prova de qualquer dogma mariano em particular. Alegar a imaculada conceição, a virgindade perpétua, a mediação das graças, a co-redenção ou qualquer outro ensino semelhante baseado em um texto que diz que um bebê se alegrou é algo totalmente sem sentido. E os protestantes não tem qualquer problema em assumir que Maria foi sim uma mulher muito bem-aventurada e agraciada por Deus justamente pelo seu importante e especial papel de dar à luz ao filho de Deus, o que nós não cremos a respeito de Maria são os dogmas tardios e sem fundamento que foram inventados muito tempo mais tarde.

      Um resumo do que os evangélicos pensam a respeito de Maria (e do que não pensam) você pode ver aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/09/os-protestantes-odeiam-virgem-maria.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2017/03/maria-era-uma-mulher-qualquer.html

      Abs!

      Excluir
  23. Lucas veja a resposta de um
    Católico . Vc poderia comentar sobre a resposta dele? quando a mulher em Lucas 11,27 exalta Maria, o artigo afirma: “Nunca houve melhor oportunidade para Jesus declarar que Maria era verdadeiramente digna de louvor e adoração. ” Essa explicação possui grave erro. Pelo que ele entende, Jesus iria proclamar Maria digna de “louvor e adoração”, como se isso fosse a opinião dos cristãos católicos.

    Ela é digna de louvor, sim. No entanto, não é digna de adoração. O que a mulher falou foi uma verdade importante, pois Maria foi bendita, bem-aventurada por ser a mãe de Jesus, e de tê-Lo amamentado. Tem o ventre e os seios benditos por isso. Jesus costumeiramente usava dos acontecimentos para mostrar algo mais, e disse que mais bem-aventurados são os que ouvem e obedecem a Deus. Ele não negou que a Sua mãe fosse bendita, mas reafirmou. Isso não é rebaixar Maria, mas é uma forma de exaltar os que honram o Nome do Senhor por obedecer a Deus. A virgem Maria estava também entre os que obedecem a Deus, e podemos dizer que foi a primeira em dignidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não disse em momento nenhum que Jesus "rebaixou Maria", mas sim que colocou todos em igualdade em relação aos olhos de Deus, pois todos os que cumprem a Sua vontade são tão bem-aventurados quanto Maria. O problema é que a Igreja Romana suplanta essa lógica colocando Maria acima de todos os demais. Inclusive acima dos anjos, como se a heresia não fosse o bastante. E ainda há doutores da Igreja que afirmam que Maria é tão superior e mais importante a todos os outros, que se juntar as orações de todo mundo não tem tanto peso quanto a de Maria. Portanto, sim, a Igreja Romana coloca Maria em um pedestal acima de todos os demais seres humanos e não-humanos, atrás apenas de Deus (por enquanto, e apenas "oficialmente", porque na prática sabemos bem como a coisa é). E isso avilta contra a dignidade de todos os outros seres, uma vez que Jesus colocou todos (inclusive Maria) em um mesmo patamar, e não com Maria estando acima dos demais. Jesus não "rebaixou" Maria, porque ele nunca a viu como um ser superior aos outros seres. Mas ele "rebaixou" a falsa Maria do catolicismo romano, que se coloca como Rainha dos céus acima de tudo e de todos, a qual jamais existiu senão no paganismo romano.

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.