8 de agosto de 2012

O que é a "Igreja"?


O termo “Igreja”, no Novo Testamento, vem do grego “ekklesia”, que significa a totalidade dos cristãos dispersos por todo o mundo” (Concordância de Strong, 1577). Os católicos se apoderaram deste termo dando um significado a ele que difere inteiramente daquilo que ekklesia realmente significa. Para os romanos, a Igreja (ekklesia), seria:

1. Uma instituição religiosa.

2. Com sede em Roma.

3. Liderada por um papa.

Em primeiro lugar, embora ekklesia tenha vários significados de acordo com o dicionário bíblico, é de ressaltar que absolutamente nenhum deles remete a uma instituição religiosa. O Corpo de Cristo, que é a Igreja, não é uma instituição ou denominação A ou B. O Corpo de Cristo somos nós mesmos, como o apóstolo Paulo faz questão de relembrar:

“Pois o que eu sofro no meu corpo pela Igreja, que é o Corpo de Cristo, está ajudando a completar os sofrimentos de Cristo em favor dela” (Colossenses 1:24)

“Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular” (1 Coríntios 1:12) 

Notem que Paulo afirma que a Igreja é o Corpo de Cristo, e, em outra ocasião, declara que este Corpo de Cristo, que é a Igreja-ekklesia, não é uma instituição religiosa centralizada em Roma ou em qualquer outro lugar, mas somos nós mesmos, isto é, os verdadeiros cristãos que adoram a Deus “em espírito e em verdade” (Jo.4:23), pois “são estes os adoradores que o Pai procura”(Jo.4:23).

Se Cristo quisesse dizer que a Igreja de Cristo seria uma instituição religiosa com sede em Roma, então teria dito que seria Roma quem tomaria o lugar de Jerusalém. Quando a mulher samaritana estava conversando com Jesus em João 4 e afirmou que seria em Samaria que o povo de Deus deveria adorá-lo, Cristo respondeu:

“Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar. Jesus declarou: Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém”(João 4:20-21)

A antiga aliança, feita entre Deus e os judeus, estava chegando ao fim. Os judeus iriam crucificar Jesus, e a Igreja tomaria o lugar da comunidade judaica na nova aliança que se aproximava. Ele “veio para o que era seu, e os seus não o receberam” (Jo.1:11).

Então, Cristo Jesus afirma que estava próximo o tempo de chegar a nova aliança, onde a ekklesia não seria nem em Jerusalém nem tampouco em Samaria. Qualquer católico romano poderia olhar para este texto e então sugerir: “Claro, será em Roma! Cristo estava profetizando sobre a Igreja Romana”! 

Porém, o que o nosso Senhor respondeu foi: 

“No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade” (João 4:23-24) 

Cristo não falou que a Igreja-ekklesia da nova aliança estaria centralizada em Roma ou em qualquer outro lugar, como Jerusalém era na antiga aliança. Ao contrário: afirmou que a Igreja seria aqueles que o adorassem – em qualquer lugar que fosse – em espírito e em verdade.  

Qualquer crente em Cristo Jesus, que guarda os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo” (Ap.12:17), adorando-O em espírito e em verdade, é essa Igreja de Cristo, independentemente da congregação, denominação ou instituição religiosa em que congrega, o que nada mais é senão placas, que não conduzem ninguém à salvação. 

Portanto, ao invés de a Igreja ser uma instituição religiosa com sede em Roma e liderada por um papa com poderes de infalibilidade (como pregam os católicos), a Igreja é o Corpo de Cristo que é formado por todos aqueles que o adoram com sinceridade de coração e em espírito e em verdade. Sendo assim, as alegações católicas são facilmente refutadas com um tiro só. Tais como: 

“A Igreja reconheceu o cânon”

“A Igreja é a coluna e sustentáculo da verdade”

“As portas do inferno não prevaleceriam contra a Igreja”

Tudo isso é verdade. Porém, tais argumentos só dão certo para os católicos quando eles distorcem o significado de Igreja-ekklesia a seu bel-prazer. Quando tomamos o significado real e legítimo daquilo que a Igreja significa, vemos que Jesus Cristo não estava dizendo que uma instituição religiosa com sede em Roma seria a coluna e sustentáculo da verdade cujas portas do inferno jamais prevaleceriam.

Ele estava dizendo, antes, que os cristãos verdadeiros que o adoram em espírito e em verdade e que guardam os seus mandamentos seriam colunas que sustentariam a verdade bíblica e cristã, seriam a luz do mundo, guias para cegos, um farol que indicaria o Caminho a ser seguido, que é Cristo, a verdade absoluta (Jo.14:6). 

Da mesma forma, ele estava dizendo que, contra estes cristãos verdadeiros e legítimos, as portas do inferno não iriam prevalecer. Você estará protegido das “portas do inferno”, não porque faça parte de uma instituição religiosa A ou B que resida em Roma ou no Iraque, mas sim porque “guarda os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus Cristo” (Ap.12:17).

Se você adora a Deus de todo o coração e guarda os Seus mandamentos, as portas do inferno não prevalecerão contra você. Mas, se você ignora a Palavra de Deus e prefere seguir as ordenanças papais antes que ao testemunho de Cristo, você poderá fazer parte de qualquer instituição religiosa que seja, que isso não mudará nada em sua vida e não o livrará da condenação.

Pois o que o salvará no último dia não será a instituição religiosa que você fez parte, mas o quanto que você amou a Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento, e ao seu próximo como a si mesmo.

Fazei isso e viverás.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)

11 comentários:

  1. É Lucas,fica muito dificil acreditar que a Igreja primitiva era católica por alguns motivos.
    1-Como vc bem disse,nós somos a Igreja
    2-Os dogmas católicos não são citados por nenhum apóstolo.
    3-Se a "Igreja" começou católica pelo simples fato de Inácio usar o termo "Católico" em sua carta,então os católicos devem considerar que os discipulos possuem mais autoridade que o tal,e ao dizer isso,devemos então confirmar que a "Igreja" primitiva na verdade era protestante,já que em muitas passagens se vale do termo CRENTES,como por exemplo em João 20:27

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Emmanuel. A paz de Cristo!

      Você disse muito bem. A Igreja era "católica" não no sentido que ganhou hoje ("Romana", e com uma série de dogmas e doutrinas antibíblicas), mas sim no sentido de ser "universal", que é o significado da palavra "católico".

      Vale ressaltar que NUNCA um Pai da Igreja (nem mesmo Inácio) cita a Igreja como sendo "Igreja Católica Romana", mas no máximo "Igreja Católica". Os Concílios da Igreja seguem esta mesma linha, chegando a dizer "Igreja Católica Apostólica", mas NUNCA "Igreja Católica Apostólica Romana". O mesmo Inácio, por sinal, afirmou que a Igreja não foi fundada em Roma, mas na Síria:

      "Devemos, portanto, provar a nós mesmos que merecemos o nome que recebemos (=cristãos). Quem é chamado por outro nome além deste não é de Deus, pois não recebeu a profecia que nos fala a respeito disso: 'O povo será chamado por um novo nome, pelo qual o Senhor os chamará, e serão um povo santo'. Isto se cumpriu primeiramente na Síria, pois 'os discípulos eram chamados de cristãos na Antioquia', quando Paulo e Pedro estabeleciam as fundações da Igreja. Abandonai, pois, a maldade, o passado, as influências viciadas e sereis transformados no novo instrumento da graça. Permanecei em Cristo e o estranho não obterá o domínio sobre vós" (Inácio aos Magnésios, Versão Longa, Cap. 10)

      Portanto, eu me considero um "católico apostólico cristão", desde que o termo "católico" esteja em conformidade com o seu uso primitivo, onde não havia nenhum dogma ou falsa doutrina que a Igreja de Roma passou a ensinar séculos mais tarde, com a primazia do bispo romano sobre os demais, arrogando para si o título jamais antes dito de "Igreja Católica Romana".

      Isso certamente daria um bom artigo :)

      Abraço!

      Excluir
  2. Aliás Lucas,vale salientar que tal primazia do bispo,na verdade é inexistente na biblia.Veja por exemplo a autoridade de Paulo, que tbm incubiu da mesma autoridade tito,para escolher bispos.(Tito 1:5).Além de Paulo,Barnabé tbm constituia presbiteros em cada Igreja(At 14:23).Portanto, a autoridade de Pedro sobre os demais apóstolos é a mais pura mentira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, Emmanuel. Vale a pena salientar também que Paulo é o único apóstolo que passava mandamentos (1Co.7:10; 1Co.14:37,38). Em nenhum lugar da Bíblia vemos Pedro passando "mandamentos" para os seus leitores, mas Paulo sim:

      "Se alguém se considera profeta ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são MANDAMENTOS do Senhor" (1 Coríntios 14:37)

      E não apenas Pedro não aparece sendo o único a escolher os bispos da Igreja, como também ele mesmo era enviado pelos demais apóstolos, ao invés de ele próprio estar à frente enviando os missionários da Igreja:

      "Os apóstolos em Jerusalém, ouvindo que Samaria havia aceitado a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João" (Atos 8:14)

      Sinceramente, mas se tem uma doutrina católica tão fraca ao ponto de ser refutada sem fazer qualquer esforço, essa se chama o "primado de Pedro"...

      Fique na paz!

      Excluir
  3. Prezado Lucas Banzoli e amigos

    Boa tarde

    Eu entendo que em última análise a Igreja é o Corpo Espiritual de Cristo.

    1)A Biblia diz que o nosso corpo é o templo do Espirito Santo,se o Espirito Santo habitar em nós seremos membros do Corpo de Cristo porém se Ele não habitar ,continuaremos sendo um templo só que vazio, e assim não seremos membros do Corpo de Cristo.

    2)Cristo é a Cabeça da Igreja,os crentes não podem ser o Corpo de Cristo em última análise pois se cada crente fosse o Corpo de maneira total então cada crente seria a Cabeça.

    3)Quando aceitamos a Cristo somos justificados por Deus,e Ele nos ve conforme Efésios 5:26.Deus nos ve de uma maneira espiritual e completamente diferente da visão humana.Os homens veem os cristãos humanamente Deus ve espiritualmente.O aspecto dos crentes plenamente justificados e santificados enquanto membros do Corpo de Cristo é invisivel aos olhos humanos, pois a visão humana sempre será limitada.Deus ve o homem pecador justificado pela fé em Cristo,o ser humano ve o crente como um pecador somente.Cristo como Cabeça e o Espirito Santo em nós também são insiveis aos homens.O Corpo de Cristo se torna visivel através dos crentes.A essência do Corpo de Cristo só Deus ve,porem a manifestação desta essência deve se tornar visivel para o mundo.

    4)A expressão "vois sois" tambem é usada nas passagens de sal da terra e luz do mundo assim como em 1 Corintios, porém só em Paulo menciona que os crentes são membros e nao o todo.

    5)Templo não é Igreja,quer seja um templo fisico ou o nosso corpo.

    Bom é isso.

    Um abraço e felicidades

    Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luiz.

      Muito boas as suas ponderações, você sempre escreve muito bem e de forma esclarecedora. Só gostaria de reiterar que eu também não creio que um único cristão seja ele sozinho a totalidade do Corpo de Cristo. Quando digo que "nós somos a Igreja", eu coloco no plural ("nós") exatamente porque me refiro à "totalidade dos cristãos dispersos pelo mundo", como diz a Concordância de Strong, 1577.

      Em meu artigo mais ampliado sobre o tema, eu esclareci isso um pouco mais extensivamente, usando essa mesma passagem de Paulo que você abordou:

      http://apologiacrista.com/index.php?pagina=1083930598

      O mais importante do artigo é demonstrar que a Igreja NÃO é uma instituição religiosa em particular, centralizada em Roma ou em qualquer outro lugar. Com isso, as alegações católicas com relação à Igreja demonstram-se sempre serem tendenciosas, pois eles entendem por "Igreja" aquilo que "Igreja" não significa, e com base neste princípio errôneo edificam os seus outros argumentos sobre uma falácia.

      Que Deus lhe abençoe.

      Excluir
  4. Apenas é a Igreja quem tem plenamente todos os sacramentos. Todas as outras alegadas "Igrejas", fundadas a esmo por homens e não por Cristo, são chamadas de "Comunidades Eclesiais". Isso não quer dizer estas pessoas estão condenadas, pelo contrário, quem é batizado faz parte do Corpo de Cristo. Ou seja, como disse Paulo mesmo que uma parte do corpo diga não fazer parte do Corpo, ela faz. Obviamente só pode existir uma Igreja, pois só existe um Corpo de Cristo e uma Esposa de Cristo. Assim como também está escrito "uma só fé, um só batismo, um só Senhor".

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse ainda é um conceito de uma igreja institucional, o que não é bíblico. Em lugar nenhum as Escrituras dizem que a Igreja é uma instituição religiosa e que possui 7 sacramentos. Isso abriria um outro debate, pois a Bíblia ensina a existência de apenas dois sacramentos, e não sete. Cristo não fundou nenhuma Igreja Romana, que só veio a ser fundada tempos mais tarde por homens, e séculos depois desviada da verdade a passos cada vez mais largos. E o pensamento católico é de que fora da Igreja Católica não há salvação, portanto os evangélicos não fazem parte do Corpo de Cristo na visão católica.

      Por fim, é óbvio que só existe uma só Igreja verdadeira e um só Corpo de Cristo, mas essa única igreja não é uma placa, uma denominação ou uma instituição em Roma, mas a ekklesia que é a reunião de todos os cristãos que creem em Jesus como salvador único e suficiente de suas vidas. O problema é que os católicos ainda tem essa visão distorcida de igreja, sempre lançando para uma instituição religiosa, quando Deus não habita em templos feitos por mãos de homens, mas no coração daquele que serve a Deus.

      Abraços.

      Excluir
  5. O ensinamento de que "Nós somos a Igreja" e um tanto diferente de "Nós fazemos parte da Igreja".
    Um grupo, Um movimento ou uma pessoa particular NÃO É a Igreja, mas faz parte dEla.
    Assim como um membro do corpo não é o corpo em si, mas faz parte desse corpo.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não disse que cada pessoa em si mesma é individualmente a Igreja, mas que "NÓS" (veja que eu usei o PLURAL) somos a Igreja. Quando disse "NÓS" eu não quis dizer "EU", mas TODOS os cristãos coletivamente. Cada um faz parte do Corpo de Cristo, mas o Corpo é a reunião de todos esses cristãos que adoram a Deus em espírito e em verdade.

      Abraços.

      Excluir
  6. Onde estiver dois ou três reunidos ao estarei eu em Espírito.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.