Quem disse que a Bíblia não é a Palavra de Deus?


A mais nova moda da apologética católica, pasme, é negar que a Bíblia seja a palavra de Deus. Talvez você não acredite, como eu não acreditava até pouco tempo, mas sim, tem gente por aí que se diz cristã e que alega que a Bíblia é apenas mais um livro como qualquer outro, e que não tem nada de “palavra de Deus”. Essa é tão recente que nos primeiros anos de apologética eu nunca tinha ouvido, mas como em se tratando de apologética católica tudo SEMPRE pode piorar, essa mais nova heresia ficou popular entre eles. De repente essa tese ganhou aceitação impressionante entre o “populacho”, como esses leigos aí que ninguém sabe quem são, nem o que comem, nem de onde vieram:



Mas, inacreditavelmente, também se tornou popular entre os “eruditos” deles. No site do “professor” Felipe Aquino, por exemplo, que pode ser conferido aqui, há essa maravilhosa pérola:


Perceba a falácia da falsa dicotomia que aqui é tão gritante, mas que inacreditavelmente passa imperceptível aos leigos fanáticos que engolem esse engodo: eles dizem que Jesus é a palavra de Deus, e então a Bíblia não pode ser. A falsa dicotomia aqui reside justamente nisso, isto é, em opor Jesus e a Bíblia exigindo que escolhamos um e rejeitemos o outro, quando qualquer indivíduo um pouco mais são e sóbrio chegará à conclusão de que ambos são a “palavra de Deus”: a Bíblia é a palavra de Deus escrita, e Jesus é a palavra de Deus em pessoa. Se não fosse Jesus não haveria plano de salvação algum, mas se não houvesse a Bíblia nós não conheceríamos esse plano de salvação, uma vez que na época a única forma de se conservar uma mensagem a gerações posteriores era escrevendo (leia sobre isso neste artigo).

Portanto, o fato de Jesus ser a palavra de Deus em nada anula o fato de a Bíblia também ser, embora em sentidos obviamente distintos: um é a palavra de Deus personificada, e o outro é a palavra de Deus registrada. Que a Bíblia também é a palavra de Deus e não apenas Jesus, isso fica bastante óbvio quando simplesmente temos o trabalho de abrir a Escritura e lê-la. Vejamos, por exemplo, a discussão de Jesus com os fariseus, registrada na palavra de Deus em Mateus 15:

“Então alguns fariseus e mestres da lei, vindos de Jerusalém, foram a Jesus e perguntaram: Por que os seus discípulos transgridem a tradição dos líderes religiosos? Pois não lavam as mãos antes de comer! Respondeu Jesus: E por que vocês transgridem o mandamento de Deus por causa da tradição de vocês? Pois Deus disse: ‘Honra teu pai e tua mãe’ e ‘quem amaldiçoar seu pai ou sua mãe terá que ser executado’. Mas vocês afirmam que se alguém disser a seu pai ou a sua mãe: ‘Qualquer ajuda que vocês poderiam receber de mim é uma oferta dedicada a Deus’, ele não é obrigado a ‘honrar seu pai’ dessa forma. Assim vocês anulam a palavra de Deus por causa da tradição de vocês. Hipócritas! Bem profetizou Isaías acerca de vocês, dizendo: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens’" (Mateus 15:1:9)

Observe que Jesus estava aqui debatendo com os fariseus sobre a autoridade da tradição oral que eles seguiam, em contraposição à autoridade máxima das Escrituras (qualquer semelhança talvez não seja mera coincidência). Ele cita um trecho das Escrituras a respeito de uma prescrição divina, a qual os fariseus não observavam por causa de sua tradição corrompida. Então diz que eles estavam anulando a palavra de Deus por causa da tradição deles. Qualquer pessoa que tenha mais que dois neurônios conseguirá concluir o óbvio: que a Escritura é a palavra de Deus no entendimento de Cristo. Os fariseus estavam contradizendo a Escritura por causa de suas tradições, e isso implicava em anular a palavra de Deus, porque a Escritura é a palavra de Deus. É preciso ser monstruosamente desonesto para não reconhecer isso.

Outra ocasião em que Jesus tratou a Bíblia como a palavra de Deus foi em sua discussão com os judeus:

“Jesus lhes respondeu: Não está escrito na Lei de vocês: ‘Eu disse: Vocês são deuses’? Se ele chamou ‘deuses’ àqueles a quem veio a PALAVRA DE DEUS (e A ESCRITURA não pode ser anulada) que dizer a respeito daquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo? Então, por que vocês me acusam de blasfêmia porque eu disse: ‘Sou Filho de Deus’?” (João 10:34-36)

Se alguém não consegue ver Jesus chamando a Escritura de “palavra de Deus” aqui, precisa voltar e estudar desde o maternal de novo.

Mas não foi só Jesus que tratou a Escritura como sendo a palavra de Deus. O apóstolo Paulo reiteradamente fez isso, de modo a não nos deixar qualquer dúvida. Abaixo segue um capítulo que geralmente é o centro das atenções em debates soteriológicos, mas que aqui terá uma ênfase diferente:

Romanos 9
1 Digo a verdade em Cristo, não minto; minha consciência o confirma no Espírito Santo:
2 tenho grande tristeza e constante angústia em meu coração.
3 Pois eu até desejaria ser amaldiçoado e separado de Cristo por amor de meus irmãos, os de minha raça,
4 o povo de Israel. Deles é a adoção de filhos; deles é a glória divina, as alianças, a concessão da lei, a adoração no templo e as promessas.
5 Deles são os patriarcas, e a partir deles se traça a linhagem humana de Cristo, que é Deus acima de tudo, bendito para sempre! Amém.
6 Não pensemos que a palavra de Deus falhou. Pois nem todos os descendentes de Israel são Israel.
7 Nem por serem descendentes de Abraão passaram todos a ser filhos de Abraão. Pelo contrário: "Por meio de Isaque a sua descendência será considerada".
8 Noutras palavras, não são os filhos naturais que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa é que são considerados descendência de Abraão.
9 Pois foi assim que a promessa foi feita: "no tempo devido virei novamente, e Sara terá um filho".
10 E esse não foi o único caso; também os filhos de Rebeca tiveram um mesmo pai, nosso pai Isaque.
11 Todavia, antes que os gêmeos nascessem ou fizessem qualquer coisa boa ou má — a fim de que o propósito de Deus conforme a eleição permanecesse,
12 não por obras, mas por aquele que chama — foi dito a ela: "O mais velho servirá ao mais novo".
13 Como está escrito: "Amei Jacó, mas rejeitei Esaú".
14 E então, que diremos? Acaso Deus é injusto? De maneira nenhuma!
15 Pois ele diz a Moisés: "Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão".
16 Portanto, isso não depende do desejo ou do esforço humano, mas da misericórdia de Deus.
17 Pois a Escritura diz ao faraó: "Eu o levantei exatamente com este propósito: mostrar em você o meu poder, e para que o meu nome seja proclamado em toda a terra".
18 Portanto, Deus tem misericórdia de quem ele quer, e endurece a quem ele quer.
19 Mas algum de vocês me dirá: "Então, por que Deus ainda nos culpa? Pois, quem resiste à sua vontade?"
20 Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? "Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: ‘Por que me fizeste assim?’"
21 O oleiro não tem direito de fazer do mesmo barro um vaso para fins nobres e outro para uso desonroso?
22 E se Deus, querendo mostrar a sua ira e tornar conhecido o seu poder, suportou com grande paciência os vasos de sua ira, preparados para destruição?
23 Que dizer, se ele fez isto para tornar conhecidas as riquezas de sua glória aos vasos de sua misericórdia, que preparou de antemão para glória,
24 ou seja, a nós, a quem também chamou, não apenas dentre os judeus, mas também dentre os gentios?
25 Como ele diz em Oséias: "Chamarei ‘meu povo’ a quem não é meu povo; e chamarei ‘minha amada’ a quem não é minha amada",
26 e: "Acontecerá que, no mesmo lugar em que se lhes declarou: ‘Vocês não são meu povo’, eles serão chamados ‘filhos do Deus vivo’”.
27 Isaías exclama com relação a Israel: "Embora o número dos israelitas seja como a areia do mar, apenas o remanescente será salvo.
28 Pois o Senhor executará na terra a sua sentença, rápida e definitivamente".
29 Como anteriormente disse Isaías: "Se o Senhor dos Exércitos não nos tivesse deixado descendentes, já estaríamos como Sodoma, e semelhantes a Gomorra".
30 Que diremos, então? Os gentios, que não buscavam justiça, a obtiveram, uma justiça que vem da fé;
31 mas Israel, que buscava uma lei que trouxesse justiça, não a alcançou.
32 Por que não? Porque não a buscava pela fé, mas como se fosse por obras. Eles tropeçaram na "pedra de tropeço".
33 Como está escrito: "Eis que ponho em Sião uma pedra de tropeço e uma rocha que faz cair; e aquele que nela confia jamais será envergonhado".

No verso 6, Paulo diz para não pensarmos que a PALAVRA DE DEUS falhou. Que “palavra de Deus” é essa? Ele mostra isso da forma mais clara e evidente ao longo de todo o capítulo... citando textos bíblicos. Em negrito vermelho estão as partes em que ele introduz explicitamente a expressão “está escrito” ou “a Escritura diz”, e em negrito azul quando ele faz menção a trechos da Bíblia de outra maneira. Ao todo, Paulo faz citação direta de trechos da Bíblia nada a menos que dez vezes logo após dizer que “a palavra de Deus não falhou”. Qualquer leitor honesto concluirá o óbvio aqui: que essa “palavra de Deus”, de fato, era a própria Escritura Sagrada. Ela não falhou, e Paulo provava isso usando a própria Bíblia.

Aos coríntios, Paulo também escreveu:

“Antes, renunciamos aos procedimentos secretos e vergonhosos; não usamos de engano, nem torcemos a palavra de Deus. Ao contrário, mediante a clara exposição da verdade, recomendamo-nos à consciência de todos, diante de Deus” (2ª Coríntios 2:4)

Se só Jesus é a palavra de Deus, então deveríamos tristemente concluir que Paulo estava dizendo neste texto que “não torcemos Jesus”. O que, é claro, não faz sentido nenhum. “Não torcer a palavra de Deus” significa exatamente não torcer as Escrituras, como diz Pedro em linguagem semelhante:

“Ele escreve da mesma forma em todas as suas cartas, falando nelas destes assuntos. Suas cartas contêm algumas coisas difíceis de entender, as quais os ignorantes e instáveis torcem, como também o fazem com as demais Escrituras, para a própria destruição deles” (2ª Pedro 3:16)

Portanto, “não torcer a palavra de Deus” significa não distorcer a Bíblia (aliás, uma coisa que os papistas deveriam aprender com toda urgência). O que prova, mais uma vez, que a Bíblia é a palavra de Deus.

Lucas, o escritor de Atos dos Apóstolos, também tinha a firme convicção evangélica de que a Escritura é a palavra de Deus. Ele escreveu em termos claros:

“Logo que anoiteceu, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia. Chegando ali, eles foram à sinagoga judaica. Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo. E creram muitos dentre os judeus, bem como dentre os gregos, um bom número de mulheres de elevada posição e não poucos homens. Quando os judeus de Tessalônica ficaram sabendo que Paulo estava pregando a palavra de Deus em Bereia, dirigiram-se também para lá, agitando e alvoroçando as multidões” (Atos 17:10-13)

Lucas inicia dizendo que Paulo e Silas estavam pregando em Bereia, onde os cristãos examinavam diariamente as Escrituras. Logo em seguida, é dito que os judeus souberam que Paulo estava pregando “a palavra de Deus”, em evidente relação com as Escrituras pelo contexto. Mais adiante, Lucas escreve também:

“Crispo, chefe da sinagoga, creu no Senhor, ele e toda a sua casa; e dos coríntios que o ouviam, muitos criam e eram batizados. Certa noite o Senhor falou a Paulo em visão: "Não tenha medo, continue falando e não fique calado, pois estou com você, e ninguém vai lhe fazer mal ou feri-lo, porque tenho muita gente nesta cidade". Assim, Paulo ficou ali durante um ano e meio, ensinando-lhes a palavra de Deus (Atos 18:8-11)

Em outras ocasiões, a “palavra de Deus” é o próprio evangelho (que nos foi legado através das Escrituras), mas não a pessoa de Jesus. Tente trocar o termo “palavra de Deus” por “Jesus” nos textos abaixo:

“Chegando em Salamina, proclamaram a palavra de Deus nas sinagogas judaicas. João estava com eles como auxiliar. Viajaram por toda a ilha, até que chegaram a Pafos. Ali encontraram um judeu, chamado Barjesus, que praticava magia e era falso profeta. Ele era assessor do procônsul Sérgio Paulo. O procônsul, sendo homem culto, mandou chamar Barnabé e Saulo, porque queria ouvir a palavra de Deus (Atos 13:5-7)

“Entretanto, a palavra de Deus continuava a crescer e a espalhar-se” (Atos 12:24)

O primeiro texto estaria dizendo que o procônsul queria ouvir Jesus, e o segundo que “Jesus crescia e se espalhava”. Troque isso por “evangelho”, e veja como os textos fazem muito mais sentido, fluindo com muito mais naturalidade. Em resumo, há textos em que a palavra de Deus é Jesus, há textos em que é a Escritura, e textos em que se refere ao evangelho. Essa coisa de pegar exclusivamente os textos que falam de Jesus como sendo a palavra de Deus e aí excluir todos os demais significados que o termo pode ter é coisa de embusteiro, que acha que porque Jesus é a palavra de Deus em alguns textos, então tem que ser a palavra de Deus em todos os textos, e automaticamente excluir a Bíblia como a palavra de Deus, como se os evangélicos estivessem errados ao se referir à Bíblia como a palavra de Deus ou como se ignorassem o fato óbvio e já muito conhecido de que Jesus também é.

Além de a própria Bíblia atestar que a Escritura é a palavra de Deus, temos também o testemunho dos Pais da Igreja, que sempre se referiram à Escritura como sendo a palavra de Deus. Quando eu escrevi o livro “Em Defesa da Sola Scriptura”, fiz a pesquisa mais completa e aprofundada na patrística no que diz respeito a este assunto, e fiquei realmente impressionado com a quantidade exaustiva de citações dos Pais da Igreja muito mais incisivas sobre a Escritura do que qualquer evangélico faria nos dias de hoje.

Se um católico acredita que os evangélicos dão “moral demais” à Bíblia, chegando a nos chamar de “bibliólatras”, é porque nunca leu os Pais da Igreja na vida. Um termo frequentemente empregado por eles para se referir à Bíblia era o de “Divinas Escrituras”, às vezes até mais usado do que o termo mais modesto usado pelos protestantes, de “Sagrada Escritura”. Eles também chamavam as Escrituras de “oráculos divinos” e iam bem além no que diz respeito à questão da inspiração, porque eram adeptos ferrenhos da tese da inerrância bíblica. Eles literalmente criam que a Bíblia não possui qualquer erro em qualquer matéria, o que nos dias de hoje os faria serem considerados “fundamentalistas protestantes” por muita gente. Houve até quem chegou a dizer que a Bíblia foi toda ela ditada(!) pelo Espírito Santo. Em síntese, o conceito que os Pais tinham a respeito da Bíblia era muito maior que o conceito que os protestantes têm hoje, e, obviamente, infinitamente maior do que o desprezo que os papistas têm.

É claro que, em meio a tantas milhares e milhares de citações patrísticas dizendo que a Escritura é a palavra de Deus, eu não poderia transcrever todas no meu livro, ou senão teria que escrever o equivalente a um outro livro apenas com essas citações. Por isso trouxe algumas em um apêndice do mesmo. Entre elas cito Agostinho, que disse que a Bíblia é a “Palavra escrita de Deus” (Carta 77:1), e Ambrósio, seu tutor na fé, que disse que a Palavra de Deus é o que está escrito: “Eles não acreditam na Sua eternidade, apesar de na Palavra de Deus estar escrito: ‘No princípio era o Verbo’ (Jo.1:1)” (Exposição da Fé Cristã, Livro III, 8).

Então temos aqui o seguinte panorama: Jesus cria que a Escritura era a palavra de Deus, Lucas cria que a Escritura era a palavra de Deus, Paulo cria que a Escritura era a palavra de Deus e os Pais da Igreja criam que a Escritura era a palavra de Deus. Então, quem disse que a Bíblia não é a Palavra de Deus? A resposta é simples: esses caras aqui.

















Esse é o valor que eles atribuem à Bíblia: além de não ser a palavra de Deus, são “palavras do capeta”, é "igual livro de macumba", é um livro “perigoso” que faz as pessoas “caírem na ruína”, que está abaixo do papa e que pode levar à perdição, que não tem luz nenhuma, que é “bastante incompleto”, que “pode nos corromper” e que serve apenas como papel higiênico para limpar aquele lugar (isso quando não queimam). Esse é o profundo ódio e desprezo que os apologistas católicos têm pela Bíblia, e tudo isso só porque ela corta o barato deles, desmascarando suas fraudes, denunciando suas heresias e tirando milhões de pessoas da "mãe de todas as abominações da terra" (Ap 17:5) para conhecerem a verdade que liberta (Jo 8:32).

Se você, protestante, está sendo xingado, escarnecido, perseguido e vilipendiado por debatedores católicos sem nenhuma decência ou civilidade em fóruns de discussão, fique tranquilo, pois eles fazem isso com qualquer um que entra no caminho deles – inclusive, é claro, com a Bíblia. Basta frustrar seus planos e estragar seus embustes, que eles já partem para o ataque frenético e desequilibrado com o mesmo furor e cólera que tem contra a Bíblia. A maioria nem suporta mais ouvir o termo "Bíblia", que lhes causa calafrios. Mas não poderíamos esperar nada diferente como fruto de uma Igreja que desde que surgiu serviu apenas para perseguir a Bíblia e os que nela creem.

Paz a todos vocês que estão em Cristo. 

Recomendado: O magistério da Igreja Romana é suficiente? (Novo artigo do Bruno Lima)

Por Cristo e por Seu Reino,

-Meus livros:

- Baixe e leia gratuitamente meus livros clicando aqui.

- Confira a lista exaustiva de artigos do blog clicando aqui.

- Siga-me no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)

Comentários

  1. Ótimo artigo, como sempre.

    ResponderExcluir
  2. Sem palavras Lucas, Agradeço a Deus por meio de Jesus Cristo por sua vida irmão. Continue fazendo esse belo trabalho q tu faz, como vc sempre coloca no final dos seus artigos esse trabalho q é POR CRISTO E POR SEU REINO. AMEM!

    ResponderExcluir
  3. Lucas vc vai fazer o artigo sobre as acusações católicas sobre as adulterações da bíblia protestante?? Grato pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é o próximo da lista se não ocorrer nada até lá que me faça mudar de ideia :)

      Excluir
  4. Cuidado,vc está pegando mal exemplos como representantes da fé católica, igreja católica processa que a bíblia é a palavra de Deus escrita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em momento nenhum eu disse que essa é a crença "oficial" da Igreja Romana. Logo no primeiro parágrafo eu escrevo:

      "Essa é tão recente que nos primeiros anos de apologética eu nunca tinha ouvido, mas como em se tratando de apologética católica tudo sempre pode piorar, essa mais nova heresia ficou popular entre eles..."

      Ou seja, deixei claro que essa é uma tese popular que surgiu nos últimos anos entre os apologistas católicos. O fato é que NÃO SE PODE DEIXAR BARATO uma heresia ou distorção grosseira da verdade como essa, independentemente se veio do catecismo ou de um documento oficial, ou se veio da apologética católica, ou se veio de um Zé da Esquina. Onde houver um erro, ele deve ser combatido e ponto final. E eu não escrevi esse artigo logo ao ver o primeiro sujeito disseminando essa asneira, eu esperei por ANOS até que isso chegasse a esse nível crônico que vemos hoje, em que tantos apologistas disseminam esta mesma mentira em todos os lugares, desde debatedores de internet até gente mais reconhecida. Os que eu printei aqui não representam nem 1% do que se vê TODOS OS DIAS por aí.

      E convenhamos, 99% da apologética católica moderna consiste em birutices "não-oficiais", o que inclui por exemplo a distorção de milhares de versos bíblicos que nunca foram interpretados "oficialmente" pela ICAR como sendo daquele jeito, ensinos como co-redenção de Maria, preterismo, aparições marianas, corpos incorruptos, "Maria esmaga a cabeça da serpente", "os protestantes são os filhos da serpente", "o protestantismo gera o ateísmo e comunismo", "só pode ser conservador se for católico" e, é claro, o site INTEIRO do Macabesta, que é a defesa de uma escatologia que a Igreja Romana jamais apoiou oficialmente. Nem por isso essas aberrações não podem e devem ser devidamente desmascaradas.

      Excluir
    2. Interessanet. Nas pesquisas para os meus artigos eu sempre tento saber qual é o ensinamento oficial da Igreja Romana (muitas vezes não há ensino "oficial"). O que tenho percebido é uma distância relevante entre a apologética católica e o ensino de sua Igreja, ou pelo menos um distanciamento grande para como os teólogos católicos interpretam o ensino da igreja.

      Como disse em meu último artigo, os apologistas católicos são mais antiprotestantes do que católicos. Na obsessão de refutar o protestantismo, eles fazem uso de argumentos que refutariam o próprio catolicismo. Não por acaso, esses argumentos muitas vezes são contrários ao que a Igreja ensina.

      Essa questão da relação entre autoridade da igreja e Escritura é um ótimo exemplo. O argumento de que a Escritura só tem autoridade porque a Igreja a concedeu não é o ensino da Igreja Romana. Esse argumento absurdo foi em grande parte popularizado por gente que deveria saber o ensino correto (ex. Padre Paulo Ricardo).

      Não raro temos que defender a Igreja Romana dos apologistas católicos.

      Excluir
    3. É bem assim mesmo... a triste verdade é que 99% desses debatedores católicos de internet jamais leram o catecismo ou qualquer outro documento católico oficial. Nem sequer leem livros de teólogos ou historiadores católicos com algum renome. São doutrinados inteiramente com páginas ridículas de facebook, com "youtubers" de nível ralé, com videozinhos do sofista padre Paulo Ricardo e com falácias mil de gente do calibre de Paulo Leitão e companhia limitada. Por isso a apologética católica no Brasil é tão pobre e decadente; já seria ruim se seguisse apenas a doutrina oficial, mas eles conseguem piorar ainda mais seguindo os achismos e devaneios de gente assim...

      Excluir
    4. Bruno Lima, disseste tudo: "os apologistas católicos são mais antiprotestantes do que católicos"

      Nada mais verdadeiro!

      Vocês conseguem imaginar o Conde observando os sacramentos, frequentando paróquia e missas todos os domingos? Fazendo preces a algum santo?

      Não preciso dizer mais nada!

      Excluir
    5. Disse tudo amigo. Essa gente não sabe nem rezar um terço, muitos deles nem as missas vão além de JAMAIS terem lido um parágrafo do catecismo da igreja deles.

      Excluir
    6. Isso de que a palavra de Deus é Jesus e não a bíblia tb foi dito pelo Bispo católico que havia sido confrontado pelo Silas Malafaia, à partir do minuto 5 desse vídeo

      https://www.youtube.com/watch?v=VEJHXpID8aA

      Excluir
  5. Baita artigo! Exaltamos a Sola Scriptura, pois ela é a palavra de Deus e não as interpretações fajutas dos papistas, advindas de suas tradições antibíblicas.

    ResponderExcluir
  6. Lucas, Deus te guarde por muitos anos. Sua sabedoria é legível. Por isso esse povo católico te odeia tanto. Seus artigos são um verdadeiro arsenal contra essas heresias destruidoras.

    O lado evangélico está muito bem representado por vários apologistas protestantes. Devo lembrar aqui do Bruno Lima e do Ellison Freire. Há outros magníficos também.

    O mais impressionante em tudo isso é ver alguém que se diz da Igreja de Cristo dizer que vai limpar o .. com as Sagradas Escrituras que contém os dois Testamentos de Deus com seu povo.

    Traduzir o que esse povo católico quer dizer contra as Escrituras, não é difícil. Não é apenas a Palavra de Deus, Lucas, mas suas promessas feitas através de um Concerto, Pacto ou Testamento. Não sei como criaturas desse tipo ainda tem coragem de blasfemar desse forma contra “ uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas”, Hebreus 8:6. Querem convencer a massa ignorante que Deus fez promessas por via oral. Quem faz testamento com outrem por via oral apenas?

    Eles ainda tem a ousadia de dizer que essa Nova Aliança só foi REVELADA ao mundo quando a Igreja católica canonizou os livros ... DEPOIS DE QUATRO SÉCULOS QUE A ALIANÇA FOI ENTREGUE!!!

    É isso que insinuam quando dizem que o Novo Testamento não estava pronto antes do quarto século. Eles nem percebem!

    Deus fez uma Nova Aliança através dos pais da Igreja originais - os Apóstolos - e esses indivíduos de outro planeta espalham pela internet toda que o mundo só teve acesso a esse pacto 300 anos depois da morte do último apóstolo. Tem que ser muito doido para acreditar numa coisas dessas.

    Percebeu como foi fácil traduzir o que essa apologética maluca tenta dizer?

    Pelo amor de Deus... CHEGA!

    Esse povo é louco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra mim isso aí nada mais é que o cumprimento profético de 2 Timóteo 3: "
      1 Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
      2 Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
      3 Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
      4 Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
      5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
      6 Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências;
      7 Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.
      8 E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.
      9 Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles."

      Excluir
    2. Realmente, essa de que "não existia Bíblia até o século IV", o cúmulo da bizarrice, já vi muito apologista católico dizendo. É um caso sério: tudo o que é contra a Bíblia que eles podem acumular, "tá valendo". Se pudessem e Deus permitisse, acabariam com esse livro que tanto mal faz a eles.

      Excluir
    3. Gostaria que um católico dissesse a um rabino que a Bíblia (AT) que ele posuí só existe por causa da ICAR.

      Excluir
  7. É uma posição arrogante considerar que uma interpretação é a correta dentre várias interpretações existentes para um texto bíblico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é arrogante, a não ser que seja um texto obscuro demais que permita múltiplas interpretações. Neste caso, o mais humilde é reconhecer que existem várias possibilidades para a passagem, mas casos assim são raros e quase sempre pode-se chegar ao seu significado provável mediante os textos mais claros da Escritura sobre o mesmo tema.

      Excluir
    2. Eu já pensei muito sobre o que esse anônimo, em diversas discussões que eu tive, e cheguei a seguinte conclusão. Somente é arrogante quando não é a verdade. Ninguém é arrogante por dizer que 2 + 2 = 4. Seria arrogante dizer que somente uma interpretação de um texto é correta, caso esse possibilite diversos significados realmente e não por erro de entendimento. Porém, se algo é verdadeiro e a sua interpretação é correta, não há arrogância nenhuma, há apenas o humilde ato de entendimento da mensagem e sua propagação. A alegação do anônimo é mais tipo de falácia.

      Excluir
  8. Nossa essas ideias católicas já tão ultrapassando o limite do aceitável...
    Como alguém diz que a Bíblia NÃO é a Palavra de Deus??
    Deus fala em Provérbios que "maldito é o homem que confia no próprio homem".
    Se eu confiar em um homem chamado papa e ele disser que é certo trair a esposa
    essa é a verdade, já que ele é infalível??? Ah me poupem, que ideia ridícula...
    Fora isso, também tem os resquícios de paganismo / idolatria do Império Romano que são disfarçadamente cultuados por muitos católicos dentro da Igreja Católica e que a maioria não combate...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, para eles o magistério da igreja deles está acima da Bíblia e por isso nós devemos nos submeter ao magistério e não à Bíblia. O magistério romano é a autoridade final, por isso o "Sola Ecclesia". Na prática, significa que o que está na Bíblia é completamente irrelevante, a única coisa que importa é a "interpretação" que o papa vai dar a seu respeito.

      Excluir
    2. Mas é assim que a ICAR sempre funcionou: o entendimento do clero é a palavra final. Não é hoje que vai mudar.

      Excluir
  9. Lucas, eu não sou católico, nunca fui e acho muito difícil que um católico honesto venha endossar isso aí que você descreveu. Tais pessoas nem católicos e muito menos cristãos são. A verdadeira apologética cristã quer seja católica, protestante, ortodoxa deve se pautar no respeito à pessoa humana, no confronto de idéias em conformidade com a Palavra de Deus. Mas esperar dessa gente o eles não têm é mesmo que esperar o mar secar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você entrar em qualquer um desses grupos de debate entre evangélicos e católicos, verá que isso infelizmente não é a exceção, mas a regra. É como eu disse: há alguns anos ninguém sustentava esse tipo de loucura, mas basta que algum católico conhecido comece a espalhar uma heresia nova que a turma toda vai atrás se percebe que essa inovação pode lhes favorecer em alguma coisa. Na verdade, qualquer argumento que sirva para rebaixar ou desqualificar a Bíblia eles aceitam com entusiasmo, porque pensam que isso serve para "destruir a Sola Scriptura". Eu não gostaria que fosse assim, mas infelizmente é a realidade empírica.

      Excluir
    2. Entendi. Mas eu acredito que a maioria dessas pessoas nem católicos sejam. E também não acredito que
      nesses grupos de debates tenha algum sacerdote católico orientando os fiéis a trocarem papel higiênico pela Bíblia protestante.

      Excluir
    3. É difícil definir o que é "ser" um católico. Essas pessoas se consideram católicas, frequentam missa, defendem o catolicismo de forma apaixonada nas redes sociais, exibem ícones católicos e imagens em suas capas e perfis, basicamente vivem em função da Igreja. Se eles não são católicos de verdade, é difícil pensar no que seja. Sobre trocar a Bíblia protestante por papel higiênico eu também nunca vi um sacerdote incentivando, mas o catecismo do papa Pio X manda queimar, o que é tão ruim quanto.

      Excluir
  10. Acredito que esses caras(apologistas católicos) nunca leram um livro sequer da Bíblia! Muito menos esses 7 que eles tanto brigam!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, isso não precisa nem de estudo científico pra constatar, todo mundo sabe que católico só usa a Bíblia pra deixar aberto no Salmo 24 para "espantar os males", e que tem um verdadeiro horror à sua leitura. Eu me lembro da época em que passávamos perto de uma igreja católica no final do culto deles, e NUNCA achávamos alguém com uma Bíblia na mão. Todo domingo era a mesma coisa, podiam passar milhares de pessoas, que o objeto mais improvável de se encontrar naquele meio era uma Bíblia. Por isso não surpreende que todo católico que se converte a Cristo, é porque decidiu ler a Bíblia, algo até hoje desencorajado pelos padres justamente por essa razão. É simplesmente impossível alguém olhar para o Novo Testamento e ver ali qualquer harmonia com a Igreja Romana.

      Excluir
  11. Eu queria ver o "como funciona o mundo na cabeça de um zumbi tridentino - parte4" , mas depois desses comentários absurdos sobre a Bíblia deu até tristeza...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior do que isso aí só satanismo.

      Excluir
  12. Lucas: (1) Você já havia mencionado em um comentário não muito antigo que um certo trecho de um certo evangelho era fraudulento; são muitos os versículos "fake" do Novo Testamento? Quais são eles? (2) Tem algum texto bom que explique bem a relação entre a Igreja de Cristo e Israel (incluindo os judeus de hoje)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre a primeira questão, eu comentei a este respeito neste vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=KncIpLC0Mho

      Se quiser ler em texto (que é melhor, mas mais longo), veja aqui:

      http://ateismorefutado.blogspot.com.br/2014/12/a-autenticidade-do-novo-testamento.html

      Sobre a segunda, eu não tenho nenhum texto sobre isso, mas foi bom dar a ideia, porque eu já projetava escrever algo próximo a isso.

      Excluir
  13. Esses indivíduos aí são alunos do astrólogo boca suja.

    ResponderExcluir
  14. Em fevereiro de 1980, numa reunião muito tensa, ocorrida numa paróquia católica em São Paulo, que acabou servindo para tratar de meu comportamento cristão desviante aos olhos do meu pároco, na época, por ter sido “influenciado” por ideias protestantes, num dado momento da reunião, perguntei a ele: “padre, devo acreditar na bíblia como única regra de fé e prática?”. Sua reposta foi mais ou menos assim: “Não. Jesus Cristo não deixou um livro, Ele deixou uma igreja. E é esta igreja que está apta para interpretar o que diz a bíblia, considerando conjuntamente sua tradição e/ou Magistério ao lado do Santo Padre através dos tempos”. Como eu não concordei com esta definição, acabei me tornando protestante pouco tempo depois...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem falar que o argumento dele também é bastante sofista. "Jesus não deixou um livro", mas não diz que a única forma de sabermos o que Jesus ensinou é através de um livro. "Cristo deixou uma Igreja", mas não diz que essa Igreja não tinha nada a ver com a Igreja Romana, que foi se desenvolver muito tempo depois. "Essa Igreja está apta para interpretar o que diz a Bíblia", mas o magistério dessa igreja não tinha NENHUMA importância nos primeiros séculos, é contraditório pois contradiz a si mesmo com o passar do tempo, e ainda necessita de interpretação também, pois o magistério é muitas vezes ambíguo naquilo que diz, por isso existem tantos teólogos católicos ensinando coisas diferentes por aí, e todos se apoiando na autoridade do mesmo "magistério". O Bruno Lima escreveu um artigo excepcional sobre isso, que eu recomendei no final deste artigo, e que passo aqui novamente:

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2017/11/o-magisterio-da-igreja-romana-e.html

      Excluir
    2. Duas coisas só que acho que valem a pena ser deixado claro. Muita gente confunde o objeto Bíblia com a informação bíblica, o meio pelo qual a palavra achegou-se a nós com a própria palavra. A palavra de Deus é a informação constante da Bíblia. Esse é imutável, inerrante, suficiente para nos trazer toda a informação divina, que o próprio Deus quis que chegasse a nós. O objeto é apenas isso, uma ferramente, algo concreto que contém a palavra de Deus. Portanto, quando alguém quer "chocar" um protestante (os ateus usam mais desse expediente que os católicos) falando que limpa o seu bumbunzinho sujo com a bíblia, eu nem ligo, pois o objeto não é santo, ele que faça o que quiser.
      Segunda coisa, porque os católicos insistem que a Igreja que deve interpretar, que a interpretação vale mais que a Bíblia, se a fonte original é a Bíblia. Isso é como dizer que, em um processo judicial qualquer, que a interpretação de um juiz vale mais que a constituição, sendo que esta é a originária. Todos se revoltaram no impeachment da Dilma pois o Lewandowski fez uma interpretação contrária ao texto. E isso é exatamente o que o catolicismo sempre faz. Portanto, alegar que um entendimento secundário, originário da fonte, é maior que a fonte, mesmo que sendo contrário a este, é loucura, insanidade ou fanatismo, provavelmente o diagnóstico para esses católicos aí.

      Excluir
    3. Amigos, não adianta. O catolicismo não ceder, por mais irracional que pareça. A palavra final é o entendimento do clero e não a Bíblia. E o pior é que muitos deles têm consciência de suas falácias!

      Excluir
  15. Coloquem no minuto 9:40 até o 9:47. Ouçam o zumbi

    https://youtu.be/HmTjHP0wB94

    Alon

    ResponderExcluir
  16. A única forma do catolicismo ser "coerente" (entre aspas mesmo, pq é impossível serem coerentes) é rejeitar a Palavra de Deus e idolatrar a Igreja Católica. Eles nunca reconhecerão a Bíblia pois ela os desmascaram. É mais do claro que o catolicismo não é cristianismo, é só uma religião inventada e que vem sendo mudada ao longo do tempo pela igreja Católica de Roma.

    ResponderExcluir
  17. Fiquei assustado com o que estão dizendo por aí, como você mostrou! Deu pra ver a atuação satânica naquelas pessoas, claramente! Desiquilíbrio total!

    ResponderExcluir
  18. Olha isso Banzoli:

    https://www.ancient-code.com/mysterious-artifacts-with-engravings-of-aliens-and-spaceships-unearthed-in-mexican-cave/?utm_content=social-10u7b&utm_medium=social&utm_source=SocialMedia&utm_campaign=SocialPilot

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você ver os episódios do "Alienígenas do Passado", do History Channel, tem muita coisa tão ou mais intrigante que isso (são centenas de programas). Eu já escrevi sobre isso em um comentário no artigo anterior, na minha concepção alienígenas não existem, o que existem são demônios que entram em contato mais direto com os seres humanos, e que no passado se apresentavam dessa maneira. Se puder assistir a essa palestra do ex-satanista Daniel Mastral (os três links são continuação um do outro), vai esclarecer bastante essa questão:

      https://www.youtube.com/watch?v=ZJXhUNZd8A0

      https://www.youtube.com/watch?v=xZvTE-IgF0g

      https://www.youtube.com/watch?v=yMYMO5ty8tU&t=3767s

      Excluir
    2. Eu também não acredito na existência de aliens, mas eu acredito na possibilidade de existir vida em outros planetas, não vida inteligente, mas algum tipo de ser irracional. Por exemplo, algum tipo de verme, bactérias, insetos, aves, etc. Não estou dizendo que isso existe de fato, mas é possível. E você, o que acha?

      Excluir
    3. Penso assim também. Inclusive há evidências de vida bacteriana em meteoritos vindos de outros planetas (o que é discutido na comunidade científica, como você pode ver na matéria abaixo).

      http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/03/110307_bacterias_meteoritos_polemica_cc

      Excluir

  19. Lucas, Martinho Lutero negava a razão? Lutero era um nominalista que rejeitava a filosofia grega?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que Lutero não negava a razão, é exatamente o contrário. Quando Lutero foi confrontado na Dieta de Worms e intimado a se retratar, disse que não podia fazer isso sem que lhe provassem seus erros mediante a Escritura ou a razão, "porque é perigoso agir contra a consciência". O princípio protestante sempre foi o de seguir a consciência, enquanto o da Igreja Romana sempre foi o inverso, de sufocar a consciência individual e ser forçado a crer da maneira deles mesmo contra toda e qualquer razão. Daí vem a máxima de Inácio de Loyola, de que se a Igreja disser que o branco que eu vejo na verdade é preto, devemos abdicar à razão e ficar com o conselho da Igreja. É o ápice do fideísmo, da fé cega, da supressão da razão e da consciência individual. A razão que Lutero condenava ao dizer sua famosa frase de que "a razão é a prostituta do diabo" não é esse tipo de razão, mas sim a forma mundana de se pensar o mundo, que o apóstolo Paulo também condenou quando disse:

      "Não se enganem. Se algum de vocês pensa que é sábio segundo os padrões desta era, deve tornar-se 'louco' para que se torne sábio. Porque a sabedoria deste mundo é loucura aos olhos de Deus. Pois está escrito: 'Ele apanha os sábios na astúcia deles'; e também: 'O Senhor conhece os pensamentos dos sábios e sabe como são fúteis'" (1 Coríntios 3:18-20)

      Na época de Lutero o que predominava era a filosofia escolástica baseada nos conceitos aristotélicos, que muitas vezes faziam mais mal do que bem à fé. Lutero não fez mais do que Paulo ao condenar essas "vãs filosofias" dos "sábios" de sua época.

      Excluir
  20. Lucas é verdade que na IDADE MÉDIA a igreja romana via o TRABALHO como maldição e enquanto que os reformadores viam como benção divina?será por que quando Adão e Eva pecaram Deus disse que a punição pra eles seria o trabalho é nesse texto isolado que a ICAR se baseia,ou seja,o trabalho é um castigo...como interpretar esse texto deturpado da ICAR?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos por partes. A ICAR via o trabalho como maldição e os protestantes como bênção? Sim! A Bíblia apoia o conceito da ICAR em contraposição ao conceito protestante? Não! É uma total incompreensão do texto referenciado por eles, pois o trabalho (no Jardim) já havia sido imposto ao homem antes mesmo da Queda:

      "O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar dele e cultivá-lo" (Gênesis 2:15)

      O que ocorreu como punição pelo pecado NÃO FOI O TRABALHO, que já existia, mas sim o sofrimento no trabalho: "...com sofrimento você se alimentará dela todos os dias da sua vida" (Gn 3:15).

      Excluir
    2. Eu penso que a ICAR deveria deixar claro que, como pretensa instituição
      cristã, não compactua com baixarias na sua apologética. Mas me parece que a rivalidade fala mais alto e contra os protestantes vale tudo .

      Excluir
    3. A ICAR faz as duas coisas, ela trabalha nos dois sentidos. De um lado, ela se apoia no ecumenismo moderno, faz cultos ecumênicos, o próprio papa Francisco já visitou igrejas protestantes e até celebrou cultos com os crentes dali, além de se reunir constantemente com pastores evangélicos, tudo para tentar frear a onda de conversões ao protestantismo (porque se ele conseguir convencer os evangélicos de que somos todos "irmãos" e ninguém está errado, não haverá motivos para continuarmos tentando converter os católicos). E no outro extremo, ela também não faz nada para frear esses apologistas raivosos e desequilibrados de internet que tentam converter pessoas ao lado deles; pelo contrário, soltam os cães pra cima da gente, porque pra ela o que importa é continuar sobrevivendo mesmo que às custas de aparelhos, de qualquer forma que seja, seja pelo ecumenismo, seja pelo fanatismo.

      Excluir
    4. O catolixismo é a expressão exata dos dejetos que Satanás escreta.

      Excluir
  21. Que loucura:

    http://br.blastingnews.com/mundo/2016/09/tragedia-pastor-mata-outro-com-2-tiros-na-cabeca-apos-discussao-teologica-001113933.html

    ResponderExcluir
  22. Sugiro um texto para afrontar os romanistas: por eles epistemologicamente serem semelhantes aos esquerdistas, faça um artigo comparando-os. Eles se sentirão afrontados e raivosos, mas é a verdade. Além do mais, os países católico são os mais esquerdistas. Quando a gente debate com um esquerdista vc refuta o argumento A e eles apresentam o B. Vc refuta o B, eles apresentam o C, e assim por diante. E ainda complicam mais: se Não é o A, B, C, é todo alfabeto. Da mesma forma acontece com os romanistas. A teologia da ICAR na verdade comporta-se como uma ideologia. Eles não tem comprometimento com a verdade, por isso acreditam em coisas absurdas, como o que foi revelado neste seu artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma boa ideia, mas acho que até os esquerdistas se sentiriam humilhados ao serem comparados a essa ralé de apologistas católicos...

      Excluir
  23. Lucas, o que você acha da expressão "aceitar a Jesus" feita nos apelos em alguns cultos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É correta:

      "Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus" (Mateus 10:32)

      "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo" (Apocalipse 3:20)

      Excluir
    2. Algumas pessoas acham incorreta. Dizem que é Jesus que nos aceita.

      Excluir
    3. Jesus nos aceita e nós o aceitamos, da mesma forma que o noivo aceita a noiva e a noiva também o aceita.

      Excluir
    4. O Pai é quem envia o pecador para Jesus salvar, quando alguém consegue erguer a mão à Salvação, antes abriu o coração ao toque do Espírito. Na verdade se depender de nós mesmos, jamais seremos salvos.

      Excluir
  24. Lucas a uma semana atrás lendo um site do GOSPEL+ com a notícia do crescimento evangélico que passou de 29% em dezembro de 2016 para 32% este ano,ou seja,em 7 anos cresceu 10%,mas estou achando este dados do DATAFOLHA muito preciptado demais deste instituto que na minha opinião não é muito confiável que no meu entender o instituto mais sério seria o IBGE.O que acha sobre o assunto que é muito comentado pela mídia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Particularmente eu não me importo muito com esses institutos de pesquisa, porque que os evangélicos estão crescendo e os católicos caindo não se precisa de institutos de pesquisa, basta estar vivo para perceber. Mas pelo menos aqui no Paraná me parece que o número do IBGE ainda era muito modesto (aqui parece ter muito mais evangélicos do que os 23% indicados), embora esse número englobe o Brasil como um todo, que tem partes que ainda continuam bastante católicas (norte e nordeste, principalmente). Mas sendo 29%, ou 32%, ou um pouco mais, ou um pouco menos, é irrelevante. O fato que não tem como escapar é que em algumas décadas os evangélicos ultrapassarão os católicos no "país mais católico do mundo", numa verdadeira revolução religiosa. O máximo que eles podem fazer é retardar um pouco esse processo, mas não impedi-lo.

      Excluir
    2. A maldita renovação carismática foi um golpe dos jesuítas para impedir o crescimento do protestantismo no Mundo. Pior que tem crente que aplaude esta fraude como se fora o mover do "Espírito". Todo crente ecumênico é um traidor de Jesus... Não passa dum porco sendo convidado para se espojar no mais imundo dos lamaçais; como o cão que é convidado a voltar ao seu vômito.

      Excluir
    3. Eu acho muito bom que os evangélicos vêm numéricamente crescendo, mas na minha opinião é necessário mais do que isso. É importante que tenham realmente uma tradição evangélica, que estudem a Bíblia e levantem a bandeira do Sola Fide. É comum ver por aí evangélicos que deixam Bíblia aberta no salmo 91 pra espantar espíritos ou que acredita em "relíquias" milagrosas de seus líderes ou pastores. Lucas, vc acha que o neopentecostalismo faz tanto sucesso no Brasil porque os evangélicos acabam não abandonando totalmente a mentalidade católica?

      Excluir
    4. Concordo, inclusive vejo muitas práticas como semelhantes.

      Excluir
  25. Lucas, muitos católicos dizem militar contra o globalismo (que de fato é um problema). Mas aí que tá: os próprios católicos não são globalistas? Se difinirmos globalismo como "toda tentativa de se implementar um governo global", pode-se dizer que o catolicismo também é um projeto globalista por almejar controle religioso, político, confessional e centralizado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está banhado pela razão. Os católicos não são contra o globalismo, mas contra o globalismo DOS OUTROS. O sonho dos fanáticos da apologética católica sempre foi o de voltar à uma sociedade tal como na Idade Média em que a Igreja exercia um controle absoluto em todo o mundo ocidental, e expandir isso para o resto do planeta. Eles só são contra o globalismo porque, da forma que está sendo colocado, este governo mundial não é o deles.

      Excluir
    2. Lucas,

      Ontem tava estudando sobre a igreja e a política e percebi que a teoria política do Conde se parece muito com a de um protestante calvinista de nome Abraham Kuyper (já falecido)! que prega contra um Estado Forte e ao mesmo tempo contra qualquer tipo de revolucionismo! A mesma coisa que o Conde! Será que o Conde é discípulo de Kuyper? um protestante? kkk! Eu não quero mais me lambuzar na merda desse cara e sei que você também não! Mas seria Hilário alguém trabalhar isso!

      Excluir
    3. Em Apocalipse 17.16 temos o momento exato quando a maldita meretriz romana vai ser roubada e queimada no fogo pelos dez reis serviçais do anticristo. A vagabunda das sete colinas imagina que financiando o sistema do anticristo, ela vá reaver o Poder Total que perdeu. Mas Satanás não precisará mais dela como máscara de seus intentos, pois reinará diretamente através de seu médium o anticristo. Inquestionavelmente, e estamos bem perto disso.

      Excluir
    4. O que eles fazem é pregar um tipo de conservadorismo de direita que só floresceu em países protestantes e que NUNCA foi a praxe dos países católicos, e muito menos a doutrina social da Igreja. Ou seja, eles tentam pintar uma ICAR política que nem de longe corresponde à realidade. Se a ICAR tem uma ideologia política em nossos dias, está mais para o esquerdismo do papa Francisco e da CNBB do que para qualquer outra coisa. Eles pegam na cara dura a ética protestante que leva ao capitalismo de direita e jogam na conta deles, e pior ainda, depois associam o próprio protestantismo à esquerda. É coisa de dar nojo. Essa ideia de a Igreja Católica ser um baluarte da direita é devaneio de gente picareta e sem vergonha que PRECISA apelar para o campo político para conquistar conversões, uma vez que pela via teológica eles já foram completamente refutados e desmoralizados. Se conseguem algum êxito até o momento, é só porque falta um nome de peso no meio protestante com mídia que jogue toda a verdade na cara deles (gente como eu não tem essa abrangência apenas escrevendo em blogs). Recomendo este artigo sobre a Igreja Católica contra o capitalismo, que é um bom começo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/04/a-igreja-catolica-contra-o-capitalismo.html

      Excluir
    5. Lucas, vou dizer o que eu percebi. Para tu saber o que ocorre com o catolicismo, assim como a chamada "neo-direita" brasileira , você tem que observar um nome: Olavo de Carvalho.
      O que este senhor fez? Pois bem, foram três fazes:
      1) Cooptar o catolicismo - - pra ser honesto, Olavo não é bem um "católico", na verdade é um ocultista obscurantista (sendo desmascarado até por rad trads como Orlando Fedeli). Porém é importante ressaltar: se Olavo não é católico, tb é verdade que uma legião inteira de católicos caíram na lábia dele. Pra tu ver, a maior parte das supostas "conversões" ao catolicismo nos últimos anos estão ligadas ao "olavetismo cultural".
      2) Aliciamento de outras correntes cristãs - - Sabe quando o apologetismo radical começou a tomar força? A partir dos embates com os neo-ateus que começou em 2006. Olavo orientou a sua trupe de católicos cooptados e fanáticos a debaterem contra os neo-ateus, e com base nisso conseguir afeição de outras correntes cristãs (em especial os evangélicos). Porém, à medida que os neoateus iam perdendo força, os olavetes começaram a pressionar os protestantes a abraçar o catolicismo como "única força capaz de parar o ateísmo e a esquerda", numa manobra clara de se instrumentalizar a política em prol de uma agenda religiosa.
      3) Aliciamento de liberais - - Além de tentar cooptar evangélicos, Olavo também procurou obter o apoio dos liberais. É por isso que ele utilizou uma agenda de direita semelhante à agenda da direita americana: conservadorismo social e liberalismo político e econômico. A "direita" que tínhamos no Brasil, até então, era um misto de nacionalismo-positivista e ultramontanismo (algo próximo ao integralismo). Olavo fez isso no intuito de mascarar o caráter fascista da sua ideologia, cooptando tanto liberais como protestantes.
      Conde Loppeux e outros são apenas discípulos de Olavo de Carvalho, que, querendo ou não, contribuem na sua agenda pérfida.

      Excluir
    6. Concordo, Rob. O problema, como eu disse, é que embora essas teses políticas romanistas sejam horríveis e facilmente refutáveis, apenas refutar não é a solução, porque não adianta nada refutar tudo e apenas um punhado de gente ler. Blogs não tem abrangência, tem um público bem limitado pois a maior parte das pessoas detesta ler textos grandes, por isso assistem vídeos, que apresentam um conteúdo mais leve, então só quem tem canal grande no Youtube ou que aparece na TV é que realmente tem abrangência suficiente para contestar esse tipo de coisa.

      E o problema é a omissão de todos os protestantes com notoriedade, nomes de renome, os quais estão todos mais preocupados em "defender o calvinismo" contra o arminianismo, ou em "bater em neopentecostais", ou em "teologar" coisas inúteis que não mudam a vida de ninguém, ou em se esconder em revistas teológicas que ninguém lê, do que em detonar essa jogada política dos apologistas católicos.

      Aí fica parecendo que eles estão certos, porque só eles que falam, e as pessoas simplesmente não conhecem o outro lado da moeda, não tem o contraponto, e tudo o que não tem o contraponto parece ser a verdade aos olhos de um leigo com pouca instrução e conhecimento. O Vitor Barreto exercia um trabalho fenomenal de destruição sistemática de cada falácia deles, mas não adianta quando se batalha sozinho e através de blogs e redes sociais, é preciso ter mais notoriedade, ser mais conhecido, pois eles são muitos e tem "gurus" bem famosos.

      Excluir
    7. Vou ser sincero contigo, Lucas: eu mesmo não tenho estima por certos calvinistas que, ao que parece, tentam fazer um "olavetismo protestante". Alguns desses fazem jogos semelhantes ao que Olavo faz: tentam aliciar pentecostais para igrejas históricas/calvinistas, muitas vezes usando deboches, intimidações e até mesmo proselitismo pseudo-teológico e político. E também comportamento de proteção de grupo como uma seita assim como os olavetes, pois, como bem disse Julio Severo: porque esses apologetas calvinistas não criticam os adeptos da TMI (que em muitas vezes possuem cargos importantes em suas próprias igrejas) da mesma forma que criticam os neopentecostais? Corporativismo? Defesa de grupo? Hipocrisia? Ignorância? Em suma, Lucas, no próprio meio protestante há problemas internos, envolvendo intrigas fabricadas, mentiras e oportunismo. Isto não é feito apenas por Macedos da vida, mas também por supostos "apologetas", sendo que mo prim caso usa-se pseudos milagres e no segundo pseudo teologia e pseudo intelectualidade.
      Feito esse desabafo, é importante afirmar que Olavo e sua trupe ainda são mais perigosos para os evangélicos. Primeiro por estarem em maior número e terem mais meios. Segundo por já terem algo muito importante: INFLUENCIA POLÍTICA. Acho que você já sabe: o olavismo já conta com políticos, parlamentares e até um candidato à presidência da República. Estes, tendo intenção ou não , contribuem para agenda ultracatolica somada ao ocultismo obscurantista de Olavo.

      Excluir
    8. Eu não sei se devo me preocupar com o olavismo...mas pra mim, não é nenhuma surpresa o que está acontecendo. Católicos estão sendo católicos, só isso. Utilizam política para se autopromover e lá na frente quebram a cara, como sempre. Não tem como essa "direita" que defende a antiga monarquia absolutista, cruzadas e militarização dar certo.

      O Bolsonaro, por exemplo, começou a fazer sucesso quando ainda era a favor da privatização da Petrobrás, já recentemente deu uma entrevista falando ser necessário pensar DUZENTAS vezes antes de privatizar, porque ela não está dando lucro e não podemos vender a preço de banana. Não duvido nada que quando começar a dar lucro - sendo muito otimista aqui, levando em consideração a situação atual do Brasil - a neo-direita não vai começar a defender sua estatização, assim como defende a estatização do nióbio...pra mim se uma empresa estatal não está dando lucro, deve ser privatizada. Mas ok, essa é minha opinião pessoal. A neo-direita brasileira não quer liberdade, quer um Estado forte, católico, que lidere o movimento conservador no mundo, deixando os Estados Unidos "no chinelo" - HAHA

      O Rafael do ideias radicais tem um vídeo, do qual não me lembro o nome, onde explica que o governo brasileiro é como um pêndulo: Vai para a esquerda, depois pra direita, aí as pessoas se frustram, voltam pra esquerda...agora vai voltar pra direita...vai dar errado, e as pessoas vão voltar pra esquerda. Esses anos que o PT esteve no governo, a direita praticamente "sumiu"; eu sou bem nova, mas pelo menos essa é minha impressão, até porque a maioria dos olavetes era esquerdista há uns anos atrás e nem sabia que existia direita, que existia gente pra defender o "capitalismo malvadão". Sou bem pessimista em relação ao Brasil. E os romeiros estão fazendo o que sabem fazer de melhor: destruir a Igreja Romana através de suas intromissões na política.

      Excluir
    9. Na verdade se trata de um projeto para fazer a Igreja Romana voltar a ter força política no mundo como tinha antes; claro que é um projeto que já nasce fracassado pois dificilmente chegaríamos ao ponto de oficializar de novo o catolicismo como a religião do Estado ou começar a perseguir os não-católicos como na Inquisição, mas é isso o que eles querem, e para isso precisam convencer o máximo de gente possível a se tornar católico e a aderir a essas pautas escandalosamente hilárias como a da "volta da monarquia" ou da "intervenção militar" ou da "desobediência civil" para se colocar "ordem" na casa (leia-se: entregar o poder aos fanáticos católicos para instituir suas leis e suas regras). Esse projeto vai dar certo? Não, porque mesmo sendo um país bastante atrasado ainda não temos tanta gente burra assim a ponto de fazer voltar a monarquia ou acabar com a laicidade do Estado, mas enquanto eles não conseguem chegar a essa idealização utópica deles, eles vão conseguindo algumas conversões aqui ou ali para a causa, o que já é profundamente perturbador e nocivo.

      Excluir
    10. Lucas, se os protestantes acabarem com as picuinhas internas e abraçarem de vez a luta política (mantendo como bandeira a defesa da liberdade, do estado laico, da limitação do estado e entre outros) o catolicismo nacional vai implodir tão rápido quanto um castelo de areia. Como sei disso? É só analisar o que sustenta a "intelectualidade" católica no Brasil: antes foi aquele pessoal da TFP, passando pela Associação Monfort, chegando agora no olavetismo. Sério mesmo, a ICAR está dependendo de um palhaço astrólogo para se manter (e mesmo que ele se julgue maior do que o papa) kkkkkkk. É por isso. Hoje a intelectualidade católica está dependente de grupelhos de "restauração", o que é uma piada para uma instituição tão antiga e tão poderosa. É só alguém ter coragem de desmascarar esses sujeitos que a igreja romana acaba.

      Excluir
    11. Penso exatamente assim. Tem muitos evangélicos apologistas que vivem em uma ilha isolada de conto de fadas, repleto de duendes e gnomos, e nessa ilha encantada que eles criaram o catolicismo romano já não é mais um problema no nosso país, já está tudo controlado, tudo resolvido, a nação inteira é evangélica, e agora o nosso principal objetivo deve ser "detonar os adventistas", "acabar com as testemunhas de Jeová", "desmascarar os mórmons", "humilhar os neopentecostais" e, é claro, o mais importante, provar o calvinismo com unhas e dentes dia e noite sem cessar. E porque vivem num conto de fadas, estão deixando o catolicismo ganhar espaço, ao menos em termos políticos, e que algumas pessoas lúcidas do nosso lado migrassem ao lado de lá.

      Voltemos à realidade: o catolicismo é a religião ainda predominante em nosso país, ainda é maioria da população, ainda somos o país mais católico do mundo em números absolutos, ainda é a religião mais nociva e perigosa em nosso meio, e, como se não bastasse, é em disparado a que mais ataca os protestantes, a que mais milita contra a fé, a que tem a apologética mais agressiva e raivosa, e, é claro, a que tem um projeto político para esse país que se levado adiante redundará em caos e trevas. Mas você apontou o problema direitinho: ninguém está nem aí. Acham que a ICAR já está "morta", que é "café com leite" e que não precisa se preocupar com ela. E em uma guerra, quem subestima o oponente sempre perde. Se ainda continuamos a crescer mesmo com esse desleixo total em relação à defesa da nossa fé, imagine se nos uníssemos e fizéssemos alguma coisa. O catolicismo não sobreviveria nem mais uma década. É uma religião patética e fadada ao fracasso, mas que sobrevive e sobrevive bem da desorganização e falta de estratégia de seus adversários.

      Excluir
    12. Exato. E vou mais além, Lucas. Só haverá uma direita autêntica no Brasil (ou centro-direita, como queira) se houver uma aliança tácita entre os liberais (da linha do MBL) e os evangélicos. Se a direita brasileira continuar nas mãos de um Olavo de Carvalho da vila, vai continuar a ser o que é hoje: um conjunto de tolos fanáticos que não conseguem nenhum resultado a não ser serem motivos de piada.

      Excluir
    13. Concordo. Cabe lembrar que o próprio Olavo soltou os cachorros pra cima do MBL, e muitos dos olavetes detestam essa "direita liberal", talvez porque o pessoal do MBL não tenha o Olavo como guru nem lhe preste tanta honra como o mesmo pensa que lhe é devida.

      Excluir
  26. Banzoli, meu camarada. Tudo bem? Como você interpreta a parábola das dez virgens? Jesus está se referindo a Israel? E por que diz que dez virgens foram esperar o esposo? Isso é poligamia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é quando se passa a interpretar as parábolas literalmente, que é algo que eu explico e refuto bastante nos meus artigos sobre a parábola do rico e Lázaro. Se for tomar as parábolas ao pé da letra vamos avacalhar toda a teologia por completo, justificando até a escravidão (sim, pois Jesus contou parábolas onde havia escravidão), além da poligamia que você ressaltou nessa parábola. As parábolas NÃO serviam para expor doutrinas em si mesmas (ou seja, por seus meios parabólicos), elas serviam APENAS para expor uma lição moral que é a conclusão que se tira delas, exceto nas ocasiões em que o próprio Cristo explica que cada elemento tem um significado espiritual (e mesmo assim não é algo literal, pois o significado por detrás é diferente do que é transmitido literalmente na parábola).

      No caso da parábola das dez virgens não estamos lidando com uma parábola em que cada elemento tem um significado oculto, mas sim com uma parábola contada para ilustrar algo que Jesus queria transmitir como lição moral. Ou seja, ignore os "pormenores", o cenário em si não é relevante. A lição moral é o seguinte: não "relaxe" na fé, não "durma" no ponto, não trate a vida com Deus como se fosse algo secundário ou não importante, porque se isso acontecer você será reprovado por Cristo quando Ele voltar. E seja prudente, coloque o Reino de Deus e a Sua justiça em primeiro lugar, viva para Cristo que você será recompensado na Sua volta. É essa a lição moral que Jesus quis transmitir através dessa estória, que era uma forma de ilustrar essa verdade de uma maneira mais "prática", contando histórias.

      Lastimavelmente os teólogos gostam de estragar tudo e encontrar chifre em cabeça de vaca, daí ficam discutindo os pormenores da parábola, tentando achar significado em tudo, fazendo especulações baratas e sem sentido, e tirando conclusões que não tem absolutamente nada a ver com o propósito da parábola em si, desvirtuando completamente o propósito da mesma. Fazem isso com tantas parábolas que eu já perdi as contas...

      Excluir
    2. Entendi. Valeu!

      Excluir
  27. Lucas, por que Deus condená pessoas ao inferno? Ele poderia apenas castigar as pessoas por seus pecados apenas aqui na Terra e depois fazer a pessoa desaparecer. Não é crueldade Ele escolher punir justamente no inferno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem como castigar todo mundo aqui na terra nesta vida sem violar o livre-arbítrio das pessoas. Não existe algo como um "carma instantâneo", por isso existe um tempo no futuro pós-ressurreição em que Deus acertará as contas com cada um. E eu também não sei por que seria tão diferente se Deus punisse as pessoas aqui ou no inferno, porque biblicamente falando, o "inferno" (no grego, geena) é um lugar aqui na terra, que os israelitas chamavam de "Vale de Hinom". O problema é que a Igreja medieval distorceu pateticamente o sentido de "inferno" e o transformou em um lugar subterrâneo ou em outra dimensão como uma "câmara de torturas" com demônios enfiando seus tridentes nos pecadores impenitentes enquanto agonizam da pior maneira possível, e para todo o sempre. Ou seja, ela transformou o geena bíblico no "inferno" que conhecemos hoje, e que desgraçadamente está enraizado na mentalidade da maioria dos evangélicos também, que herdaram essa teologia romana.

      Excluir
    2. "biblicamente falando, o "inferno" (no grego, geena) é um lugar aqui na terra, que os israelitas chamavam de "Vale de Hinom" "

      Não tô entendendo. O inferno vai ser aqui na Terra? E os demônios? Vão ser atormentados aqui na Terra também?

      Excluir
    3. Que coisa estranha! Um inferno de fogo aqui na Terra? E onde que fica isso? Mas os demônios não são seres imateriais? Cara, me explique melhor isso. Acho que você tá "viajando". Nunca ouvi falar tal coisa. É em um vulcão?

      Excluir
    4. É bastante estranho mesmo quando somos doutrinados a vida inteira em um engano. Comigo não foi diferente no início. Até hoje tem gente que pensa ser uma "viagem" dizer que a Bíblia não fala nada sobre "três reis magos", nem que Dalila cortou os cabelos de Sansão, nem que cinco virgens dormiram na parábola, nem que Jesus foi crucificado só com dois ladrões, nem que Jesus bateu nos vendilhões do templo, nem que a razão pela qual Moisés não entrou na terra prometida foi por ter batido na rocha, nem que Jesus virá como um ladrão para os crentes, nem que Paulo caiu de um cavalo na estrada de Damasco, e muito menos que Maria Madalena era prostituta. Mas vai entrar numa igreja e dizer que essas coisas são facilmente refutáveis pela Bíblia: vão te expulsar, dizer que está "boiando", que é "coisa estranha", quizás até repreender demônio...

      Sobre a questão do inferno, para entender isso não é preciso fazer mais do que duas coisas perfeitamente simples: primeiro, estudar o que era o geena. Vou passar aqui o que diz a Concordância de Strong, que por sinal é imortalista:

      1067 γεεννα geenna
      de origem hebraica 1516 and 2011; TDNT - 1:657,113; n f
      1) “Geena” ou “Geena de fogo” traduz-se como inferno, isto é, o lugar da punição futura.
      Designava, originalmente, o vale do Hinom, ao sul de Jerusalém, onde o lixo e os
      animais mortos da cidade eram jogados e queimados.

      Vemos que o geena era um lugar na terra. Agora resta-nos ver se no futuro pós-ressurreição Deus mudará isso totalmente, ou se permanecerá sendo na terra. Vamos então ao capítulo que fala sobre o que acontecerá depois da ressurreição: Apocalipse 20.

      "...O restante dos mortos não voltou a viver até se completarem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição. Felizes e santos os que participam da primeira ressurreição! A segunda morte não tem poder sobre eles; serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele durante mil anos. Quando terminarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão e sairá para enganar as nações que estão nos quatro cantos DA TERRA, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a batalha. Seu número é como a areia do mar" (Apocalipse 20:5-8)

      Opa! O texto não diz que Satanás irá enganar as nações que estão "em uma outra dimensão espiritual", mas NA TERRA. E já estamos depois da segunda ressurreição, já depois de findado o milênio. Mesmo assim, os ímpios não ressuscitam e vão para o inferno ou algum lugar espiritual, mas PARA A TERRA. A ressurreição é para a terra.

      O texto segue dizendo:

      "As nações marcharam por toda a SUPERFÍCIE DA TERRA e cercaram o acampamento dos santos, a cidade amada; mas um fogo desceu do céu e as devorou" (Apocalipse 20:9)

      O texto não diz que as nações de ímpios foram teletransportadas para uma outra dimensão para ali queimarem com o fogo que cai do céu, mas sim que elas marcharam por toda a SUPERFÍCIE DA TERRA, até que caiu fogo do céu sobre elas. Não está falando de outra dimensão coisíssima nenhuma. A punição é na terra. O verso 10 segue falando do destino do diabo, que é o logo de fogo, que representa a segunda morte. Também nada diz que esse lago de fogo ser um lugar literal em alguma outra dimensão espiritual. Todo o relato se passa na terra e somente na terra. Ver alguma outra dimensão aqui é violar o texto bíblico e impor seu conceito pessoal em cima dele, ou seja, praticar eisegese, o que é muito feio.

      Excluir
    5. Sobre os demônios serem seres espirituais e por isso a punição não poder ser na terra, eu não sei o que uma coisa tem a ver com a outra. Por essa lógica, o demônio também não poderia sofrer com fogo em lugar nenhum, pois o fogo é algo físico e os demônios são seres espirituais. Se a resposta a isso for que Deus por ser todo-poderoso dará um jeito de fazer os demônios sofrerem mesmo assim, então Ele justamente por ser todo-poderoso poderia fazer isso de qualquer jeito, seja na terra ou em outra dimensão.

      A questão aqui é: EM QUE PARTE DA BÍBLIA DIZ QUE O INFERNO FICA EM OUTRA DIMENSÃO? Já li o Novo Testamento mais de 80 vezes e lastimavelmente nunca encontrei essa tal passagem...

      Excluir
    6. Existem três elementos que comprovam ser o lago de fogo (não o Inferno) situado no centro da Terra. 1) a ciência que diz que a Terra tem no seu centro matéria líquida ou derretida. 2) O ocultismo que enseja a existência do VITRIOL. A Bíblia que ensina que o Inferno fica em baixo da Terra. E certamente mais abaixo (no centro) estará o lago de fogo que irá receber o próprio Inferno junto com os ímpios. Enfim, quem nega a existência do Inferno e do lago de fogo, estará contradizendo esses três elementos. Portanto, estará simplesmente negando a Bíblia, a ciência dos homens, e o conhecimento oculto, esta tal, verdadeiramente será um boçal.

      Excluir
    7. Mas essa passagem que você mostrou não tá se referindo aos ímpios da grande tribulação? E como você descobriu essa doutrina do "inferno terrestre"? Sozinho?

      Excluir
    8. Que grande tribulação, se é depois do milênio? o.O

      Excluir
    9. Eu sei, cara. O que eu tô em dúvida é se esses ímpios não são os mesmos da Tribulação. Não perguntei se era durante a tribulação. Por isso eu falei ímpios DA grande Tribulação, e não ímpios NA grande Tribulação. O que significa esse o.O?

      Excluir
    10. Só existem duas ressurreições, uma para os justos no início do milênio, e outra para os ímpios no final dele. Claro que isso engloba os ímpios da tribulação, mas não se limita a eles.

      o.O é um smile que não pode ser expressado em palavras...

      Excluir
    11. Quer dizer então que todos os ímpios, de todas as eras vão ressuscitar e ficar aqui em cima da Terra? Caramba!

      Não entendi o porque desse smile.

      Excluir
    12. Eu não sei por que a surpresa. Achas que que a Terra é pequena para comportar tanta gente? Então vamos lá:

      11 – O Central Park de Nova York, que conta com 3,41 quilômetros quadrados, poderia acomodar facilmente toda a população da Austrália, Marrocos, Peru, Venezuela, Arábia Saudita, Nepal, Síria, Moçambique ou Malásia. Aliás, toda a população mundial da Terra em 5 mil a.C. ocuparia apenas um pouco mais da metade da área do parque;

      12 – Martha's Vineyard, uma ilha de 230 quilômetros quadrados localizada na costa dos EUA, seria suficiente para acomodar a população da América do Norte e do Sul inteira — e ainda sobraria espaço para abrigar todos os habitantes da África;

      13 – A ilha também teria espaço de sobra para abrigar todos os cristãos do planeta, enquanto todas as mulheres do mundo caberiam na Faixa de Gaza, que conta com 360 quilômetros quadrados;

      14 – A população mundial inteira caberia em um quadrado de 27 km x 27 km, e levaríamos cerca de 22 horas para dar uma volta completa ao redor dele à pé;

      15 – Isso significa que os 7,3 bilhões de habitantes do planeta caberiam em Bahrain, localizado no Golfo Pérsico;

      Fonte: https://www.megacurioso.com.br/numeros-malucos/69792-18-formas-palpaveis-de-imaginar-o-que-7-3-bilhoes-de-pessoas-representam.htm

      Lembrando que essa multidão de ímpios que ressuscitam não vão ficar "morando" na terra, fazendo casas, fazendas, cidades e etc (o que demandaria mais espaço realmente), mas segundo o texto bíblico vão apenas e tão-somente MARCHAR SOBRE A SUPERFÍCIE DA TERRA. E se você encontrou outra ressurreição para os que "não são da grande tribulação" fora de Apocalipse 20, então tenho grande interesse em ver esse tal texto.

      Excluir
  28. Lucas sabe mais ou menos quando vai ter outro HANGOUT?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos tentando ver se dá pra ser neste domingo, e se não der certo no próximo.

      Excluir
    2. Qual vai ser o tema?

      Excluir
    3. Sobre o papado, o magistério e os concílios da Igreja.

      Excluir
  29. A imunda hóstia católica, após manducada, vai diretamente para o mais imundo dos estômagos: o estômago católico, mais geralmente carregado de cachaça, cerveja, nicotina etc. etc. Após tal hóstia e esses elementos são processados para ser finalmente transformados nos intestinos em bolo fecal. Dai, segue rumo as latrinas, onde o "deus católico", tão adorado na Missa, também é evacuado. Enfim, se acontece um milagre na pseudo transubstanciação, seja, a hóstia imunda vira um deus para os católicos, no intestino católico, o milagre é bem maior. Seja, o deus católico se transubstancia reverso, desta vez de fato: se transformando em fezes. E bota milagre nisso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ja imaginou rapaz, que sujeira medonha no estômago de um catolico daqueles de suburbio?

      Cachaça, cerveja, conhaque, restos de nicotina, frango assado de encruzilhada...

      Eles mandam pra dentro o corpo de Cristo!

      Depois reclamam que os protestantes falam demais

      Excluir
  30. Lucas o que achas do vídeo evangélico intitulado vai na bíblia, que já conta com quase 295 mil visualizações?

    ResponderExcluir
  31. Cristão Protestante15 de novembro de 2017 20:45

    Lucas pelo conhecimento sobre a história protestante,me tire uma dúvida é verdade que antes da REFORMA PROTESTANTE ser consolidada em países de maioria evangélica como Dinamarca,Inglaterra,Suécia,Noruega,Escócia,Finlândia,País de Gales já eram bem desenvolvidas antes,digo isto por que o Prof.Felipe Aquino disse que o desenvolvimento desses países protestante é fruto antes de surgir o PROTESTANTISMO do catolicismo.Isso procede Lucas?O que tem de verdade?Outra pergunta sobre a ALFABETIZAÇÃO nos países de maioria evangélica só veio no final do século XVIII?por que os líderes católicos falam que os primeiros países a serem alfabetizados foram primeiro os católicos como por exemplo Itália,Portugal,Espanha e França,isso também procede Lucas explique melhor sobre esses países citados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo mentira. Esses países protestantes eram bastante pobres antes da Reforma, e os países protestantes foram os primeiros a se alfabetizar.

      Excluir
    2. Um "professor" que nunca leu nem o catecismo da Igreja que defende não merece a minha atenção. Não aceita a Bíblia como palavra de Deus, sinal que nunca leu nem seus artigos de fé, quem dirá livros de História.

      Excluir
    3. Mas ele é professor sim... de Física :D (ele mesmo disse). Acho que seria pretensão demais exigir alguma compreensão teológica ou histórica da parte dele.

      Excluir
  32. www.youtube.com/vainabiblia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, é um canal, pensei que falavas de um vídeo. Eu não conhecia esse canal ainda, nunca tinha visto, então não posso opinar sobre o que não conheço, mas agora que você me passou o link eu vi um vídeo deles e achei muito bom, muito bem feito, merece esses muitos inscritos que tem, me inscrevi também.

      Excluir
  33. Lucas eu estava vendo seu comentário sobre apocalipse e notei que você tem uma leve tendência ao historicismo como método interpretativo escatologico. NoteI também que você está para dispencacionalismo progressivo ( Estilo Douglas moo) estou correto ? Achei está interpretação bem coerente ( aquela sua sacada do sistema do anticristo como sendo o Socialismo foi genial !) Eu estaria correto se dissesse que Historicismo + Dispenssacionalismo progressivo = " Banzolismo"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com o que você falou, mas não acho que eu seja tão "historicista" assim, porque quando se fala em historicismo se costuma pensar naquelas pessoas que interpretam que a igreja da Filadélfia é de tal a tal ano, a de Pérgamo de tal a tal ano, a de Laodiceia a do tempo do fim, e assim por diante, fazendo isso também com todo o restante do livro (eu não compactuo com tal crença). Na minha visão o Apocalipse tem momentos "historicistas" sim, mas em sua maior parte se detém a narrar os eventos da tribulação, ou seja, os sete anos "dispensacionalistas". Abs!

      Excluir
    2. EI lucas você tem mais artigos sobre escatologia ? Você ainda tem aquele blog sobre escatologia (não estou conseguindo acessar )

      Excluir
    3. Aquele blog eu decidi deletar e atualmente o uso como blog de testes, por isso ele está em privado para outros leitores. A razão pela qual fiz isso é pela inutilidade dele, pois notei que todos os artigos de escatologia que tinham nele já tinham aqui ou em outros blogs, os quais eram todos bem mais acessados que ele, então não havia lógica em permanecer com ele. Mas se você quiser ler os artigos de escatologia é só escolher por essa lista temática que organizei aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2015/07/artigos-sobre-escatologia.html

      Excluir
  34. A paz de Cristo irmão Lucas,olha! seu belíssimo trabalho dispensa comentários, mas com certeza o profundo conhecimento das escrituras que você demonstra é ação do espirito santo em sua vida, que Deus te abençoe abundantemente.Lucas esse seu trabalho é de extrema importância para quebrar as cadeias que os "pobres católicos" vivem, infelizmente a maioria nem se quer pega na bíblia, e outros pegam e são deturpados pelos padres com seus "contos do vigário".
    Prezado Lucas, esse seu belo trabalho também impactou em minha vida, pois hoje tenho me esforço muito mais para me aprofundar nos texto sagrados e tenho você como referencia.
    Um grande abraço e que o nosso Deus te cubra de bençãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Fernando, é sempre muito bom saber que o nosso trabalho não é em vão, graças a pessoas como você que são edificadas com esses meus simples artigos. Deus lhe abençoe!

      Excluir
    2. Gabriel Lima Santos16 de novembro de 2017 13:33

      Lucas eu tenho 2 meses de convertido já que passei 14 anos no catolicismo.Queria que você me tirasse uma dúvida sobre a passagem de Lucas 18.18-23 que fala do jovem rico,o que Deus quis dizer vende tudo o que tens e siga-me...isso não é uma demonstração clara que a salvação não é somente pela fé ,mas acompanhada das obras?Deus te abençoe!

      Excluir
    3. Primeiro, isso foi dito especificamente ao jovem rico, não a todos (se fosse a todos, nenhum cristão poderia ter posse nenhuma). Segundo, isso foi dito antes de Jesus ter morrido pelos nossos pecados e ressuscitado para a nossa justificação, que é no que consiste a Sola Fide. Terceiro, de fato a fé é acompanhada pelas obras, mas as obras são uma consequência da fé verdadeira, e não a causa da salvação. E por fim, aquele jovem era profundamente apegado às riquezas, e quando somos apegados a um pecado precisamos nos arrepender desse pecado e nos livrar dele, que é o que a Bíblia chama de "arrependimento", que é a "mudança de mente". No caso daquele jovem, o pecado que ele estava apegado era o da avareza, por isso Jesus pediu algo tão radical, mas ao rejeitar o arrependimento ele mostrou que colocava as riquezas acima de Cristo, e ninguém que faz isso tem uma fé verdadeira em Jesus. Quem tem uma fé genuína em Cristo sabe que nada é tão importante como Ele, é como o cara da parábola que vendeu tudo o que tem para comprar aquele campo, mas não era assim que o jovem rico pensava.

      Excluir
    4. Gabriel, você debatia na internet como católico?

      Excluir
  35. Gabriel Lima Santos16 de novembro de 2017 14:41

    anônimo, já por que a pergunta?

    ResponderExcluir
  36. Pertenci a uma sociedade secreta, e como todas as outras, esta também serve a Satanás. Mas duma coisa estou certo: nenhuma seita ou organização satanista, serve mais ao Diabo que a "igreja" romana. E sem essa de aventar exceções que possibilite algum católico de não odiar a Bíblia. Enfim, só os crentes em Jesus amam a Palavra de Deus, nem os judeus obedecem a Torah. Todos exceto os crentes amam a Bíblia de capa a capa. O resto, sem dúvida a odeia. Inquestionavelmente. Enfim, podemos sim! Generalizando dizer: Todos, principalmente os católicos, são instrumentos de Satanás, inimigos figadais das Escrituras e dos crentes. TODOS!

    ResponderExcluir
  37. Eete é outro assunto que demonstra argumento engraçado, para o refutar é tão fácil, atitulo exemplo: CIC O MAGISTÉRIO DA IGREJA

    85. «O encargo de interpretar autenticamente a Palavra de Deus, escrita ou contida na Tradição, foi confiado só ao Magistério vivo da Igreja, cuja autoridade é exercida em nome de Jesus Cristo (51), isto é, aos bispos em comunhão com o sucessor de Pedro, o bispo de Roma.

    86. «Todavia, este Magistério não está acima da Palavra de Deus, mas sim ao seu serviço, ensinando apenas o que foi transmitido, enquanto, por mandato divino e com a assistência do Espírito Santo, a ouve piamente, a guarda religiosamente e a expõe fielmente, haurindo deste depósito único da fé tudo quanto propõe à fé como divinamente revelado.

    Qual é pois a Palavra de Deus escrita que o CIC esta a falar, será o Alcorão? O Magistério esta a cargo de interpretar corretamente Cristo? Kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, isso mostra que os apologistas católicos que negam ser a Bíblia a Palavra de Deus não tem o costume nem sequer de ler os documentos da própria Igreja que dizem defender...

      Excluir
  38. Para piorar este argumento dos Apologistas Católicos, o Magistério da Igreja deles apresenta Três representações da Palavra de de Deus que são: Viva referindo-se a Cristo, Escrita refeindo-se a Escrituras e a Oral referindo-se a Tradição, em suma para o magistério a palavra de Deus é : Viva, Escrita e Oral, pese embora nós protestantes aceitamos a Viva ( Logos=Cristos) e Escrita ( Rhema=Escrituras). Depois dizem que não se contradizem , e que seguem o Magistério.

    ResponderExcluir
  39. CIC

    II. Inspiração e verdade da Sagrada Escritura

    105. Deus é o autor da Sagrada Escritura. «A verdade divinamente revelada, que os livros da Sagrada Escritura contêm e apresentam, foi registrada neles sob a inspiração do Espírito Santo».

    «Com efeito, a santa Mãe Igreja, segundo a fé apostólica, considera como sagrados e canónicos os livros completos do Antigo e do Novo Testamento com todas as suas partes, porque, escritos por inspiração do Espírito Santo, têm Deus por autor, e como tais foram confiados à própria Igreja» (75).

    106. Deus inspirou os autores humanos dos livros sagrados. «Para escrever os livros sagrados, Deus escolheu e serviu-se de homens, na posse das suas faculdades e capacidades, para que, agindo Ele neles e por eles, pusessem por escrito, como verdadeiros autores, tudo aquilo e só aquilo que Ele queria» (76).

    107. Os livros inspirados ensinam a verdade. «E assim como tudo o que os autores inspirados ou hagiógrafos afirmam, deve ser tido como afirmado pelo Espírito Santo, por isso mesmo se deve acreditar que os livros da Escritura ensinam com certeza, fielmente e sem erro, a verdade que Deus quis que fosse consignada nas sagradas Letras em ordem à nossa salvação»

    ResponderExcluir
  40. Breve analise sobre CIC
    108. No entanto, a fé cristã não é uma «religião do Livro». O Cristianismo é a religião da «Palavra» de Deus, «não duma palavra escrita e muda, mas do Verbo encarnado e vivo» (78). Para que não sejam letra morta, é preciso que Cristo, Palavra eterna do Deus vivo, pelo Espírito Santo, nos abra o espírito à inteligência das Escrituras (79).

    1) Sim o Cristianismo não é a religião de um livro ,mas de um homem que deixou toda a Instrução para os seus seguidore , e estes por inspiração a escreveram, para nós Protestante se a biblia não fosse inscrita por inspiração seria apenas um livro, ademais nenhum Protestante crê que o Cristiabismo surgiu do resultado da leitura da escritura, mas que deve permanecer segundo a instrução que Deus deixou e os discipulos a escreveram, o Protestante Crê na escrituras e na epistemologia ( pessoas e acção do Espirito Santo)

    ResponderExcluir
  41. 2 ) A palavra de Deus não é morta e nunca foi, a Palavra de Deus ( escrituras), não é viva porque alguém diz que é viva, ela é Viva porque é a palavra de Deus, lida , interpretada ou não ela é Viva , como a própria escrituras dizem , ela dá este testemunho dela mesmo : Hebreus 4,10-14
    [10]E quem entrar nesse repouso descansará das suas obras, assim como descansou Deus das suas.
    [11]Assim, apressemo-nos a entrar neste descanso para não cairmos por nossa vez na mesma incredulidade.
    [12]Porque a palavra de Deus é viva, eficaz, mais penetrante do que uma espada de dois gumes e atinge até a divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração.
    [13]Nenhuma criatura lhe é invisível. Tudo é nu e descoberto aos olhos daquele a quem havemos de prestar contas.
    [14]Temos, portanto, um grande Sumo Sacerdote que penetrou nos céus, Jesus, Filho de Deus. Conservemos firme a nossa fé. Pelo Contexto vemos que a Escrituras é palavra de Deus também Viva . Este texto citando palavra Viva não se refere a Cristo, pois o texto posterior a presenta Cristo como Sumo Sacerdote, logo a escritura é viva e eficaz. Por si só, assim como Paulo também diz do Evangelho que é o poder de Deus Para todos os que crêem , e isto não depende da analogia que homens dão, um coisa é atribuir Valor a um bem ,e outra é reconhecer o valor que ele têm, o Protestante reconhecem o valor da escrituras, já Católicos tendem a atribuir este valor a ela, a Escrituras (Palavra de Deus) , não precisa da mensuração dos homens , ela si é poder.

    ResponderExcluir
  42. Sei que dizendo isto tentam imputar ao Protestantes, só que eles erram , neste caso o protestanismo não seria religião de um Livro ,mas de 66 livros , pois a biblia é uma biblioteca movel dr 66 livros Sagrados , nem o Protestenismo é religião de um livro.

    ResponderExcluir
  43. Gabriel Lima Santos17 de novembro de 2017 19:17

    anônimo sempre usei o mesmo nome.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente abaixo. Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente, mas ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos.