11 de agosto de 2017

Padre reconhece as atrocidades da Inquisição e pede perdão


Em um mundo repleto de intolerantes, monstros morais, neonazistas negadores do Holocausto e defensores da Inquisição, ainda há vozes sensatas e honestas mesmo na Igreja Romana, que repugnam o revisionismo embusteiro e virulento pró-Inquisição e reconhecem abertamente suas perversidades, mazelas e aberrações cometidas especialmente contra o povo judeu. O vídeo abaixo é do padre Peter Hocken, que ao invés de pedir um “perdão” rápido e vago ou de dizer apenas que houve “erros” ou “excessos” genéricos cometidos pela Inquisição, faz questão de descrever a profundidade do que a Inquisição significou, com todos os seus horrores e atrocidades morais que qualquer pessoa com um pouco de estudo e honestidade é capaz de reconhecer, mesmo em se tratando de um padre. O vídeo é imperdível:

5 de agosto de 2017

27 de julho de 2017

Resumo cronológico do Apocalipse


Embora eu já tenha escrito muitos artigos de escatologia, muitas pessoas já me escreveram pedindo uma ordem cronológica dos eventos, porque em meio a tantos textos e argumentações é normal que se fique confuso a respeito da ordem das coisas. Por isso decidi fazer um Power Point sem nenhuma intenção de “provar” algo, mas apenas de expor resumidamente aquelas coisas que já foram provadas nos outros artigos. Para baixar o arquivo, clique aqui.

6 de julho de 2017

"O Catequista" enaltece comunista, glorifica assassina e dissemina fantasia


“O Catequista” é um blog de apologética católica que eu não costumo mencionar aqui, porque literalmente está mais para um blog de “humor católico” com considerações rasas e superficiais que não chegam nem a ser argumentos do que propriamente para um “site de apologética”, e eu não duvido que até eles mesmos se considerem assim. Mesmo assim, é bom mostrarmos o nível que esses apologistas conseguiram chegar no grau máximo e supremo da distorção histórica, arte na qual eles são profissionais (além do humor, é claro).

30 de junho de 2017

Por que a apologética católica no Brasil é a expressão da mediocridade


Essa semana fui surpreendido com um expert católico comentando aqui. Nem sempre aparece teólogos romanos tão qualificados, mas quando surge um desses é uma grande honra e eu não poderia deixar de responder a este profissional de alto calibre. Trata-se do “Nivaldos Lulas”, isso mesmo, NIVALDOS, no plural mesmo. O sujeito é tão mito que leva um nome coletivo (ou talvez seja só um fã do Lula mesmo, ou melhor, do “Lulas”...). Eu confesso que fiquei sem refutação diante de palavras tão sábias e até cheguei a cogitar me converter à Babilônia Igreja Católica, por isso gostaria da ajuda de vocês para entender o que ele quis dizer conseguir refutar esse profissional:

28 de junho de 2017

O dia em que o papa se aliou aos muçulmanos para combater um rei católico fanático

(Fonte: BLEYE, Pedro Aguado. Manual de Historia de España, Tomo II: Reyes católicos – Casa de Austria (1474 – 1700). 7ª ed. Madrid: ESPASA-CALPE, S. A., 1954)

Se você for um romanista moderno, talvez pense que o papado sempre foi aquela instituição espiritual, santa e piedosa, que não se envolvia em assuntos terrenos senão no que dizia respeito ao Reino dos céus; afinal de contas, o papa diz ser o representante máximo daquele que disse que seu Reino não era deste mundo (Jo 18:36). Por outro lado, se você for um romanista tradicionalista (ou tridentino), já terá descartado essa balela de “Reino dos céus” e aceitado que o papa também tinha amplos poderes temporais e que podia mobilizar exércitos para seus próprios fins; todavia, estará propenso a aceitar que estes fins são apenas os mais nobres para o bem da religião (a sua, é claro), como por exemplo nas Cruzadas.

23 de junho de 2017

O terceiro João é a chave para se entender o quarto evangelho


Muito se fala no terceiro Tiago, já comprovado biblicamente aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e em mais uns duzentos artigos até hoje irrefutáveis. Mas pouco se fala em um outro personagem quase tão importante quanto: o terceiro João. Todos conhecem os dois Joãos mais famosos, o filho de Zebedeu (a quem é falsamente atribuída a autoria do quarto evangelho) e o João Batista. Mas poucos sabem que existiu ainda um terceiro João, o presbítero. E não, essa não é uma tese nova ou recente: remete desde ao primeiro século, quando Papias (70-163) claramente fala em dois Joãos diferentes entre os cristãos (sem se referir a João Batista como sendo um deles, porque o mesmo já havia morrido muito antes). Os fragmentos de Papias foram preservados por Eusébio de Cesareia (263-339) em sua História Eclesiástica e podem ser conferidos integralmente aqui.

15 de junho de 2017

10 de junho de 2017

Refutando objeções ao terceiro Tiago (Parte Final)


Este artigo é uma continuação e conclusão dos outros dois artigos abordando o fato de João não ser o autor do quarto evangelho e de Tiago ser o discípulo amado. Caso você tenha caído de paraquedas e não tenha acompanhado nada dessa discussão, é indispensável a leitura dos dois artigos para compreender este.

8 de junho de 2017

Mais uma da fábrica de mentiras da apologética católica: Henrique VIII era protestante?


Decidi tirar essas semanas apenas para desmascarar as fraudes da apologética católica no campo histórico, já que no campo bíblico chega a ser covardia e até já perdeu a graça. Mas são tantas mentiras grosseiras pra desmascarar, que sinto que meu objetivo só irá se consumar em anos ou décadas – se tiver sorte. Estive relendo o que os principais sites de apologética católica escreveram sobre a Reforma e, com o conhecimento histórico mais profundo que tenho hoje em relação ao que tinha antes, me assustei de verdade com a quantidade gigantesca e assombrosa de mitos, mentiras e distorções grotescas dos mais variados tipos. O nível da coisa é simplesmente surreal. E olha que para alguém que lida com catolicismo há tantos anos como eu, e ainda me assustar com alguma coisa neste meio, é porque a coisa é feia mesmo.

1 de junho de 2017

O discípulo amado, finalmente desvendado! (Parte 2)


Antes de mais nada, cabe destacar que este artigo é uma continuação ao artigo anterior, que prova que João não pode ter sido o autor do quarto evangelho. Portanto, neste presente artigo eu não irei refutar a autoria joanina (que já foi refutada no artigo passado), mas sim mostrar evidências do provável discípulo amado, uma vez que não é João. Por isso, caso você não tenha lido o artigo anterior, é fundamentalmente importante lê-lo integralmente para poder entender este aqui.

28 de maio de 2017

"Todos de sua casa foram batizados" prova o batismo infantil?


Respeito os pedobatistas, afinal, essa era a posição padrão dos reformadores numa época de influência romanista muito forte e continua sendo a crença de uma minoria de protestantes na atualidade. Mas isso não implica em deixar passar um argumento falacioso que tem sido o mais recorrido por aqueles que tentam provar o batismo infantil na Bíblia. Trata-se da inversão do ônus da prova, o que eu já expliquei quando escrevi um artigo sobre a Sola Scriptura e a tradição oral (veja aqui), mostrando como os romanistas invertem o ônus da prova ao exigir que o protestante prove a Sola Scriptura ao invés de ser ele a provar a autenticidade de cada suposta tradição oral que defende em adição ou subtração ao conteúdo escrito (Bíblia).

20 de maio de 2017

O "Saque de Roma" é o exemplo da desonestidade da apologética católica


Quando eu digo que apologética católica e picaretagem são sinônimos, que apologista católico é por definição alguém com fobia a livros e praticamente sempre um desonesto, e que eles não se importam com a verdade mas apenas com o que pode ser usado por conveniência contra os protestantes, alguns podem pensar que eu estou exagerando. Neste artigo mostrarei com um simples exemplo prático como que tudo aquilo que eu sempre digo ainda é pouco em comparado ao que esses embusteiros são capazes de fazer.

14 de maio de 2017

O anticristo ao longo da história e a invenção preterista


Ao longo da história, por pelo menos mais de um milênio e meio o anticristo foi sempre, sem exceção, identificado como o “homem do pecado” (2Ts 2:3) que virá no fim dos tempos da parte de Satanás para trazer o mal ao mundo e perseguir o povo de Deus. Essa interpretação unânime e consensual em todos os Pais da Igreja e teólogos até pelo menos o século XVI foi desafiada em tempos recentes por preteristas, os quais em grande parte negam a existência de um futuro anticristo específico e o identificam como sendo Nero, o imperador romano que governou de 54 a 68 d.C, antes mesmo da destruição do templo (70 d.C).

11 de maio de 2017

6 de maio de 2017

50 Provas do primado de Billy Graham

(Billy Graham, o papa dos evangélicos, segundo a metodologia de Dave Armstrong)

Atenção: Leia o artigo até o fim antes de julgá-lo pelo título ou pela primeira parte e tirar conclusões precipitadas!

***

Quem disse que os evangélicos não têm um papa? Vocês estão enganados. Depois de muito trabalho de investigação árdua e pesquisa criteriosa, descobri que os protestantes têm sim um papa, e seu nome é Billy Graham. Segue abaixo 50 provas do primado de Billy Graham, o papa evangélico. Os dados são evidentes e convincentes pela virtude de seu peso cumulativo. Tal peso é especialmente claro conforme se segue:

28 de abril de 2017

A Igreja Católica é o "baluarte" do conservadorismo de direita no mundo?


Este artigo é uma continuação ao meu artigo mais recente, que trata da mesma questão em âmbito nacional (clique aqui para ler). A argumentação dos tradicionalistas católicos consiste que a Igreja Romana detém o monopólio das boas virtudes, é a “guardiã” da moral e dos bons costumes, o “baluarte” do conservadorismo de direita no mundo e a única força que pode deter e vencer o comunismo, o ateísmo, o Islã e qualquer outra coisa ruim que você possa imaginar. É o Goku da vida real. Dentro desse conto de fadas católico, a instituição que antes praticava genocídios e terrorismo para se manter no poder à custa do sangue e da vida de pessoas inocentes de outras religiões precisa agora voltar com urgência, porque só assim é que estaremos “seguros”.

22 de abril de 2017

A Igreja Católica é o "baluarte" do conservadorismo de direita no Brasil?

 

Com toda a probabilidade você já deve ter se deparado com uma afirmação dessas por aí, vinda daqueles apologistas católicos super honestos e confiáveis que conhecemos bem. Como a maioria esmagadora apenas copia as mesmas asneiras uns dos outros, até o termo exato “baluarte” é repetido em todas as ocasiões. De vez em quando ela aparece de uma forma levemente distinta, tal como: “A Santa Igreja Católica Apostólica Romana é a guardiã da moral e dos bons costumes”, ou então: “Se não fosse pela Igreja Católica, o mundo já teria sido dominado pelos esquerdistas/comunistas/socialistas/progressistas/marxistas/ateístas/adicione-qualquer-outro-istas”. E apenas para não perder o costume, em quem eles jogam a culpa pela onda de “esquerdização” no Brasil e no mundo? Nos protestantes, é claro!!! O protestantismo é sempre o bode expiatório de tudo o que o catolicismo fez de ruim mas não quer admitir. Então basta jogar a culpa nos protestantes e sair de fininho.

19 de abril de 2017

O Brasil era mais rico e desenvolvido que os EUA? Demolindo mais um mito católico!


Imagine duas terras. Elas foram descobertas em um intervalo de poucos anos. Elas foram colonizadas por volta da mesma época. Elas se tornaram independentes de suas colônias com uma diferença inferior a meio século. Elas possuem dimensões geográficas parecidas e tamanho populacional similar. Mas você consegue perceber que uma delas se tornou a maior superpotência do planeta, um país altamente desenvolvido, que lidera em disparado o PIB mundial, que possui altos índices de desenvolvimento humano, educação de qualidade, saúde de qualidade, muito mais segurança e conforto, um lugar rico e próspero. E do outro lado, aquela outra terra tão similar se tornou o 125º colocado em saúde (atrás de potências mundiais como o Butão e o Iraque), está também entre os piores no ranking mundial de educação, ocupa a fantástica 79ª colocação no IDH e só consegue liderar em número de homicídios no mundo.

18 de abril de 2017

Desconstruindo a utopia da monarquia católica no Brasil


Tem tanta gente louca sobrando neste país que toda hora surge uma loucura nova. A mais nova moda agora é apoiar a volta da monarquia, isso mesmo que você ouviu, eles querem acabar com a república a voltar a colocar um rei (Dom Pedro III?) no Brasil. Era só o que faltava. Como não podia ser diferente, a maioria esmagadora dos que apoiam esse “projeto” para o país consiste em fanáticos católicos sustentando que o Brasil monárquico católico (que tinha a religião católica como oficial e proibia outras formas de culto público) era melhor do que o Brasil republicano do Estado laico (esse mesmo que permite os protestantes malvados influenciarem a sociedade outrora católica).

13 de abril de 2017

A Bíblia foi escrita por católicos e para católicos?

 

Um sofisma romanista dos mais repetidos pelos apologistas católicos no Brasil é a reprodução de uma frase tosca e nonsense proferida pelo padre Paulo Ricardo, que é considerado uma espécie de semideus por alguns católicos deste país. Ele disse em rede nacional aos telespectadores de uma TV católica que “a Bíblia foi feita por católicos e para católicos”.

Se uma frase ridícula como essa tivesse sido dita a pessoas cultas ou com ao menos um pedaço de cérebro na cabeça, ele teria sido alvo de tomates e zombaria por algo tão vergonhosamente falso e facilmente refutável por uma lógica elementar. Mas como isso foi dito por católicos e para católicos, não me surpreende que tenha ganhado tanta atenção. É impressionante o número de papistas que realmente acreditaram que Moisés, Davi, Salomão e outros escritores da Bíblia eram católicos romanos, escrevendo a outros católicos, quando ainda nem existia Cristianismo, quanto menos catolicismo.

Quem aplaude uma idiotice como essa deveria em primeiro lugar saber que 2/3 da Bíblia é Antigo Testamento, e 1/3 é Novo Testamento. Essa frase tosca levaria qualquer um a crer que os profetas do Antigo Testamento eram católicos, serviam a um magistério romano, iam às missas e estavam debaixo da autoridade de um papa. A não ser que para os papistas “Bíblia” signifique “apenas o Novo Testamento”, é isso o que deveríamos concluir. O que deveríamos supor de alguém que afirma algo assim? Que é louco? Que é leviano? Que é desvairado? Não. Que é somente o padre Paulo Ricardo.

Não cabe aqui ressaltarmos mais uma vez o que significa Igreja no conceito bíblico, ou o significado de católico nos primeiros séculos – coisas que já abordamos amplamente neste blog, refutando o mito de que o Novo Testamento foi escrito “por católicos” (romanos) ou “para católicos” (romanos). Vocês podem conferir uma lista aqui:

11 de abril de 2017

Baixe todos os meus livros com um só clique


Quem acompanha os meus blogs há tempos sabe que todos os livros que faço (quinze, até o momento) eu disponibilizo de graça em Word e PDF, e será assim sempre. O problema é que nos primeiros anos, pela falta de algo melhor, eu colocava à disposição no 4Shared e no Mediafire, onde precisava ter uma conta e frequentemente pessoas me informavam que não conseguiam baixar os livros. Depois passei a disponibilizar os livros no Mega, muito melhor e mais sofisticado, mas mesmo assim ainda havia um ou outro que não conseguia baixar. Então depois de pesquisar bastante percebi que é possível baixar em link direto através de uma fórmula mágica secreta, e assim basta dar um clique que o arquivo já começa a ser baixado automaticamente no navegador, sem nenhuma necessidade de perder tempo ou criar conta em algum lugar. Eu montei uma tabela onde você pode baixar o livro que quiser em Word ou PDF:


No
Título do Livro
Word
Pdf
1
A Bíblia e a Escravidão
2
A História não contada de Pedro
3
A Igreja na Grande Tribulação
4
A Lenda da Imortalidade da Alma
5
As Provas da Existência de Deus
6
Calvinismo ou Arminianismo?
7
Chamados para crer e sofrer
8
Cruzadas – O Terrorismo Católico
9
Deus é um Delírio?
10
Em Defesa da Sola Scriptura
11
Exegese de Textos Difíceis da Bíblia
12
O Enigma do Falso Profeta
13
O Mistério do Castelo de Wartburg
14
Os Evangelhos Comentados
15
Os Pais da Igreja contra a Imortalidade da Alma

7 de abril de 2017

Privatizar ou não privatizar, eis a questão

Resultado de imagem para vale do rio doce

No cenário político é comum as questões acabarem caindo em reducionismos e redundarem em polarizações, quando muitas vezes temos a tendência de aceitar um extremo ou outro. Neste artigo analisarei apenas uma delas: a privatização. A opinião mais comum na esquerda sempre foi a de ser totalmente contra as privatizações (e na extrema-esquerda há até a intenção de estatizar aquilo que hoje é privado), enquanto a direita cada vez mais caminha para uma direção de “privatiza tudo”, discurso este muito comum ultimamente e que tem ganhado cada vez mais força com as mídias sociais. Para efeitos didáticos, chamarei aqui a primeira turma de “turma N” (privatiza nada), e a segunda de “turma T” (privatiza tudo). Aqui defenderei resumidamente a minha posição centrada no fato de que privatizar é preciso e muitas vezes absolutamente necessário, mas que isso não significa que se deva privatizar tudo.

4 de abril de 2017

A grande provação na grande tribulação

Resultado de imagem para grande tribulação

Muitos de vocês sabem que eu sou pós-tribulacionista e que tenho um livro sobre o tema – "A Igreja na Grande Tribulação", onde argumento, como o título sugere, que a Igreja passará pela grande tribulação. Dias atrás eu estava assistindo a uma pregação do Pr. Paulo Junior sobre escatologia (essa aqui), a qual eu concordei em grande parte e discordei de alguns pontos, e me surpreendeu um argumento que ele deu em favor do pós, baseado em Apocalipse 3:10, que fala da “hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra” (Ap 3:10). Ele observou que o termo “provação” na Bíblia sempre se aplica a crentes, nunca a ímpios.

2 de abril de 2017

Hangout no sábado, artigos do Bruno Lima e posts por e-mail

Resultado de imagem para hangout

HANGOUT NO SÁBADO

Neste sábado (08), se tudo der certo e nada der errado, haverá um hangout sobre catolicismo que a princípio contará com a participação minha, do Bruno Lima e do Elisson Freire. Será às 14h, ao vivo no canal do Elisson, e depois eu pretendo repostá-lo também no meu canal. Elaborei algumas pautas de assuntos a serem tratados, selecionando os principais argumentos mais recorrentes na apologética católica, dos que eu vi nos últimos anos. São eles:

31 de março de 2017

Respostas rápidas a mitos católicos comuns sobre o cânon

Resultado de imagem para canon biblico

Este artigo é uma extensão à minha resposta na caixa de comentários deste outro artigo, um dos mais antigos do blog. Um leitor expôs ali as considerações de outra pessoa sobre o cânon, a qual alega ser supostamente “imparcial”, mas sua análise não se difere em nada da de qualquer site tendencioso de apologética católica. Uma vez que já existem vários artigos extensos neste blog sobre o assunto, disponíveis nesta tag, irei abordar as questões de forma resumida e de fácil compreensão.

28 de março de 2017

Paulo Leitão refuta completamente o mortalismo de forma totalmente irrefutável (eu me rendo)

(Paulo Leitão enquanto espera a sua alma imortal sair do corpo)

Há poucos dias o grande apologista católico Paulo Leitão, o Porcão, comunista e petista de carteirinha (além de antissemita), postou um vídeo de 16 minutos mega extraordinário de seu programa na poderosa e influente “TV Potiguar”, onde destroça completamente o mortalismo (coitado de mim). Os argumentos foram tão destrutivos e irrefutáveis que eu joguei no lixo os meus três livros sobre o tema que somam mais de 1200 páginas, além de jogar no lixo também o livro do Bacchiocchi e o do Oscar Cullmann, afinal de contas nenhum deles chega perto da exegese brilhante do Porcão. Para quem quiser conferir esses argumentos maravilhosos, assista o vídeo abaixo, mas pule direto para o minuto 0:17, a não ser que você queira ser torturado com uma música católica:

26 de março de 2017

O livre exame de Barnabé que enterra o magistério infalível

Resultado de imagem para barnabe biblia

O livre exame é um dos ensinos protestantes mais atacados pelos papistas, ou talvez o mais atacado. Todo mundo já conhece a lenga-lenga de sempre: nós evangélicos não podemos interpretar a Bíblia porque nossa interpretação é “pessoal” e “subjetiva”, e a mesma só pode ser interpretada através da interpretação infalível do magistério católico. Ou seja, ninguém é realmente livre para ler e interpretar as Escrituras, o único livre de fato é o papa, e o resto que se lasque, vai ter que concordar com a interpretação do papa querendo ou não, sendo ela boa ou não.

24 de março de 2017

Maria era uma mulher qualquer?


Antes de ler este artigo, recomendo que leia este outro que trata de questões importantes e intimamente relacionadas a este aqui. É onde eu mostro o que os evangélicos creem sobre Maria e o que não creem à luz da Bíblia, e desmascaro o truque católico que consiste em dizer que nós “odiamos Maria” só porque não cremos nos ridículos e tardios dogmas marianos inventados por Roma:

22 de março de 2017

O velório do cânon católico e outros informativos

Resultado de imagem para caixao
(Descanse em paz, cânon católico. Sentiremos sua falta)

O Bruno Lima decidiu sepultar o cânon católico de uma vez por todas, traduzindo e ampliando artigos do William Webster que provam que nem os “doutores” da Igreja Católica medieval aceitavam a canonicidade dos apócrifos, vulgarmente chamados na apologética católica de “deuterocanônicos”. O artigo mostra citações incontestáveis de diversos teólogos, cardeais, bispos e até papas se posicionando em favor do cânon de Jerônimo, o mesmo cânon protestante, sem as adições romanistas de Trento. O que bota por terra de uma vez por todas a falácia de que os apócrifos foram dogmatizados em Hipona e em Cartago desde o final do século IV sem ninguém contestar isso.

21 de março de 2017

As Constituições Apostólicas sobre Pedro, diaconisas, celibato e o terceiro Tiago

Resultado de imagem para constituições apostolicas

Estive lendo as Constituições Apostólicas, um documento cristão datado do século IV d.C., mas que alega ter sido escrito pelos doze apóstolos. Farei aqui algumas breves considerações de ensinos ali expostos que seriam considerados inaceitáveis na Igreja Romana dos dias de hoje. Comecemos com a questão do episcopado de Pedro em Roma, que já foi abordada por mim mais detalhadamente neste artigo. A obra em questão tem um tópico chamado “Quem eram aqueles que os apóstolos enviaram e ordenaram?”, e faz uma lista de várias antigas dioceses cristãs, dentre as quais seleciono as seguintes: