A defesa do réu na Inquisição


Outro aspecto relevante do modus operandi da Inquisição e que também ajuda a sepultar a lenda de que os tribunais modernos seguem o modelo instaurado pelo Santo Ofício é que os réus não tinham praticamente nenhum direito de defesa. Nas leis jurídicas modernas, todo mundo é inocente até que se prove o contrário. Na lei da Igreja, todo mundo era culpado até que se provasse o contrário. Era o réu que tinha que provar sua inocência, não os inquisidores que tinham que provar sua culpa. O ônus da prova estava todo com o réu, que já entrava no processo com a presunção de culpa, e por causa disso os inquisidores sentiam-se livres para torturá-lo e para lançar mão de todas as técnicas mais desprezíveis a fim de que o réu confessasse o que ele já era considerado, ou seja, um culpado.

A aberração deste princípio pode ser resumida com um exemplo ilustrativo. Imagine se alguém te prendesse sob a acusação de que você escondeu uma bomba em algum lugar de São Paulo. Mas não são eles que têm a necessidade de fornecer evidências de que você escondeu a bomba, mas sim você que tem que provar que não escondeu. Como você provaria que não escondeu a bomba? Não tem como. Para piorar, os inquiridores te torturam vez após vez até que você admita logo que escondeu a bomba. Nestas circunstâncias, mesmo que você não tenha escondido bomba nenhuma, você “confessa” que é um terrorista. Era assim que funcionava a Inquisição, com a diferença de que, em vez de bombas (um mal concreto), lidavam com “heresias” (um mal imaginário).

Todo este conceito que condenava o réu a priori está muito bem documentado no Manual dos Inquisidores. Eymerich afirma expressamente que “a suspeita grave por si só é o bastante para condenar, não se admitindo nenhum tipo de defesa nesse caso”[1]. E nunca é tarde para lembrar que, nas regras da Inquisição, bastavam duas testemunhas com boatos para constituir uma “suspeita grave”. O inquisidor Francisco Peña, amparado por numerosos documentos jurídicos eclesiásticos, explicava que bastava a existência de duas testemunhas para provar nem mesmo uma “forte suspeita”, mas a certeza da acusação:

Gui Foucoi foi o primeiro, que eu saiba (Consultationes ad inquisitores haereticae pravitatis, pergunta 15, c. 18), a estabelecer o princípio de que duas testemunhas dignas de fé bastam para fundamentar uma certeza. Todos os especialistas aprovaram, depois, este princípio, ponto por ponto, de acordo com a normal vulgar e comum do Direito humano e divino, segundo o qual in ore duorum vel trium stat omne verbum (“dois ou três depoimentos são irrefutáveis”).[2]

Isso tudo resultava que o réu, fosse ele inocente ou culpado, estava lascado. Eymerich ainda faz questão de acrescentar que “a acusação vale por si mesma em qualquer situação: basta que uma pessoa seja publicamente apontada, para receber uma pena canônica, ou ser expulsa da Igreja, se recusá-la”[3].

A obsessão da Igreja pela condenação do réu era tanta que ela conclamava a literalmente qualquer um, mesmo que fosse um bandido, para testemunhar, desde que fosse contra o réu, nunca a seu favor. Respondendo à pergunta que diz: “Os difamados e criminosos podem testemunhar? E os servos podem testemunhar contra seus senhores?”, Eymerich responde: “Sim. O crime de heresia é de uma tal gravidade, que mesmo os criminosos e difamados podem testemunhar”[4]. E quando a pergunta era: “O inquisidor poderá aceitar depoimentos – contra ou a favor – da mulher, do filho ou de parentes do acusado de heresia?”, a resposta era: “Poderá aceitar testemunhos contra, mas não a favor”[5].

Para piorar, o conceito inquisitorial de “parentesco” ia muito além daquilo que nós entendemos hoje. Incluía até mesmo os criados, servos, colonos, libertos, empregados e mercenários do réu. Nenhum deles podia testemunhar a favor, apenas contra, como comenta Peña:

Entende-se por “parentes” do acusado apenas o cônjuge, os filhos e os parentes mais próximos (porque todos têm interesse em escapar da vergonha que lhes atingirá, caso o réu seja condenado), mas também todos aqueles que, de alguma maneira, compartilham do pão e do vinho do acusado: criados, servos, colonos, libertos, empregados, mercenários. Nenhum deles pode testemunhar a favor do acusado.[6]

Assim, você já deve imaginar a dificuldade que o réu tinha para encontrar qualquer testemunha que prestasse depoimento em seu favor. O seu círculo de convivência não podia ser usado como testemunha favorável, e o testemunho das pessoas de fora não seria suficiente, visto que elas não conheciam direito o réu ao ponto de servir como prova de que sempre foi um bom católico. Se praticamente todo mundo que ele conhecia e com quem convivia não podia testemunhar a seu favor (embora pudesse testemunhar contra), quem poderia defendê-lo para provar que era um bom católico? O Chapolin Colorado, talvez.

Falbel acrescenta ainda que “mulheres, escravos ou crianças podiam servir de testemunhas da acusação, mas nunca da defesa”[7]. Como se isso tudo não bastasse, as eventuais testemunhas de defesa ainda eram torturadas pelos inquisidores até que se arrancasse da boca delas a “verdade” sobre o réu que defendiam:

Os cúmplices – ou testemunhas eventuais – chamados para depor devem prestar juramento como testemunhas normais. Mas o cúmplice chamado a depor deve prestar juramento? Lógico, porque quando presta o depoimento ele o faz na qualidade de testemunha, e não de acusado. E é como testemunha que é ouvido. Entretanto, o cúmplice nunca testemunha com facilidade. Por isso, independentemente da sua condição, pode-se torturá-lo para arrancar-lhe a verdade.[8]

Reflita um pouco sobre isso. Além da defesa do réu ser praticamente nula, as poucas testemunhas que teria a seu favor ainda eram torturadas até que se extraísse delas a confissão de culpa do réu. Quem, em sã consciência, iria testemunhar a favor de um réu da Inquisição nestas condições? Obviamente, ninguém. Os inquisidores eram tão satânicos que mesmo com as testemunhas a favor do réu eles conseguiam arranjar um jeito de culpar o próprio réu, nem que para isso fosse necessária a tortura. A confissão de culpa tinha que vir de qualquer jeito, e através de qualquer um. Tudo o que importava era declarar aquilo que o réu já era considerado desde o início: culpado.

Nos primeiros tempos da Inquisição, o réu não tinha direito sequer a um advogado – algo comum e imprescindível nos tribunais civis. Eymerich escreve:

Vamos esclarecer logo que, nas questões de fé, o procedimento deve ser sumário, simples, sem complicações e tumultos, nem ostentação de advogados e juízes. Não se pode mostrar os autos de acusação ao acusado nem discuti-los. Não se admitem pedidos de adiamento nem coisas do gênero.[9]

Mais tarde, passaram a admitir a existência de advogados, mas, curiosamente, continuaram vetando a amostra dos autos de acusação mesmo para os advogados. Como Toby Green afirma, “os advogados não tinham autorização para ver as provas contra os acusados”[10]. Ou seja, o advogado não podia fazer nada para salvar seu cliente. Por que, então, um advogado estava ali? Simplesmente como mais uma tática de pressão da Inquisição para forçar o réu a confessar. Os “advogados”, escolhidos a dedo pela própria Inquisição, estavam ali apenas e exclusivamente para convencer o réu a confessar sua própria culpa. Green desmascara mais este embuste da Inquisição quando diz:

Conselhos de defesa passaram a ser convocados segundo os critérios dos inquisidores, com base em uma comissão designada por eles. Esses advogados escolhidos a dedo não deviam fazer nenhuma sugestão ao cliente, a não ser aconselhá-lo a confessar; a única obrigação do advogado era abandonar uma pessoa considerada pertinaz ou herege teimosa – isto é, alguém que não confessava –, e exortar o cristão a dizer a verdade.[11]

Mesmo se tratando de mais uma manobra sorrateira da Inquisição, ainda hoje apologistas católicos fraudulentos e impostores continuam usando o “argumento dos advogados” para passar a falsa noção de que a Inquisição favorecia a defesa do réu. São embusteiros até não ter mais como.

Outro aspecto curioso do Santo Ofício que denuncia a presunção de culpa do réu desde o início é o fato de que eles recorriam à tortura justamente nos casos em que eles não tinham como provar a culpa do réu. Peña diz que “não se deve recorrer à tortura nos delitos manifestos, mas somente nos delitos ocultos, que são mais difíceis de comprovar”[12]. A razão pela qual eles não torturavam nos “delitos manifestos” era óbvia: como estava claro que o réu se tratava mesmo de um “herege”, era enviado logo ao auto da fé para ser executado ou penitenciado.

Mas o que chama a atenção é que os réus que não tinham nenhuma prova contra eles, em vez de serem soltos em função disso, eram torturados até que se conseguisse extrair uma confissão de “culpa” pela sua própria boca. Ou seja, o réu era considerado culpado desde o início, e essa culpa a priori teria que ser manifesta de um jeito ou do outro – geralmente, do outro. Para piorar, todos os que fossem suspeitos de reincidência na heresia não eram nem sequer processados para dar início às investigações que descobririam se as acusações eram verdadeiras ou falsas – eles simplesmente eram mandados à fogueira sem processo algum.

É sobre isso que Eymerich se referia quando escreveu:

Quem deve morrer, quem deve escapar com vida? Se nos restringirmos às Bulas Ad abolendam e Excommunicamus, todos os reincidentes têm que ser entregues ao braço secular, sem processo nenhum.[13]

Todos eles [os relapsos], solicitando ou não o perdão sacramental, serão entregues ao braço secular, sem nenhum tipo de processo.[14]

Por tudo isso, Lina Gorenstein estava coberta de razão quando disse que, “da maneira como estava construída a máquina inquisitorial, o réu era sempre culpado. Devia assumir a culpa, pedir misericórdia e tinha que confessar o que os inquisidores queriam ouvir: que cometera o crime. Assim, milhares foram condenados inocentemente”[15]. Essa realidade é tão marcante e insofismável que até mesmo apologistas católicos que em geral mentem sobre a Inquisição para defendê-la admitem isso. João Gonzaga, por exemplo, assumiu em seu livro:

No moderno Direito vigora o princípio de que o réu deve ser presumido inocente, enquanto não houver sentença condenatória. Outrora, vigia o princípio inverso: a mera circunstância de se achar alguém submetido a processo criminal induzia a presumir sua culpa. Nenhum empecilho de consciência havia, portanto, para infligir a tortura a um acusado.[16]

Os tribunais eclesiásticos... partiam do pressuposto de ser verdadeira essa imputação [de culpa]. Logo, ficava mais fácil admitir que esse homem podia ser levado à tortura.[17]

Walker concorda quando diz que “a Inquisição papal-dominicana rapidamente se desenvolveu em um órgão dos mais formidáveis e terríveis. Seus procedimentos eram secretos, e os nomes dos acusadores não eram fornecidos aos acusados, os quais, mediante uma bula de Inocêncio IV de 1252, eram passíveis de tortura”[18]. Nazario complementa que o réu é considerado culpado a priori, já que é preciso ‘ter por culpado o acusado para arrancar sua culpa’. Ao acusado só resta confessar tudo, sem conhecimento de nada”[19]. E Malucelli enfatiza que, “diante dos tribunais da Inquisição, um suspeito era considerado culpado, a menos que conseguisse provar a própria inocência”[20].

Frédéric Max acrescenta que a Inquisição se resumia a:

Tribunais secretos, com julgamentos arbitrários e sem recurso, baseados em depoimentos de testemunhas sem rosto, encarniçados em destruir vidas humanas para castigar pretensos crimes, quase sempre de essência religiosa, e dos quais cabia frequentemente ao acusado adivinhar e definir ele próprio a natureza.[21]

O processo penal da Inquisição só não era tão ruim quanto o de sua época porque era pior. Bethencourt compara o processo penal inquisitorial com o dos tribunais civis da época e conclui:

O que distingue mais claramente o processo inquisitorial das práticas processuais da época: os acusados não podiam conhecer os nomes de seus denunciantes ou das testemunhas de acusação, nem sequer as circunstâncias de tempo e lugar dos crimes imputados. O efeito perverso desse sistema, e, sobretudo, sua “rentabilidade” no âmbito das novas denúncias extorquidas, foi regularmente denunciado pelos cristãos-novos nas petições apresentadas ao papa e ao rei.[22]

Malucelli diz também:

O réu não tinha direito de saber quem o acusava nem de confrontar os acusadores ou ler todos os atos que lhe diziam respeito. Eventuais testemunhas de defesa corriam o risco de, por sua vez, serem acusadas de cumplicidade. Aqueles que colaboravam com os inquisidores, ajudando-os a pegar um suspeito, por exemplo, obtinham, em compensação, as mesmas indulgências que os peregrinos que iam à Terra Santa.[23]

Os inquisidores eram, ao mesmo tempo, policiais, carcereiros, acusadores e juízes. Qualquer besteira já era suficiente para acabar em suas garras: um boato, uma carta anônima, um comportamento ligeiramente diferente do normal. Até ser devoto demais era considerado comportamento duvidoso. O suspeito era considerado culpado se não conseguisse provar a própria inocência. E quem testemunhava em favor de um suposto herege podia, por sua vez, tornar-se suspeito e sofrer um processo.[24]

E Assis confirma:

A Inquisição contava com o segredo da denúncia. Aos acusados não era permitido saber a acusação sofrida ou o nome de seus acusadores. A estratégia levava o denunciado a se comprometer mais, sendo incentivado a confessar todos os atos heréticos que houvesse praticado durante a vida.[25]

Com isso acabavam, não raro, falando mais do que deviam, além de envolver outros indivíduos. Uma habilíssima rede de denúncias alimentada pelas próprias vítimas no desespero de descobrir os delitos de que foram denunciados e provar sua inocência.[26]

O viajante católico François Pyrard de Laval (1578–1623), que viveu na época da Inquisição e conhecia bem a diferença entre esta e a justiça do poder civil, testemunhou que “é esta justiça a mais cruel e impiedosa coisa do mundo; porque a menor suspeita, a mais leve palavra, seja de uma criança ou de um escravo que quer ser molesto a seu senhor, fazem logo condenar um homem à pena última; e dá-se ali crédito a qualquer criança por mui pequena que seja, contanto que saiba falar”[27]. Ou seja, mesmo os católicos da época sabiam que a Inquisição era a coisa mais cruel e impiedosa do mundo, pior do que a própria justiça do poder civil da época, que também era aberrante.

O mesmo autor diz ainda que “é horrível e espantosa coisa ser alguma vez ali preso; porque não há nem procurador, nem advogado que fale pelo pobre encarcerado; mas os ministros daquele tribunal são juízes e partes ao mesmo tempo”[28]. Sem dúvida, uma justiça monstruosa e inferior aos próprios padrões de sua época. A visão abominável e desumana de imputação de culpa a priori por parte da Igreja era tão assombrosa e patente que o inquisidor Conrad Tors, no século XIII, não tinha vergonha de afirmar abertamente que “eu queimaria cem inocentes, se houvesse um culpado entre eles”[29].

Portanto, não foi sem razão que, após ter sido processado pela Inquisição em Goa, o francês Charles Dellon observou, no final do século XVII, que “os juízes [da Inquisição] praticam um sistema de jurisprudência desconhecido em outros tribunais”[30]. O sistema penal da Inquisição não somente não ajudou a formar nada do processo penal moderno, como ainda conseguiu ser mais hediondo e repugnante que os próprios tribunais civis de sua época.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

- Extraído do meu livro: "A Lenda Branca da Inquisição".

Por Cristo e por Seu Reino,

-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)


[1] EYMERICH, Nicolau; PEÑA, Francisco. Manual dos Inquisidores. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993, p. 78.
[2] ibid, p. 220.
[3] ibid, p. 82.
[4] ibid, p. 217.
[5] ibid, p. 219.
[6] ibid, p. 219.
[7] FALBEL, Nachman. Heresias Medievais. São Paulo: Editora Perspectiva, 1977, p. 17.
[8] EYMERICH, Nicolau; PEÑA, Francisco. Manual dos Inquisidores. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993, p. 216.
[9] ibid, p. 110.
[10] GREEN, Toby. Inquisição: O Reinado do Medo. Rio de Janeiro: Editora Objetiva Ltda, 2007.
[11] ibid.
[12] EYMERICH, Nicolau; PEÑA, Francisco. Manual dos Inquisidores. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993, p. 210.
[13] ibid, p. 84.
[14] ibid, p. 83.
[15] GORENSTEIN, Lina; CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Ensaios sobre a intolerância: inquisição, marranismo e anti-semitismo. 2ª ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005, p. 17.
[16] GONZAGA, João Bernardino Garcia. A inquisição em seu mundo. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 1993, p. 49.
[17] ibid, p. 90.
[18] WALKER, Wiliston. História da Igreja Cristã. 3ª ed. São Paulo: ASTE, 2006, p. 359.
[19] NAZARIO, Luiz. Autos-de-fé como espetáculos de massa. São Paulo: Associação Editorial Humanitas: Fapesp, 2005, p. 79.
[20] MALUCELLI, Laura; FO, Jacopo; TOMAT Sergio. O livro negro do cristianismo: dois mil anos de crimes em nome de Deus. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.
[21] Apud GONZAGA, João Bernardino Garcia. A inquisição em seu mundo. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 1993, p. 102.
[22] BETHENCOURT, Francisco. História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália – Séculos XV-XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 340.
[23] MALUCELLI, Laura; FO, Jacopo; TOMAT Sergio. O livro negro do cristianismo: dois mil anos de crimes em nome de Deus. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.
[24] ibid.
[25] ASSIS, Angelo Adriano Faria de. Intolerância em nome da Fé. São Paulo: 2006, p. 19.
[26] ibid, p. 20.
[27] Pyrard de Laval. Viagem de Francisco Pyrard de Laval contendo a notícia de sua navegação às Índias Orientais. Ed. Joaquim Helidoro da Cunha Rivara. Porto: Livraria Civilização, 1944, v. 2, p. 73.
[28] ibid.
[29] Apud LEA, Henry Charles. A History of the Inquisition of the Middle Ages, II, p. 334.
[30] GREEN, Toby. Inquisição: O Reinado do Medo. Rio de Janeiro: Editora Objetiva Ltda, 2007.

Comentários

  1. Lucas será que vc poderia responder sobre o artigo do site fiel católico,que fala sobre os versículos que eu não lia quando eu era protestante?

    ResponderExcluir
  2. Lucas,peço que comente cada resposta deste artigo. Pois este site diz calúnia contra o protestantismo. Eu sei que têm muitas refutação,mas gostaria que comentasse sobre este artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de mais nada, é importante dizer que este blog já possui três artigos relacionados a conversões ao catolicismo, que eu recomendo que você (e os demais) leiam. O primeiro é uma análise sobre os casos de conversões à ICAR:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2014/01/analisando-os-casos-de-ao-catolicismo.html

      O segundo é o mais importante, que mostra o porquê que os católicos estão tão desesperados em noticiar “conversões” – porque estão perdendo fieis em um ritmo alucinante no mundo todo, principalmente para o protestantismo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2015/02/noticia-bombastica-mais-um-evangelico.html

      O terceiro é uma análise da conversão de um pastor em específico:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2015/06/famoso-pastor-sueco-se-converte-ao.html

      Tendo dito isso, é necessário deixar claro que a Bíblia é o livro que mais libertou gente do catolicismo romano em toda a história. Nenhum outro livro jamais chegou perto da Bíblia. Nem livros escritos por Calvino, nem por Lutero, nem por protestante algum, jamais conseguiu chegar perto do poder que a Escritura Sagrada tem para libertar milhões da seita romana ao longo dos séculos. Essa é a razão pela qual a Igreja de Roma escondeu e proibiu a leitura da Bíblia em língua vernácula por séculos, apenas permitindo quando a sua proibição já era impossível. Por séculos e mais séculos ninguém podia ler a Bíblia exceto os sacerdotes, e o pouco que se lia na missa era no latim, idioma que ninguém do povo conhecia.

      Sempre que algum reformador ou pré-reformador como Pedro Valdo, John Wycliffe ou Martinho Lutero percebiam que a Igreja Romana estava errada, procuravam ao máximo traduzir as Escrituras e disponibilizá-las para a língua do povo, pois tinham consciência do efeito que ela teria nas massas se tão simplesmente elas as lessem. Enquanto uma igreja proibia e escondia a Bíblia do povo, pois sabia que este livro era um “inimigo”, a outra dava a Bíblia para o povo ler, pois sabia que bastava que o povo conhecesse a verdade, para que a verdade o libertasse. Dito e feito.

      Sobre aquele ex-pastor em especial, ele nunca pode ser considerado um evangélico legítimo alguma vez na vida. A obrigação de todo evangélico é ler a Bíblia toda várias vezes na vida, e se ele não conhecia aqueles versos, ainda mais sendo pastor, é sinal de que nunca foi evangélico de fato. Era apenas joio no meio do trigo, que depois se tornou presa fácil de qualquer apologista meia-boca como Scott Hahn. Se ele nunca tinha visto aqueles versículos, é porque ele era qualquer coisa, MENOS UM EVANGÉLICO, e ainda menos um “pastor”.

      No mais, todos os versículos por ele ressaltados já foram amplamente comentados e explicados neste blog. Por exemplo, sobre a Igreja (que não sei da onde ele descobriu que era a “Romana”) ser a coluna e sustentáculo da verdade, escrevi sobre isso aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2015/06/a-igreja-e-coluna-e-sustentaculo-da.html

      Sobre 2ª Timóteo 3:14-17 provar ou não a Sola Scriptura, eu tenho o maior estudo exegético sobre a passagem de toda a internet, que você pode conferir aqui:

      http://apologiacrista.com/a-sola-scriptura-p3

      A versão bem mais resumida você pode ler aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2012/09/2-timoteo-314-17-e-sola-scriptura.html

      Sobre o texto de 2ª Tessalonicenses 2:15, o Alon tem um estudo bastante completo que eu publiquei aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2015/09/paulo-e-as-tradicoes-do-catolicismo.html

      Excluir
    2. Sobre Mateus 16:18, eu também sou o autor do maior estudo exegético disponível na internet acerca deste texto, que você pode conferir aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2014/01/estudo-exegetico-completo-sobre-mateus.html

      Sobre Apocalipse 14:13, chega a ser ridículo usar uma passagem dessas para dizer que as obras salvam. Tudo o que o texto está dizendo é que seremos recompensados de acordo com as nossas obras, este é o nosso galardão, não a nossa JUSTIFICAÇÃO, que é pela fé. Sobre isso há uma quantidade esmagadora de versículos que você pode ler aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2014/01/a-sola-fide-na-biblia-justificacao.html

      Sobre João 6:56, tenho uma série de artigos sobre ele e todo o seu contexto que você pode conferir abaixo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2012/08/joao-6-e-transubstanciacao-parte-1.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2012/08/joao-6-e-transubstanciacao-parte-2.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2012/08/joao-6-e-transubstanciacao-parte-3.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2012/08/joao-6-e-transubstanciacao-parte-4.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2012/09/joao-6-e-transubstanciacao-parte-5-final.html

      Sobre Maria ser bem-aventurada, isso nenhum protestante na história da Igreja jamais contestou. Se ele contestava, é mais uma prova de que nunca foi pastor de verdade. Mas isso não significa que devamos idolatrar Maria: foi o próprio Senhor Jesus que disse que os que ouvem a palavra de Deus e a guarda são bem-aventurados antes que Maria:

      "E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas ele disse: ANTES bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guarda" (Lucas 11:27-28)

      Em síntese, se esse tal “ex-pastor”, se é que chegou a ser evangélico alguma vez, se converteu ao catolicismo por meio desses versículos, é porque não tinha absolutamente nenhum preparo bíblico e muito menos conhecimento apologético. A interpretação católica não é a melhor para nenhum deles; são apenas distorções grotescas que se opõem ao sentido natural dos textos. Prova disso é aquele final pitoresco onde ele pega a passagem em que Jesus entrega Maria aos cuidados de um discípulo específico, João, e descaradamente aplica este versículo em um sentido espiritual oculto a todos os cristãos de todas as eras, sendo todos eles “filhos de Maria”. Se isso não é picaretagem de quem tem prazer em distorcer, cuspir e pisar em cima das Escrituras, eu não sei mais o que é.

      Abs.

      Excluir
  3. vlw Lucas. Ótimo artigo. O livro MANUAL DOS INQUISIDORES tá traduzido no português? onde vc comprou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu peguei emprestado na biblioteca da UFPR e depois fiz um Xerox do livro, já que você não encontra ele à venda em nenhuma livraria. Talvez seja possível comprá-lo pela internet, se já não estiver esgotado e se você julgar confiável. De uma forma ou de outra, eu recomendo fortemente que você encontre um jeito de ler este livro a fim de entender melhor a Inquisição. Abs!

      Excluir
  4. Os protestantes dizem que a salvação é somente pela fé, não pelas obras.
    Mas a fé é uma obra.
    Pronto, refutei toda a teologia protestante com menos de 20 palavras.
    O Lucas provavelmente não vai responder o meu comentário, porque eu refutei toda a teologia protestante, e, por consequência, esse bloguezinho xexelento dele.

    TREMAM DIANTE DE MIM TODOS OS APOLOGISTAS PROTESTANTES! EU SOU AQUELE QUE REFUTA O PROTESTANTISMO DE FORMA MUITO FÁCIL! O LUCAS BANZOLI TEM MEDO DE DEBATER COMIGO

    KKKKKKKKKKKKKKKKK, SEU ARREGÃO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa cara, como você é bom, acabou de refutar toda a teologia protestante com um texto que parece redigido por uma criança de segunda série do fundamental, estou impressionado!!! Lutero ficaria em prantos se na época dele encontrasse um gênio como você! Todos os teólogos protestantes com PhD destes últimos cinco séculos estão se revirando no túmulo neste momento! Que honra poder ter um "refutador" comentando neste humilde blog protestante!

      Agora falando sério: eu não faço a menor ideia se você escreveu este texto na seriedade (pensando realmente estar refutando alguma coisa) ou se está só brincando comigo fazendo piadinhas. Tenho quase certeza que é piadinha de bebezão escrevendo durante o recreio, mas dada a ínfima possibilidade de você ser "sério", me vejo na obrigação de responder com isso:

      “Pois vocês são salvos pela graça, POR MEIO DA FÉ, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; NÃO POR OBRAS, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8,9)

      “Mas aquele que SEM OBRA ALGUMA crê naquele que justifica o ímpio, a SUA FÉ lhe é imputada em conta de justiça” (Romanos 4:5)

      Note que Paulo contrasta fé e obras, e diz com respeito ao que tem fé que sua fé seria imputada como justiça SEM OBRA ALGUMA, ou seja, deitando por terra a tese retardada de que a fé seja uma obra. Paulo jamais colocaria fé e obras em oposição se a própria fé fosse uma obra. Em Efésios 2:8-9, ele diz que a salvação é de graça, pela fé, e NÃO POR OBRAS, porque obviamente a fé não é uma obra. Obra é algo que você FAZ, que você coloca em prática, e crer não é fazer nada, é apenas uma decisão intelectual.

      Mais textos que destroem sua tese fracassada:

      “Mas SE É POR GRAÇA, JÁ NÃO É PELAS OBRAS; DE OUTRA MANEIRA, A GRAÇA JÁ NÃO É GRAÇA. Se, porém, é pelas obras, já não é mais graça; de outra maneira a obra já não é obra” (Romanos 11:6)

      Não preciso nem comentar nada. Mais um:

      “Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne? Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus. Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Ora, ÀQUELE QUE FAZ QUALQUER OBRA NÃO LHE É IMPUTADO O GALARDÃO SEGUNDO A GRAÇA, MAS SEGUNDO A DÍVIDA. MAS, ÀQUELE QUE NÃO PRATICA, MAS CRÊ NAQUELE QUE JUSTIFICA O ÍMPIO, A SUA FÉ LHE É IMPUTADA COMO JUSTIÇA. Assim também Davi declara bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras, dizendo: Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, E cujos pecados são cobertos” (Romanos 4:1-7)

      “Aquele que NÃO PRATICA”, ou seja, que não tem obras, “mas CRÊ”, ou seja, que tem fé. Veja como é óbvio para Paulo que crer (ter fé) não tinha nada a ver com praticar algo (fazer obras).

      Só volte aqui quando tiver o texto bíblico que diga explicitamente que a fé em si mesma é uma obra. Se não tiver o texto, suma deste blog e volte para o recreio.

      Excluir
    2. SEU HEREGE, FILHO DE UMA SERPENTE!!!!

      NÃO SABE QUE NÓS CATÓLICOS NÃO ACREDITAMOS NA BÍBLIA?
      NÓS ACREDITAMOS NO MAGISTÉRIO ROMANO!!!!
      QUANDO VOCÊ MOSTRAR QUE A SUA INTERPRETAÇÃO É CORRETA DE ACORDO COM O MAGISTÉRIO ROMANO, OU SEJA, DE ACORDO COM AQUILO QUE UM DOUTOR DA IGREJA (VÁRIOS SE DOUTORAM TODOS OS ANOS EM TODAS AS PONTIFÍCIAS UNIVERSIDADES CATÓLICAS DO PAÍS), AÍ SIM EU LHE DAREI ALGUM CRÉDITO.
      MORRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

      Excluir
    3. ESTAMOS PREPARANDO NOSSO EXÉRCITO, E INVADIREMOS SUA PÁGINA PESSOAL NO FACEBOOK. ROLARÃO XINGAMENTOS, PROFANAÇÃO, TUDO QUE VOCÊ POSSA IMAGINAR. TEMOS MAIS DE 50 SOLDADOS PREPARADOS PARA ESTE FIM, E ESTAMOS CONTRATANDO. ESTEJA AVISADO.

      Excluir
    4. Lucas, não sou católico, sou mórmon, mas vou refutar o seu texto. Estou elaborando.

      Excluir
    5. Mórmon é pior que católico. Um politeísta e poligâmico que crê que Deus nem sempre foi Deus mas era um ser humano que “evoluiu” até chegar a ser um dos inúmeros deuses no Universo, que mora perto de uma estrela misteriosa chamada Kolob com várias de suas esposas, que tem carne e osso como os seres humanos, que Jesus se casou nas bodas de Caná e tinha várias mulheres, que Deus teve relações sexuais com Maria para gerar Jesus, que todos nós poderemos ser deuses igual Elohim no futuro, que Jesus e Lúcifer são irmãos, que Cristo veio pregar nas Américas antes de subir aos céus, que um homem que teve 40 mulheres (Joseph Smith) era um profeta super inspirado por Deus, cujos escritos são elevados ao patamar de Escritura, e que crê que só os mórmons serão salvos... que capacidade mental terá para fazer um texto sobre INQUISIÇÃO?

      Mas eu faço questão que você elabore um texto, embora obviamente ninguém vá ler, porque é sempre bom ter algo com que se possa rir. Eu nem exijo que o seu texto tenha dezenas e dezenas de referências bibliográficas entre fontes primárias, fontes acadêmicas e livros de historiadores reconhecidos como os meus artigos possuem, basta copiar qualquer baboseira de blogs católicos de esquina que já tá valendo. Depois de terminar sua obra prima, não se esqueça de mandar o link da “refutação”, eu faço mesmo questão de rir um pouco, afinal vai ser super divertido ver você se embrulhando todo para contradizer todas as fontes primárias e todos os historiadores de renome que eu citei em cada um dos parágrafos do meu humilde texto. Eu pago pra ver.

      Excluir
  5. Fatality hehehehehehe! Deus te abençoe Lucas.

    ResponderExcluir
  6. Lucas , esta pensando em comprar as "institutas da religião cristãs" , e vc acha que vake a pena, é um bom livro? Quais que esse livro fala ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom sim, é a primeira espécie de "Teologia Sistemática" (em quatro volumes) da Reforma (escrita por João Calvino). De tudo o que ele argumenta nos quatro volumes, eu só não concordo com o determinismo (que toma boa parte do segundo volume, se não estou enganado) e com a defesa do batismo infantil. Isso não significa que o livro não deva ser lido por causa dessas coisas que eu particularmente considero erros, apenas que é recomendável comparar a argumentação dele com a argumentação oposta de outros autores que pensam o contrário, em vez de comprar todos os argumentos de forma acrítica ou inquestionável.

      Outra coisa: por se tratar de um livro antigo, a linguagem é meio "arcaica", não é tão leve quanto os livros modernos e pode dificultar a leitura para algumas pessoas. Não sei se você particularmente tem problemas com isso, tem gente que consegue ler livros antigos numa boa e tem outros que acham uma leitura mais chata de se ler por causa do estilo (embora Calvino compense isso com a qualidade da argumentação).

      Excluir
  7. Lucas, pq o Rafael Rodrigues não refuta seus textos sobre inquisição?
    Será que ele está se cagando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não sabe nada sobre o tema, nunca deve ter lido um livro sobre isso na vida, tanto é que nunca escreveu nada de próprio punho, apenas copia e cola textos de católicos americanos no blog dele. A última vez que ele postou algo sobre a Inquisição foi um artigo onde UM suposto historiador (católico, obviamente) defendia a Inquisição, então logo no dia seguinte eu publiquei aqui um artigo sobre o que DEZ historiadores conceituados (das mais diversas vertentes religiosas) tinham a dizer sobre a Inquisição, e ele nunca mais voltou a publicar nada do gênero. Se voltar a escrever algo será até melhor, mais material para ser refutado e enriquecer o livro.

      Excluir

Postar um comentário

Comente abaixo. Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente, mas ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos.