12 de maio de 2016

A reconquista de Jerusalém


Sob Saladino, os muçulmanos conseguiram reconquistar a Terra Santa, sem devolver a chacina cometida anteriormente pelos cruzados. A batalha em que o exército cruzado foi derrotado é conhecida como a Batalha de Tiberíades, quando os cristãos, mesmo levando consigo a suposta cruz onde Jesus morreu, foram derrotados:

[Na Batalha de Tiberíades] foram completamente destroçados, apesar de trazerem consigo a Verdadeira Cruz. Caiu esta então em poder dos infiéis, desaparecendo para todo o sempre, o que não impede de trazerem, em seu anel, todos os bispos católicos do mundo, por mais que se multipliquem, uma parcela da estupenda relíquia...[1]

Após a derrota massacrante em Tiberíades, restaram aos cristãos um exército insignificante, que não era nem de longe páreo para as forças de Saladino. Lins diz que Jerusalém perdera “todos os seus soldados, não tendo, para defendê-la, senão pequeno número de guerreiros válidos, ao lado de mulheres, padres, velhos e crianças”[2]. Generoso como sempre, o príncipe muçulmano propôs aos católicos um salvo-conduto no qual todos os habitantes da cidade levariam os seus bens, os locais de culto seriam preservados e as peregrinações permaneceriam. Mas os cruzados, arrogantes como sempre, recusaram a proposta:

Uma delegação de notáveis vem encontrá-lo em Ascalon. A proposta do vencedor é razoável: entregam-lhe a cidade sem combate, os habitantes que o desejarem poderão partir levando todos os seus bens, os locais de culto cristãos serão respeitados e aqueles que, no futuro, quiserem vir em peregrinação não serão incomodados. Mas, para grande surpresa do sultão, os francos respondem com tanta arrogância como no tempo em que eram poderosos. Entregar Jerusalém, a cidade onde Jesus morreu? Nem discutir! A cidade pertence a eles e eles a defenderão até o fim[3]

Essa não era a primeira vez que Saladino era misericordioso e os cruzados eram insolentes. Várias vezes Saladino propôs tréguas com os cruzados, as quais eram sempre violadas pelo lado católico:

Desde 1180 foi assinada uma trégua de dois anos entre os cristãos e Saladino. Essa trégua foi, porém, frequentemente violada pelo antigo princípe de Antioquia, Renaud de Châtillon, que, privado de seu principado, se tornara senhor das Terras d’Além – Jordão, e, principalmente de Kerak, castelo inexpugnável, de onde se precipitava, qual ave de rapina, sobre as caravanas da Síria e do Egito, que se dirigiam à Meca, e vice-versa. Os cristãos não desaprovavam essas infrações da trégua com Saladino, visto adotarem a máxima de Amaurí I de não se dever guardar a palavra a infiéis, inimigos do verdadeiro Deus, enquanto os muçulmanos, ao contrário, timbravam em respeitar a fé jurada. Sendo em 1187, depois dos mais solenes compromissos, mais uma vez infringida a trégua que, com ele, assinaram os cristãos, porquanto Renaud de Châtillon, senhor de Kerak, atacara uma caravana procedente da Meca, aprisionando a própria irmã de Saladino, resolveu este acabar, de vez, com o reino de Jerusalém. Invadiu-o, pois, em 1187.[4]

Os cristãos não haviam aceitado o salvo-conduto de Saladino, que prometera preservar a vida e os bens de cada cidadão cristão em caso de desistência. Isso significa que os cruzados tinham consciência de que era lutar ou morrer. Por não terem aceitado o salvo-conduto, Saladino tinha todas as condições de entrar e matar todo mundo caso quisesse. Mas, novamente, a misericórdia do sultão muçulmano entra em cena, e ele preserva a integridade de todos os cristãos na conquista, sem pensar em devolver o massacre realizado duas gerações atrás:

Todos são libertados. Depois, por iniciativa própria, o sultão anuncia a todos os idosos a possibilidade de partir sem nada pagar, assim como a libertação dos pais de família aprisionados. Quanto às viúvas e aos órfãos francos, ele não se contenta em isentá-los de qualquer pagamento, lhes oferece presentes antes de os deixar partir.[5]

Embora alguns fanáticos exigissem a destruição da igreja do Santo Sepulcro como represália ao genocídio anteriormente cometido pelos francos, Saladino “reforça a guarda nos lugares do culto e anuncia que os próprios francos poderão vir em peregrinação quando quiserem”[6]. O patriarca Heráclio tomou para si todos os ornamentos da sua igreja, a prataria do santo sepulcro, as lâminas de ouro e de prata que o cobriam, e mais de duzentos mil escudos de ouro. Vendo isso, os oficiais de Saladino protestaram, alegando que a capitulação só permitia carregar os bens particulares. Sabendo disso, Saladino respondeu:

É verdade que poderíamos discutir a esse respeito, mas, havendo permitido aos cristãos levarem os seus bens, sem expressamente excetuar os das igrejas, não devemos dar-lhes motivo de se queixarem, difamando nossa religião.[7]

Em vez de exterminar todo mundo, como os cristãos fizeram, Saladino dividiu a riqueza da conquista igualmente entre cristãos, muçulmanos e judeus pobres[8]. Diante disso, diz Maalouf:

Os tesoureiros de Saladino ficam desesperados. Se se libertam os menos afortunados sem contrapartida, que aumentem pelo menos o resgate dos ricos! A cólera desses bravos servidores do Estado atinge seu auge quando o patriarca de Jerusalém sai da cidade acompanhado de numerosas carroças cheias de ouro, tapetes e todo tipo de bens mais preciosos. Imadeddin al-Asfahani fica escandalizado, como ele mesmo o conta. “Eu disse ao sultão: ‘Esse patriarca transporta riquezas que não valem menos de duzentos mil dinares. Nós lhes permitimos carregar os seus bens, mas não os tesouros das igrejas e dos conventos. É preciso não deixá-lo com eles!’. Mas Saladino respondeu: ‘Devemos aplicar ao pé da letra os acordos que assinamos, assim ninguém poderá acusar os crentes de haverem traído os tratados. Muito pelo contrário, os cristãos evocarão em todos os lugares os benefícios com os quais os satisfazemos’”.[9]

Lins afirma que, “com verdadeiro pasmo para os cristãos, lhes concedeu Saladino generosa capitulação, permitindo à rainha, mulher de Lusignan, retirar-se para onde lhe aprouvesse, conservando escrupulosamente a vida dos cristãos e dando-lhes a liberdade mediante módico resgate”[10]. Ele sustenta ainda que “sua generosidade, no depoimento unânime dos historiadores, contrastava, de modo impressionante, com a dureza dos cristãos da Ásia para com os seus próprios irmãos. Enquanto os de Trípoli fechavam as portas aos fugitivos de Jerusalém[11], empregava Saladino o dinheiro, que sobrara das despesas do cerco, para libertar os pobres e órfãos, que se haviam tornado escravos de seus soldados. Só Malek-el-Adil, seu irmão, libertou nada menos de dois mil”[12].

Lins contrasta ainda a reação dos cristãos ao tomarem Jerusalém com a reconquista muçulmana:

A generosidade de Saladino, ao tomar Jerusalém, é tanto mais notável quanto, apenas noventa anos antes, haviam os cristãos cometido, aí, os mais incríveis desatinos da perversidade, chacinando, entre requintes de barbárie, cerca de setenta mil muçulmanos. “Quis Saladino abrandar as dores de tantas famílias infelizes” – escreve Michaud. Fez, pois, restituir às mães seus filhos e às esposas seus maridos, que se encontravam entre os cativos. Tendo vários cristãos abandonado seus móveis e demais bens para carregarem, uns, seus parentes enfraquecidos pela idade, outros, seus amigos doentes, condoeu-se Saladino com este espetáculo, recompensando, através de esmolas, as virtudes de seus implacáveis inimigos. E, apiedando-se de todos os infortúnios, permitiu aos hospitalários ficassem na cidade a fim de cuidarem dos peregrinos e daqueles cujas graves doenças impediam que saíssem de Jerusalém.[13]

No dia em que os cristãos deixaram a cidade, longe de regozijar-se, não conseguiu o sultão conter as lágrimas ao despedir-se da rainha Sibila, que tratou com a máxima bondade e cavaleirismo, ordenando pudessem terminar a vida em Jerusalém, mantidos à sua custa, Robert de Corbie, centenário, que, oitenta e oito anos antes, figurava entre os guerreiros que tomaram a cidade santa, e Foucher Fiole, que nascera em Jerusalém em 1099, isto é, no próprio ano em que a capital da Judeia caíra em poder dos cristãos.[14]
           
Nicetas senador bizantino, traça o mesmo contraste quando diz:

Quando os primeiros cruzados tomaram Jerusalém, em 1099, não tiveram nenhuma compaixão com os muçulmanos que habitavam a cidade; mesmo assim, quando, oitenta anos depois, os muçulmanos recuperaram a Cidade Santa, se comportaram muito melhor, pois não perseguiram com luxúria as mulheres cristãs nem transformaram a entrada à tumba que dá vida [o Santo Sepulcro] em um pesadelo semelhante ao inferno. Ao não exigir grandes recompensas por quem haviam defendido a cidade e ao permitir-lhes conservar suas possessões, os muçulmanos haviam se comportado de forma magnífica para com aqueles a quem haviam derrotado.[15]

Não passais de palradores vós que, pretendendo vingar o Santo Sepulcro, expandem vosso furor contra Jesus Cristo. Sim, vós que, trazendo a cruz ao ombro, não evitais pisar a cruz para apanhar um pouco de ouro ou de prata. Diverso foi o procedimento dos sarracenos, que trataram vossos compatriotas com toda humanidade ao tomarem Jerusalém. Não violentaram as mulheres dos latinos, nem encheram de corpos mortos o Santo Sepulcro, e, ao invés, permitiram a todos que se retirassem livremente, mediante pequeno tributo por cabeça, deixando, além disso, a cada qual, os bens que possuísse.[16]

***

Em 637, Jerusalém é conquistada pelos muçulmanos, que agem da seguinte maneira:

“Omar, filho de Jatab, concede segurança ao povo da cidade de Jerusalém, tanto às suas pessoas, como filhos, mulheres, bens e igrejas, as quais nem se derrubarão, nem se fecharão”[17]

Em 1099, os “cristãos” a reconquistam, causando a maior chacina já vista em uma guerra. E em 1187, os muçulmanos a reconquistam, novamente sem derramar uma única gota de sangue. Essa era a diferença entre soldados e terroristas.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

- Extraído do meu livro: "Cruzadas - O Terrorismo Católico".

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)



[1] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 354.
[2] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 359.
[3] MAALOUF, Amin. As Cruzadas Vistas Pelos Árabes. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2001, p. 183.
[4] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 353.
[5] MAALOUF, Amin. As Cruzadas Vistas Pelos Árabes. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2001, p. 186.
[6] ibid, p. 185.
[7] Apud LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 361.
[8] ROPER, Hugh Trevor. A Formação da Europa Cristã. 1ª ed. Lisboa: Editorial Verbo, 1975, p. 109.
[9] MAALOUF, Amin. As Cruzadas Vistas Pelos Árabes. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2001, p. 186.
[10] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 359.
[11] O conde de Trípoli e seus homens de guerra despojaram os cristãos, refugiados em seus domínios, dos bens que lhes haviam deixado os muçulmanos (LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 362-363).
[12] ibid.
[13] ibid, p. 360.
[14] ibid, p. 361-362.
[15] Apud PHILLIPS, Jonathan. La cuarta cruzada y el saco de Constantinopla. 1ª Ed. Barcelona: CRÍTICA, S. L., 2005, p. 351.
[16] Apud LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 390.
[17] Frei João de Jesus Cristo. Viagem de um peregrino a Jerusalém e visita que fez aos lugares santos em 1817. 2ª ed. Lisboa: Academia das Ciências, 1822, p. 263.

2 comentários:

  1. Lucas o que voce acha deste tal de Conde Loppeux.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2016/03/por-que-eu-nao-respondo-ao-conde.html

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.