29 de novembro de 2015

Jerônimo e Agostinho debatendo sobre doutrina e interpretação bíblica


Muitos católicos apontam as discussões teológicas entre evangélicos como uma “prova” de que somos divididos, porque, se fôssemos unidos, não discutiríamos coisa alguma relacionada à doutrina. Se este critério for levado a sério, então a própria igreja primitiva era “dividida”, visto que claramente os primeiros cristãos e os Pais da Igreja criam em muitas doutrinas diferentes um do outro e inclusive incorriam em erros doutrinários graves, como eu mostrei neste artigo. Aqui pretendo apenas exemplificar este ponto através da troca de cartas entre Jerônimo e Agostinho, mais especificamente na Carta 112 de Jerônimo, sem entrar no âmbito da discussão sobre quem na minha opinião estava certo e quem estava errado.

Os dois exerceram cargos importantes na igreja, foram os maiores de sua época, são considerados santos pela Igreja Católica Romana e Ortodoxa, e são muito respeitados nas igrejas evangélicas também. Ou seja: não estamos falando aqui de um herege discutindo com outro herege, mas com um cristão de alto nível discutindo com outro cristão de alto nível. E eles discutiram sobre mais de um assunto, mas aqui irei abordar apenas a discussão dos dois sobre o episódio de Gálatas 2:11, onde Paulo discute com Pedro em Antioquia. Basicamente, Jerônimo dava razão a Pedro, e Agostinho a Paulo.

Jerônimo pensava que Paulo estava sendo falso ao repreender Pedro, pois ele havia feito o mesmo em outra ocasião, quando Tiago o instigou a mostrar diante de todos que ele ainda seguia a lei (veja em Atos 21:18-24). Ou seja: na opinião de Jerônimo, Paulo estava sendo cínico ao repreender Pedro por ter seguido a lei, quando o próprio Paulo havia usado a mesma dissimulação em outra ocasião. Mas Agostinho defendeu Paulo, mostrando que se tratava de circunstâncias diferentes, e que Paulo estava certo em repreender Pedro. Para sustentar essa oposição, Agostinho disse que Paulo, como judeu, ainda guardava a lei, o que explica Atos 21:18-24. Apenas os cristãos não-judeus é que estavam livres da lei, segundo Agostinho.

Isso então levantou um debate maior, que era sobre a vigência ou fim da lei para os judeus convertidos. O debate foi longo e teve resposta de Agostinho, mas para não alongar demasiadamente este artigo passarei aqui apenas a parte dos ataques de Jerônimo. Antes de tudo, é importante mostrar que os dois se baseavam em sua opinião pessoal, ou seja, naquilo que os dois inferiam a partir dos textos bíblicos. Em outras palavras, os dois praticavam livre exame, e em nenhum momento algum deles coagiu o outro a interpretar de acordo com algum magistério infalível fantasioso, ou deu a entender que o outro não podia interpretar a Bíblia livremente, de acordo com seu próprio óculos.

Isso fica claro no seguinte texto:

“Eles, em resposta, deram a melhor interpretação da passagem que poderia encontrar, e qual é a interpretação que você tem a propor? Certamente você deve ter a intenção de dizer algo melhor do que eles disseram, uma vez que você rejeita a opinião dos comentaristas antigos”[1]

Note que Jerônimo não impõe um magistério romano infalível como a norma da qual Agostinho deveria se alinhar, mas tenta convencê-lo pela “opinião dos comentaristas antigos”, ou seja, tenta mostrar que os Pais da Igreja de data anterior estavam ao seu lado. E mesmo assim, Agostinho ainda estava livre para se opor a esta opinião dos comentaristas antigos, desde que levantasse uma interpretação melhor. Nada disso se parece com um debatedor papista, que tenta calar o oponente tirando a liberdade que o adversário tem de interpretar as Escrituras.

Pouco adiante, Jerônimo afirma:

“A matéria em debate, ou melhor, a sua opinião sobre ela, se resume nisto: que, desde a pregação do evangelho de Cristo, os judeus crentes fazem bem em observar os preceitos da lei, ou seja, na oferta de sacrifícios como Paulo fez, em circuncidar seus filhos, como Paulo fez no caso de Timóteo, e mantendo o sábado judaico, como todos os judeus foram ensinados a fazer. Se isso for verdade, vamos cair na heresia de Cerinto e Ebion, que, apesar de crerem em Cristo, foram anatematizados pelos pais por esse erro, uma vez que eles misturaram as cerimônias da lei com o evangelho de Cristo, professando sua fé no que era novo, sem deixar o que era velho”[2]

Após dar a entender que a opinião de Agostinho levava à heresia de Cerinto e Ebion, Jerônimo passa a elevar o tom:

Pode um cristão submeter-se a ouvir o que é dito em sua carta? ‘Paulo era verdadeiramente um judeu, e quando ele havia se tornado um cristão, ele não tinha abandonado as cerimônias judaicas, que as pessoas tinham recebido no caminho certo, e por um certo tempo determinado. Portanto, mesmo quando ele era um apóstolo de Cristo, ele participou e observou [os ritos judaicos] com essa mesma visão, para que pudesse mostrar que eles não eram de nenhum modo prejudiciais para aqueles que, mesmo depois de terem crido em Cristo, desejavam manter as cerimônias que pela lei eles tinham aprendido de seus pais’. Agora eu te imploro para ouvir pacientemente a minha queixa. Paulo, mesmo quando ele era um apóstolo de Cristo, observava cerimônias judaicas, e você afirma que elas não são de nenhum modo prejudiciais para aqueles que desejam mantê-las como eles tinham recebido de seus pais pela lei. Eu, pelo contrário, devo contestar, e, se o mundo fosse protestar contra a minha opinião, eu poderia ousadamente declarar que a cerimônias judaicas são para os cristãos um tanto dolorosas e fatais, e que quem os observa, seja ele judeu ou gentio originalmente, é lançado no abismo da perdição[3]

Mais ainda, Jerônimo reage à posição de Agostinho a chamando de “doutrina perigosa”, nas seguintes palavras:

“Eu não compreendo perfeitamente o que você quer dizer com as palavras: ‘sem acreditar que elas sejam de todo necessárias para a salvação’. Porque, se eles [os rituais cerimoniais judaicos] não contribuem para a salvação, por que eles são observados? (...) A observância de cerimônias legais não é uma coisa indiferente, é boa ou ruim. Você diz que é bom. Eu afirmo que ela seja ruim, e ruim não apenas quando feito por gentios convertidos, mas também quando feito por judeus que creram. Nesta passagem você cai, se não me engano, em um erro, evitando outro. Pois enquanto você protege-se contra as blasfêmias de Porfírio, você se enrosca nas armadilhas de Ebion; pronunciando que a lei é obrigatória para aqueles que dentre os judeus creram. Percebe, novamente, que o que você disse é uma doutrina perigosa, tentando classificá-la por palavras que são apenas supérfluas?[4]

O mais importante é que nenhum deles tentava convencer o outro com base em um suposto magistério romano infalível, e muito menos condicionava a interpretação à opinião do bispo romano sobre o tema. Essa ideia de que a interpretação correta (ou mesmo a liberdade de interpretar) está condicionada a Roma é uma ridícula caricatura papista de algo que nunca existiu na Igreja primitiva, a qual desconhecia inteiramente que “só o papa pode interpretar a Bíblia”...

Há muito mais sobre a treta entre Jerônimo e Agostinho, mas só dos textos que vimos, podemos constatar que:

Jerônimo e Agostinho tinham divergências doutrinárias.

Nenhum dos dois tentava convencer o outro de que estava com a razão porque um suposto magistério infalível estava do lado dele e contra o outro.

Para Jerônimo, a posição de Agostinho levava à heresia de Cerinto e Ebion.

Para Jerônimo, um cristão não podia se submeter ao que era ensinado por Agostinho no que tange à questão.

Para Jerônimo, a doutrina pregada por Agostinho era perigosa, e podia lançar o fiel no “abismo da perdição”.

E, mesmo assim, os dois eram legitimamente cristãos, os dois são reconhecidos por todas as igrejas cristãs atuais, e os dois foram pilares fundamentais do Cristianismo no século IV e V. Isso mostra que divergências doutrinárias não são sinais de “divisão” necessariamente, a não ser que a Igreja de Agostinho e Jerônimo (que os papistas afirmam que era a deles) já fosse dividida.


Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)



[1] Letter 112, 3:11.
[2] Letter 112, 4:13.
[3] Letter 112, 4:14.
[4] Letter 112, 4:16.

19 comentários:

  1. Onde posso tirar essas frases dos pais da igreja ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui você encontra a coleção de cartas de Jerônimo:

      http://www.newadvent.org/fathers/3001.htm

      E aqui as de Agostinho:

      http://www.newadvent.org/fathers/1102.htm

      Excluir
    2. A carta que eu me refiro neste artigo é essa:

      http://www.newadvent.org/fathers/1102075.htm

      Excluir
  2. Lucas , eu bolei um argumento contra a crença católica da salvação por méritos e a favor do sola fide e sola gracia , ele é muito mais baseado na logica e razão , alias muita coisa , sem ter muito conhecimento bíblico, é capaz de questionada das doutrinas católicas usando muita logica e razão , o argumento é esse:

    Os católicos negam negam o sola fide e o sola gracia e alegam que precisamos fazer boas obras para ser salvo ... pois bem, nesse caso há uma pergunta a se fazer:

    QUAL A QUANTIDADE DE OBRAS OBRAS? Se admitimos a necessidade de boas obras, deve ter uma quantidade especifica de obras a se fazer, só que nem na bíblia e nem na tradição falam qual é essa quantidade. E como medir essa quantidade? Por acaso isso é um video game onde vc tem que fazer um pontuação para passar de fase ? Qual seriam a quantidade de boas que devemos fazer , e qual é o valor de cada obra , e isso levando em consideração o tempo que uma pessoa ? Tanto na bíblia como na tradição católica não a á "pontuação" a se fazer , o valor de cada obra e nem em proporção do tempo de vida!

    Imaginemos as seguintes situações : uma pessoa que viram cristã nos últimos anos de vida , qual a quantidade de obra que ela deve fazer para ser salva ?

    E se uma pessoa ja é cristã desde criança mas so decide fazer boas obras no final da sua vida , ela vai ser salva?

    E se ela so faz boas no começo da vida e depois não faz mais, ela vai ser salva?

    E se uma pessoa faz menos obras em comparação com outra que faz mais obras sendo que essa ultima tem menos tempo de conversão , ela vai ser salva?

    É impossivel falar que as boas obras há participação na salvação pois tanto a bíblia como a tradição não dizem qual a quantidade que vc deve fazer , qual o valor de cada obra , e nem levando em consideração o tempo em que vc é um cristão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem argumentado. Pode ainda complementar com este texto:

      "Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia" (Isaías 64:6)

      Se nossas melhores obras são como "trapo de imundície" aos olhos de Deus, então elas não podem nos salvar. Isso porque um Deus perfeito e totalmente santo exige perfeição (Mt.5:48), que é um padrão moral que nenhum ser humano jamais alcançou.

      Nenhum não. Na verdade, um homem alcançou: Jesus de Nazaré. É por isso que Deus condicionou a salvação à fé naquele que cumpriu toda a lei perfeitamente: Cristo. Assim, a justiça perfeita deste único homem perfeito é imputada a nós, meros pecadores. E, uma vez regenerados mediante a fé, nos tornamos aptos para as boas obras que de fato agradam o coração de Deus.

      Abs!

      Excluir
  3. Eles divergiam de opinião também concernente a doutrina da trindade?

    ResponderExcluir
  4. Lucas, você já leu ''etica protestante e o espirito do capitalismo'' ? Oq achou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou lendo, muito bom. Vou provavelmente fazer um artigo sobre o livro aqui quando eu terminar.

      Excluir
  5. Excelente artigo Lucas.


    A infalibilidade papal, foi o tiro de misericórdia, que os papistas, deram nos fiéis Romanistas.

    Lembrei de Agostinho, orientando os seus ouvintes e leitores, a escolher, entre as duas interpretações, que ele faz da perícope, de Mateus 16.

    Algo, que na atualidade, é inadmissível.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto. Neste mesmo diálogo entre Jerônimo e Agostinho, Jerônimo também pede que o leitor julgue qual dos dois tem a razão.

      Abs!

      Excluir
  6. E pro Jerônimo a Pedra era Cristo ou Pedro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele cria que a pedra era Cristo. Neste artigo do Hugo há bastante referência sobre Mateus 16:18 nos Pais da Igreja:

      http://conhecereis-a-verdade.blogspot.com.br/2010/10/mateus-1618-nos-padres-da-igreja.html

      E também neste artigo do William Webster:

      http://www.christiantruth.com/articles/mt16.html

      Excluir
  7. Ao anônimo que me passou aqui o link de um site herético que diz "me refutar", site este tão desprezível que sequer merece ser mencionado aqui, já foi rebatido neste artigo que está até hoje sem qualquer tipo de contra-argumentação da parte dele:

    http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/05/desmascarando-itard-e-sua-ridicula.html

    ResponderExcluir
  8. Vc não me respondeu, pq? Quem foi o primeiro papada igreja romana e quando foi realizada a primeira missa, pois os católicos chamam a Santa ceia de missa. Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tinha te respondido no artigo onde você tinha me enviado a pergunta:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/11/como-igreja-de-roma-rachou-igreja-de.html

      Excluir
  9. Em relação ao tema da discussão, acredito que Agostinho tenha razão, não? O que Jerônimo advoga colocaria os judeus messiânicos no rol de hereges.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu também acho que Agostinho estava certo nesta questão.

      Excluir
  10. ESPARGINDO A LUZ DO SABER:
    (EZ.) – EZEQUIEL: A VISÃO DOS QUATRO QUERUBINS: (ES.5.2) – É AZUL: (AR.37.5)
    (JB.8.12) – Eu sou a luz do mundo: Quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida: (1CO.9.3) – A minha defesa perante os que me interpelam é esta:
    São 37 letras e 5 sinais que, recompostos, geram a luz deste saber, com o testemunho do Verbo Divino, que diz:
    O QUE NÃO QUIS TER BOA VIDA QUIS SER LUZ: E É A LUZ: (IL.37.5)
    (LC.20.9) – A seguir passou Jesus a proferir ao povo esta parábola:
    (GN.1.5) – CHAMOU DEUS A LUZ DIA, E AS TREVAS NOITE: HOUVE TARDE E MANHÃ, O PRIMEIRO DIA: (AR.59.5)
    Isto é o que diz o Verbo Divino, ao recompormos as 59 letras e 5 sinais acima, a saber:
    DEUS ESPIRITUALIZOU O HOMEM: ENTÃO, HA UM CRISTO NA ERA, HA A VERDADE E VIDA: (IL.59.5)
    Porventura Cristo é o Guia dos Guias que vive em mim?
    V e j a m o s :
    (JB.6.45) – ESTÁ ESCRITO NOS PROFETAS: (LE.7.12) - A SABEDORIA PROTEGE COMO PROTEGE O DINHEIRO; MAS O PROVEITO DA SABEDORIA É QUE ELA DÁ VIDA AO SEU POSSUIDOR: (AR.109.6)
    (Recomposição das 109 letras e 6 sinais que compõem a parábola acima):
    O ESPÍRITO SANTO SABE QUE O PAI DO GUIA DOS GUIAS SE CHAMA ARNALDO RIBEIRO: E É VERDADE; E CRISTO PODE MOSTRAR ESSE PROFETA À TODO O POVO: (IL.109.6)
    (JB.6.14) – Este é, verdadeiramente, o Profeta que devia vir ao mundo? (GL.2.20) – Ora, acerca do que vos escrevo, eis que diante de Deus testifico que não minto. (GL.2.20) – Logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.


    O SABER LER A SI:
    (ES.12.1)
    (AP.13.18) – AQUI ESTÁ A SABEDORIA: AQUELE QUE TEM ENTENDIMENTO CALCULE O NUMERO DA BESTA, POIS É NÚMERO DE HOMEM: ORA ESSE NÚMERO É SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS: (AR.119.9)

    (ISRAEL é o nome do Homem que sabe LER A SI no Espírito Bíblico: Aqui o saber acaba com as cogitações infundadas que existiam acerca do número 666 do Apocalipse, pois o que está escondido nas 131 letras e 10 sinais que compõem o texto acima, é isto):

    ARNALDO RIBEIRO É ISRAEL: É O HOMEM QUE NASCEU NO CÉU, QUE AMA E SABE TESTAR AS ALMAS NO SEU NOME: E ELE ENTENDE QUE CRISTO TESTA DEUSES E DIABOS NESSE MESMO ESPÍRITO. (IL.131.7)



    O SÉTIMO DIA
    (DN.4.2) Pareceu-me bem fazer conhecidos os sinais e maravilhas que Deus, o Altíssimo, tem feito para comigo,; (EF.2.7) para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça em bondade para conosco em Cristo Jesus; (1CO.15.45) pois assim está escrito:

    (GN.2.3) – E ABENÇOOU DEUS O DIA SÉTIMO, E O SANTIFICOU; PORQUE NELE DESCANSOU DE TODA A OBRA QUE, COMO CRIADOR, FIZERA: (AR.85.6)

    E o que o Senhor quer dizer com as 85 letras e 6 sinais acima é isto:

    SOU O ESPÍRITO QUE DESCEU DO CÉU, CRIANDO A SUA FÉ; E FAÇO SANTO O QUE É BATIZADO COM NOME DE ARNALDO RIBEIRO: (IL.85.6)

    (Lc.12.50 – Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize; (IS.21.16) porque assim me disse o Senhor: (1RS.18.31) Israel será o teu nome, (LS..9.6) porque ainda que algum seja consumado entre os filhos dos homens, se estiver ausente dele a tua sabedoria, será reputado como nada.(LC.4.21) Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir: (LC.6.5) O Filho do Homem é Senhor do sábado:
    E agora José? Ou melhor, Chico?...



    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.