21 de outubro de 2013

Pedro, pastoreie as minhas ovelhas


Argumento católico – Jesus disse em João 21:15-17 para Pedro pastorear as ovelhas dele. Isso significa que somente Pedro era pastor de ovelhas e que isso o coloca em uma posição de superioridade sobre todos os demais cristãos, exercendo um primado jurisdicional sobre todos eles.

Refutação bíblica – Este é, de todos os argumentos, provavelmente o mais interessante, pois diz que Pedro seria um pastor de ovelhas, e não um pastor de pastores, como ensina a Igreja Católica! Para eles, Pedro era o Sumo Pontífice, isto é, um pontífice superior a todos os demais pontífices, o “chefe dos apóstolos”, o “bispo dos bispos”, e, portanto, pastor de pastores.

Mas, para Jesus, Pedro era mais um pastor de ovelhas, e não pastor de pastores. Isso o coloca em seu devido lugar como pastor no mesmo nível dos demais pastores, e não acima deles, liderando-os. É por isso que o próprio Pedro indica claramente quem era o “Sumo Pastor” (1Pe.5:4), isto é, o Pastor que está acima em liderança dos demais pastores, apontando para Cristo, e não para ele próprio:

“E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória” (1ª Pedro 5:4)

Sumo Pastor é uma tradução do grego que diz archipoimen. “Arche”, como já vimos, expressa liderança[1], e, portanto, archipoimen nada mais é senão um líder dentre os pastores que pastoreiam a Igreja. E esse líder dos pastores, ou chefe deles, não é o próprio Pedro, mas Cristo (1Pe.5:4)! Já vimos também que Jesus é o nosso único Sumo Pontífice, e que o papa é um usurpador do nome e da posição que cabe somente a Jesus (Hb.5:10; 4:14; 8:1; 3:1; 5:1; 5:5; 10:21; 6:20; 4:15; 9:11; 2:17; 7:26), e que não existe um Sumo Pontífice humano na terra, mas apenas Cristo exercendo essa função no Céu.[2]

Além disso, Jesus disse que “a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é vosso Pai, o qual está nos céus” (Mt.23:9), indicando claramente que não haveria na terra um Sumo Pontífice que pudesse ser chamado de “pai” (a palavra “papa” provém da palavra “pai”), no sentido de liderança eclesiástica infalível na terra, como também aponta Norman Geisler:

“O contexto da afirmação de Jesus indica que ele está-se referindo a considerar seres humanos como mestres espirituais infalíveis, e não que ele se oponha a termos mentores espirituais falíveis. De fato, Paulo foi um pai espiritual de Timóteo (1 Co 4:15), a quem ele se referiu como sendo seu ‘amado filho’ (2 Tm 1:2). Entretanto, Paulo teve o cuidado de instruir seus filhos espirituais a que somente fossem seus imitadores ‘como eu sou de Cristo’ (1 Co 11:1). Demonstrar respeito devido ao nosso líder espiritual é uma coisa (cf. 1 Tm 5:17), mas dar-lhe obediência incondicional e a reverência que somente a Deus devemos dar, isso é outra coisa”[3]

Outra coisa interessante é que é dever de todos os pastores da Igreja apascentarem o rebanho, e não somente de Pedro! Este, como já vimos, se colocou na mesma posição de igualdade aos demais presbíteros ao se dizer “presbítero como vocês” (1Pe.5:1), que é a tradução do grego que diz “sumpresbuteros”, sendo que este “sum” é um prefixo que designa igualdade, e não superioridade sobre eles. Portanto, Pedro se considerava um presbítero no mesmo nível dos demais presbíteros, e não acima deles em autoridade, o que seria archipresbuteros, e não sumpresbuteros[4].

E, depois de se colocar no mesmo nível dos demais presbíteros e não “acima” deles, Pedro ainda diz que é dever de todos eles apascentarem o rebanho, e não somente dele próprio:

“Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós...” (1ª Pedro 5:2)

Se Pedro tivesse entendido o que Cristo disse a ele sobre apascentar as ovelhas em João 21:15-17 como sendo exclusividade dele em função de um suposto primado que exerceria sobre os demais, ele nunca teria dito para que todos os demais presbíteros pastoreassem o rebanho, pois entenderia que aquilo seria exclusividade dele porque somente ele era o papa! Portanto, o fato de Pedro dizer que era para todos os presbíteros apascentarem o rebanho de Deus mostra claramente que ele não entendeu que o que Cristo disse a ele em João 21:15-17 se aplicava só a ele, mas entendeu que se aplicava a todos os pastores (líderes eclesiásticos) que pastoreiam as ovelhas do reino de Deus, incluindo todos os presbíteros aos quais ele escrevia em 1ª Pedro 5:2.

O mesmo ocorre em Atos 20:28, quando Paulo fala para todos os bispos pastorearem a Igreja de Deus, e não que isso fosse dever somente de Pedro:

“Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo os colocou como bispos, para pastorearem a igreja de Deus, que ele comprou com o seu próprio sangue”(Atos 20:28)

Mas, se isso se aplica a todos os presbíteros e bispos da Igreja, e não somente a Pedro, então por que Cristo se dirigiu especificamente a Pedro naquela ocasião? E por que disse aquilo três vezes?

Isso é muito simples de responder. O Senhor se dirigiu especificamente a Pedro nesta ocasião por causa das suas negações ao Mestre. Pedro ainda não havia tido oportunidade de conversar com Jesus depois de aquilo ter acontecido, provavelmente ainda estava constrangido por tê-lo negado três vezes publicamente, e chorou amargamente depois de Cristo olhar fixamente em sua direção após a terceira negação (Lc.22:61). Ele estava tão abatido que, ao ouvir falar da ressurreição de Jesus, foi o único junto a João que decidiu correr até o sepulcro para confirmar a história, enquanto todos os outros permaneceram em casa (Jo.20:1-10).

Note também que Pedro negou Jesus três vezes, e este lhe deu a oportunidade de reafirmar seu amor por ele também três vezes. Nada ocorreu por acaso, nem a escolha de Pedro nesta ocasião nem mesmo a quantidade de vezes que Jesus repetiu a mesma pergunta. Tudo aquilo aconteceu para que Cristo pudesse restaurar Pedro espiritualmente, depois do abalo que este sofreu por tê-lo negado publicamente, tão pouco tempo depois de estar tão autoconfiante ao ponto de ter dito que, ainda que todos o negassem, ele não o negaria (Mc.14:29).

Então, Cristo lhe dá a oportunidade de consertar as coisas, de reafirmar seu amor por seu Mestre também três vezes, de recolocá-lo em seu devido lugar como pastor de ovelhas (pescador de homens) e não mais como um mero pescador de peixes. Quando Cristo viu Pedro pela primeira vez, este estava pescando peixes, como pescador que era junto a seu irmão André e seus sócios, os dois filhos de Zebedeu, Tiago e João (Lc.5:10). E disse-lhes: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens” (Lc.5:10). Ou seja: a ocupação deles, de agora em diante, não seria mais de pescar peixes, mas de salvar almas, de trazer perdidos à Cristo, de levar a salvação à casa de Israel e aos gentios.

Mas, depois que Jesus morreu, eles caíram no desânimo e tudo parecia que ia voltar a ser como era antes. Cristo disse para pregar o evangelho a toda criatura, mas lá estavam os mesmos discípulos pescando peixes novamente (Jo.21:2,3). Então, Jesus lhes chama como tinha feito no princípio, e reafirma a Pedro o que havia dito antes: que ele não foi chamado para ser um mero pescador de peixes, como era antes, mas para ser um pescador de homens, um pastor de ovelhas.

Cristo o reergueu novamente e colocou mais uma vez em seu coração o chamado divino de pregar o evangelho a toda criatura, a se tornar pescador de homens, a apascentar o rebanho de Deus, a reafirmar seu amor por Ele, todas essas coisas que são dever de todos os cristãos, e não apenas de Pedro (Mc.16:15; 1Pe.5:2; Lc.10:27; At.20:28). Na prática, Cristo estava dizendo: “Não volte a ser o que era antes, você foi chamado para pastorear (pregar o evangelho), e não para pescar”!

Cristo chamou Pedro ao pastoreio, que é o dever de todos os cristãos. Nada de primado foi dito a ele. Se fosse assim, Cristo não teria dito que ele era pastor de ovelhas(como já vimos que todos são, e não apenas Pedro – 1Pe.5:2), teria dito que ele era pastor de pastores, exatamente como a Igreja Católica faz com o papa, dizendo oficialmente que ele é o bispo dos bispos. E o próprio Pedro teria se colocado em autoridade superior aos demais presbíteros, e não em igualdade (1Pe.5:1), e ainda teria aproveitado a oportunidade para afirmar que o archipoimen era ele mesmo (1Pe.5:4).

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)

*Este artigo faz parte do meu livro: “A História não contada de Pedro”


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)




[1] De acordo com a Concordância de Strong, 746.
[2]Uma abordagem mais extensa sobre isso você pode conferir no capítulo 8 deste livro.
[3] GEISLER, Norman; HOWE, Thomas. Manual popular de dúvidas, enigmas e 'contradições' da Bíblia. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 1999.
[4]Uma abordagem mais extensa sobre isso você pode conferir no capítulo 3 deste livro.

6 comentários:

  1. Não deixou nenhuma dúvida, excelente Lucas, que Jesus lhe abençoe.
    Ass Eremilson

    ResponderExcluir
  2. Olá Lucas, excelente artigo, alguns dias atras, um católico teceu uns comentários sobre este texto;

    E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros.
    Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas.
    Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas.

    João 21:15-17

    O comentário do sujeito, foi hilário, o sujeito teve uma linha de raciocínio da mais mirabolente, ele pegou as expressões;
    Ovelhas e cordeiros e disse o seguinte;
    As ovelhas, são os fiéis, os memebros comuns da Igreja, já os cordeiros, seria os pastores, os ministro, sendo assim para o viajante( esse deve ter fumado toda a maconha do planeta), Jesus estava dizendo que Pedro iria apascentar os membros comuns da Igreja(ovelhas) e os pastores(cordeiros).
    Lucas, isso foi hilário, estou rindo até hoje.
    Todo mundo sabe que cordeiro é filhote de ovelhas,na mente viajante desse sujeito(que foi aplaudido por aqueles que estavam de camarote, todos católicos) o filhote apascenta a ovelha, ou seja é o filhote que cuida da ovelha e não a ovelha que cuida do filhote.
    Até hoje fico rindo desse sujeito, com essa argumentação levantou aplausos da platéia de plantão(católicos).
    Abraços Lucas, que Deus continue te abençoando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Neilom, e depois eles dizem que somos nós que fazemos interpretação particular da Bíblia....rsrs. Abraços!

      Excluir
  3. PAPA QUER DIZER PAI? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK TRIZILHÃO DE KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK......... antes de fazer qualquer crítica a qualquer religião por favor certifíque-se primeiro daquilo que vai dizer para não dizer bobagens... P.A.P.A. P=PETRUS,A=APOSTULUS,P=PRINCIPIS, A=APOSTOLARIUM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu geralmente não aceito mensagens de enfermos mentais, mas neste caso vou abrir uma exceção a você, só para mostrar o quanto é ridículo, a palavra "papa" é do latim e provém do grego πάππας, que era uma palavra carinhosa para "pai". A palavra papa (do latim papas, variante de pappos: o avô, o antepassado) servia originalmente para designar o pai ou pedagogo de crianças e tinha o mesmo sentido de "papai", no português. Foi só a partir do século VI que passou a designar com exclusividade o pontífice romano, e se você ainda quer fazer birra com isso vá brigar com Eusébio de Cesareia que no SÉCULO IV chamou o bispo Heraclas de Alexandria de PAPA:

      “Logo, depois de dizer algumas coisas sobre todas as heresias, acrescenta: ‘Eu recebi esta regra e este modelo de nosso bem-aventurado PAPA HERACLAS’" (Eusébio de Cesareia, HE, Livro V, 7:4)

      Será que o bispo de Alexandria também é sucessor de Pedro?

      Como eu já disse, muito raramente respondo a enfermos mentais, prefiro deixar os sanatórios cuidarem de gente assim, mas essa acusação foi engraçada, você não sabe nem o básico do básico do latim.

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.